Décor do dia: dossel de teto no quarto de menina

Tons de rosa e marrom decoram cantinho do cômodo infantil
Por Paula Jacob I Foto: Divulgação

habitaciones-infantiles-nina.jpgO dossel por si só é uma peça que remete ao universo lúdico e mágico dos contos de fadas. Por isso, usá-lo na decoração do quarto infantil pode ser uma ótima ideia, estimulando a criatividade do pequeno. Neste quarto de menina, o dossel de teto em amarelo terroso escuro forma uma cabana, iluminada com luzinhas pendentes e decorada com uma mesa de madeira com livros. É uma maneira ótima de aproveitar a peça após o crescimento da filha, sem a necessidade de se prender ao berço para tal. No chão, puff e almofadas de animais contrastam com os cestos de palha e vime. O guarda-roupa aberto na parede mostra uma decoração atual e nada óbvia para um cômodo infantil.

Anúncios

Décor do dia: preto e branco no quarto de bebê

Amarelo e rosa aparecem nos detalhes da decoração
Por Paula Jacob I Fotos: Divulgação

decoracao-quarto-de-bebe-preto-e-branco-001Ter um quarto preto e branco para o bebê não precisa, necessariamente, cair nas saídas clássicas da combinação neutra. Criado pelo escritório Triarq Studio de Arquitetura, este quartinho de bebê ganhou twist com opções fáceis de décor, como as gotinhas adesivas coladas na parede. A interferência lúdica também surge nas escolhas de iluminação e quadros. “Os pais pediram elementos montessorianos para estimular a autonomia da filha Olívia. Por isso alguns itens foram pensados para a altura da menina, como o espelho, o móbile e a estante de livros”, explicam as arquitetas. O amarelo e o rosa surgem para surpreender nos detalhes estofados, tirando a sobriedade do cômodo para a criança. Simples e elegante!

João Armentano mistura arte e arquitetura moderna em casa em SP

Transmitir harmonia ao combinar uma vistosa coleção de arte contemporânea com arquitetura e mobiliário modernos foi o desafio aceito por João Armentano ao conceber esta residência no Morumbi, em São Paulo. O objetivo: fugir da frieza de um simples espaço expositivo
Texto: Paula Jacob I Produção: Deborah Apsan I Fotos: Ilana Bessler

Sem título.png
Vista externa do mesmo ambiente destaca a arquitetura de João Armentano e o sofá de Sergio Rodrigues

Entre as tantas casas de arquitetura neocolonial, neoclássica ou neo qualquer coisa que se vê ao entrar no condomínio localizado no bairro do morumbi, em São Paulo, surge um bloco de concreto suspenso dividido em dois módulos, cuja diferença dos vizinhos chama a atenção. Quando, ao caminhar para a entrada, noto uma pequena galeria erguida onde antes havia uma garagem, minha suspeita se confirma: é aqui que vive o empresário e colecionador de arte com quem tenho um encontro marcado.

A porta camufla-se em um painel de madeira ripada. “Construir um lar para uma família que aprecia a arte para além da decoração é entender e valorizar as sensações”, reflete João Armentano, responsável pelo projeto. Pivotante, a porta se abre para a área social contínua, revelando a antessala, uma parte do home theater e outra do living. A luz natural entra por todos os lados, através de enormes janelas de vidro que circundam o perímetro do chão ao teto, realçando o mix de mobiliário minimalista com esculturas, instalações e quadros de impacto. Por ali, é impossível não me impressionar ao ser recebida por Tacape Escalpe (1986), de Tunga, acompanhada de um quadro de Rubem Valentim.

Uma triunfante escada caracol de concreto complementa o hall. “Ela é o prolongamento da arte. Um colecionador quer uma escada escultural para reforçar essa vocação estética que ele já carrega”, explica o arquiteto que, por indicação do proprietário, foi buscar referências no trabalho de Paulo Mendes da Rocha. É na escada que o dono me recepciona, descendo da área íntima, e me conduzindo até a sala de jantar.

