Móveis vintage de ícones do design são destaques neste apartamento em NY

Em um prédio de 1860, Zesty Meyers vive cercado de peças assinadas por mestres do design que ele mesmo trouxe de volta aos holofotes, em sua pioneira galeria R & Company
Texto Nô Mello* I Fotos Fran Parente

moveis-vintage-de-icones-do-design-sao-destaque-neste-apartamento-em-ny-01
Vista do living revela como as janelas de 3 m de altura do edifício dos anos 1860 privilegiam a luz natural, que, por sua vez, ressalta as poltronas (1952) de Martin Eisler para a Forma, a mesa de centro (1950) com base elíptica de Charles & Ray Eames, o sofá (1950) com pés de jacarandá de Joaquim Tenreiro, as esculturas de bronze de Rogan Gregory, a estante (1970), também de jacarandá, do designer italiano Osvaldo Borsani para a Tecno Spa, e um pufe de Renate Müller (à dir.)

“O que busco no design é aquilo que eu nunca tenha visto antes. E também algo sensorial: seja a madeira, o tratamento da superfície, ou o contorno, precisa me tocar de um modo especial”, conta Zesty Meyers, enquanto me encaminha ao seu living, onde um sofá dos anos 1950 assinado pelo luso-brasileiro Joaquim Tenreiro e duas poltronas de Martin Eisler cercam uma mesa de centro de Charles e Ray Eames, todos itens que acrescentou recentemente ao décor do lar que divide com a mulher Maureen e os filhos Marlon, de 5 anos, e Max, de 15.

“Não consigo resistir. Comesse meu trabalho, fico trocando os móveis o tempo inteiro.” Zesty se refere à R & Company, galeria que fundou ao lado de Evan Snyderman, e que fez dele, desde o final dos anos 1990, o nome a se procurar em Nova York quando o assunto é design vintage. É dele boa parte da “culpa” por Tenreiro, Sergio Rodrigues e companhia limitada serem tão valorizados no mercado internacional hoje em dia, por exemplo. Comesse olhar apurado, Zesty decorou seu apartamento em Tribeca, a apenas algumas quadras da galeria – que, em maio, abre novo ponto no mesmo bairro –, em um edifício tombado de 1860, cujas janelas ultrapassam os 3 m de altura e as venezianas de ferro permanecem intactas. “Compramos o imóvel há três anos, mas passamos meses comas paredes brancas, sem nada dentro, para entender o espaço e como fazer o melhor uso dessa quantidade fantástica de luz”, relembra.

Outro desafio foi adaptar a residência de 120 m², que antes era um loft para artistas, às necessidades da família. “A gente queria manter a atmosfera do loft, mais aberto, mas também aproveitar cada centímetro”, explica Maureen. “Os sistemas de aquecimento e ar–condicionado eram aparentes; só havia um banheiro; não existia uma cozinha propriamente dita e por aí vai…”, complementa Zesty.

Depois de uma reforma de nove meses, surgiu numa parede lateral uma engenhosa “caixa”. É assim que Zesty batiza o ambiente que comporta os dois quartos dos filhos, além do estúdio para o maior e o quarto de brinquedo para o menor, dispostos em um mezanino, com acesso por escadas internas. “Como não temos uma casa, e espaço em Manhattan é algo precioso, decidimos tirar partido da extensão vertical para que eles pudessem ter privacidade e, ao mesmo tempo, brincar e trazer os amigos.” O universo lúdico dos meninos tem desenhos da Nasa dos anos 1970, brinquedos espalhados por espertas prateleiras embutidas, sistema de luzes de LED cujas cores podem ser alteradas por meio de um aplicativo.

Tudo isso contraposto aos elementos vintage pontuados na decoração, como as luminárias do italiano Joe Colombo e do dinamarquês Verner Panton, outros dois nomes que o galerista representa. “É um projeto que se assemelha a uma escultura, parece um navio ou uma nave espacial, um brinquedo em si”, conceitua.

Outra “caixa” foi criada entre a sala e o quarto do casal, para abrigar lavanderia, despensa e os dois banheiros, onde o mármore trazido de Portugal é o material de base – o mesmo se repete na bancada da cozinha, integrada à sala, complementada por uma mesa de José Zanine Caldas que Zesty encontrou numa viagem ao Brasil 15 anos atrás. “Achei que combinava com essas cadeiras de Afra&Tobia Scarpa. Tenho várias delas, são bastante utilizadas nos jantares que fazemos para os amigos.”

Apesar do constante troca-troca de móveis, algumas peças são permanentes: a luminária escultórica de Jeff Zimmerman que pende sobre a mesa de jantar – presente de casamento do artista para o casal – e a estante da década de 1970 do italiano Osvaldo Borsani para a Tecno Spa. “No mais, a casa éumwork in progress”, relativiza o casal. “Não temos pressa, estamos sempre viajando, trazendo novos itens. A ideia é que o apartamento se torne uma obra de arte, mas à sua própria maneira.”

Anúncios

Décor do dia: cantinho vintage com folhas secas

Tons quentes e objetos com história trazem nostalgia para a casa
Por Michell Lott I Foto Divulgação

decor-do-dia-2018-06-16-01.jpgNeste espaço criado pelo estúdio Rag and Bone Man, na Alemanha, o clima é absolutamente nostálgico. Para começar, uma paleta de tons terrosos, tendêmcia que não parece ir embora tão cedo, é estabelecida ao se eleger o rosa para cobrir a parede. A família cromática permanece intacta com mapa antigo amarelado e o aparador vintage de madeira. Está formada, então, a base para que uma verdadeira instalação botânica surja – mas sem quebrar a paleta.

Fica por conta das folhas secas, colocadas em vasos antigos, trazer o toque de magia deste espaço. Uma delas, inclusive, surge pintada de dourado, criando uma conexão imediata com a luminária de piso. Como resultado, surge um ambiente que parece ter saído de um sonho!

Casa dos anos 40 dá espaço a loja-galeria de arquitetura e design

Projeto do arquiteto Leandro Garcia conserva o charme do antigo imóvel
Por Lígia Nogueira I Fotos Fran Parente

estudio-leandro-garcia-curitiba-13Quando o design passou a ganhar mais importância no escritório do arquiteto Leandro Garcia, a partir do final de 2015, a antiga sala comercial já não correspondia mais aos rumos que estavam se anunciando. Em busca de um novo espaço onde seria possível valorizar a individualidade de cada peça desenhada, Leandro se deparou com esta casa de 80 m² construída na década de 1940 no bairro do Batel, em Curitiba, e decidiu fazer dela o estúdio que leva o seu nome.

“Aqui instalei nosso escritório e também uma espécie de loja-galeria, onde temos expostos nossos trabalhos de design de mobiliário e acessórios”, diz o arquiteto, que já colaborou com Marcelo Rosenbaum e Isay Weinfeld em São Paulo. Além de uma vitrine para a rua, atraindo possíveis interessados, o novo espaço também funciona como local de eventos. “A proposta é experimentar e testar novas ideias e peças, ou seja, ter um espaço dinâmico não só para o visitante, mas também para o nosso