“Gosto de misturar artistas e épocas no meu acervo”, afirma ele. “A parte histórica me encanta, como o concretismo e o abstracionismo, mas isso não exclui os novos nomes do mercado”. Difícil não reparar na forma precisa como mobiliário e obras se combinam, e como tudo ali trava uma conversa: “Nunca compro alguma coisa pensando onde vou colocar, é sempre uma relação como todo”, conta.

A paixão pela arte vem desde a faculdade de história, que posteriormente ele abandonou, embora não tenha esquecido os aprendizados. Entusiasmado ao falar dos itens que nos rodeiam, como o quadro de Nuno Ramos na parede sobre o bufê vintage, ele revela que adora estudar cada movimento, artista e trabalho que lhe emocione de alguma forma. “Sou colecionador sem querer”, brinca. “Você entra nesse universo e parece que novas portas se abrem. Conhece artistas, visita feiras ao redor do mundo, é tudo muito dinâmico e viciante.” A parte difícil é eleger a obra preferida… Mas ele não titubeia ao destacar a escultura de Tunga: “É muito emblemática. No começo do ano, ela participou da exposição Tunga: O Corpo em Obras, no MASP, e a casa ficou meio vazia – até minha filha de três anos perguntou: ‘Papai, cadê o cabelo?’ É engraçado criar crianças com arte tão perto…”

Ao lado da mulher, que trabalha com moda, e de Armentano, ele é assertivo quanto aos móveis que compõem o décor. Alguns vieram do apartamento antigo, como o bar e a mesa de Jorge Zalszupin. “A ideia era não deixar a casa com cara de galeria. Tive de balancear a expressão da arte com o aconchego de um lar, para então valorizar as peças de coleção e também a sensação de estar em família”, comenta o arquiteto. Longe da frieza, a morada transmite paz. Descansa e estimula a mente em medidas iguais.

Equilíbrio de tons e formas marcam o décor deste apartamento

O desafio de ampliar os ambientes rendeu exclamações dos moradores diante das soluções pensadas pela arquiteta
Fotos: Rafael Renzo/ Divulgação

Sem título.jpgUm momento de realização para a arquiteta Samia Sarayedine Testa é quando ela ouve as exclamações positivas dos moradores: “Você conseguiu! Estamos muito felizes!” Foram duas frases expressivas escutadas na entrega deste apartamento de 250 m² em São Paulo. Resultado de uma missão difícil: o casal havia recém-saído de um imóvel de 500 m² – uma cobertura também concebida por Samia – e estava preocupado coma perda de espaço. “Gosto do novo desafio a cada projeto, com clientes e soluções diferentes. Afinal, o meu papel é interpretar e dar forma aos sonhos deles”, pondera.

Na grande reforma, as áreas do living, do jantar, da adega, da varanda e da varanda gourmet se integraram e a circulação tornou-se fluida. As cores claras imperam, em equilíbrio com tons mais escuros de detalhes e objetos – fórmula calculada com ineditismo pela profissional para cada perfil. “Busco na natureza referências de composições de tonalidades”. Nos espaços criados por seu escritório, ainda têm vez o feito à mão e a tecnologia, pensando em garantir conforto e bem-estar na agitada rotina. “Fazer o cliente se sentir bem e feliz é o que mais me realiza”, diz, diante de mais uma vitória.

Painel de madeira é o ponto forte do projeto deste apartamento

Feita de freijó, a estrutura integra a sala de estar e de jantar
Por Nádia Simonelli I Fotos: Ricardo Bassetti

apartamento-studio-ag_8Assinada pelo Studio AG, a reforma deste apartamento, de 210 m², trouxe um ar fresco para o décor. Alguns móveis foram trocados, a exemplo dos pequenos sofás da sala de estar, que deram lugar a uma peça única, com medidas generosas e desenho contemporâneo. Isso foi feito porque os moradores queriam que este espaço fosse mais usado no dia-a-dia da casa.

Outro destaque importante do projeto foi trazer um elemento forte para o living. Para isso, as arquitetas desenharam um painel feito de folhas de freijó, que forma um pórtico de entrada e unifica a parede principal do apartamento. Este elemento também reforça a ideia de integração entre salas de estar e de jantar.

Com as paredes entre esses ambientes derrubadas, a copa passou a receber mais luminosidade e ainda ganhou alguns brises pivotantes que funcionam como continuação do painel.

Apesar de desejar um ambiente acolhedor, com a madeira bastante presente, os moradores queriam uma decoração leve e clara. Assim, as arquitetas tiveram a ideia de usar e abusar do branco e brincar com texturas diferentes, a exemplo do painel ripado na parede da TV.

Os tons claros e os amadeirados aparecem também no mobiliário. Na sala de jantar, a mesa com tampo de vidro já pertencia aos moradores anteriormente e foi inserida no novo projeto. Desta vez, ela ganhou a companhia de cadeiras magrinhas e com braço. O aparador também já existia, mas foi repaginado e recebeu gavetas de madeira para armazenar os utensílios de servir. O pendente e os quadros de casulo, ao fundo, seguem a mesma inspiração e brincam com diferentes texturas.

Décor do dia: cabana montessoriana na sala de estar

Estrutura funciona para o acampadentro, perfeita para as crianças brincarem
Por Paula Jacob I Foto: Divulgação

2d9e9a26515d55902fa0df2eed55d40aAcampamento na sala pode? Bom, quem já foi criança lembra das noites embaixo dos lençóis para ler livros ou dentro dos fortes feitos de almofadas. Mas brincar não necessariamente significa bagunçar. Por isso, a ideia de acampadentro é uma ótima alternativa! Esta cabana montessoriana com ares nórdicos criada pela IKEA orna com a decoração da sala de estar minimalista, e ainda proporciona espaço de sobra para os pequenos viajarem nos seus universos mágicos. A decoração interna consiste basicamente em um tapete branco sob um jogo de almofadas de tramas e texturas naturais, mas todas em tons neutros. O tecido branco escorre sobre a estrutura de madeira clara, que parece formar uma fogueira. Não tem como não querer brincar!

Reforma atualiza apartamento antigo de 200 m²

apartamento_sesso_dalanezi_20Com aproximadamente 50 anos, este apartamento, na Vila Buarque, em São Paulo, passou por uma reforma radical, comandada Débora Dalanezi e Marcello Sesso, arquitetos do escritório Sesso & Dalanezi. “Fizemos uma atualização geral na infraestrutura e redimensionamos alguns cômodos”, contam os profissionais.

Entre as principais mudanças, está o novo layout da sala principal, que ficou ampla e espaçosa. Para conseguir esses metros a mais, os arquitetos optaram por excluir a copa e transformar a cozinha em um ambiente social. O living ganhou portas de correr de madeira, que isolam o ambiente sempre que os moradores quiserem. A mesa de jantar é a única da casa destinada às refeições, por isso funciona como um móvel para ocasiões diversas e fica entre o estar e a cozinha.

Outro espaço de destaque no projeto é o quarto das duas irmãs. “Elas gostariam de dormir juntas, porém, com a preocupação de no futuro prezarem por mais privacidade”, explicam os arquitetos. Assim, eles criaram um espaço que vai ser utilizado por muito tempo pelas meninas e emendaram os dois quartos, que foram divididos pela marcenaria da estante e da escrivaninha.

A paleta exibe tons neutros como base, a exemplo da madeira freijó e elementos off White, bege e cinza claro. Alguns toques de cor trazem personalidade ao décor, com o bufê azul cobalto na sala de jantar e os pufes cor-de-rosa no estar. No quarto das meninas, candy colors nos armários e almofadas criam um clima delicado e divertido ao espaço.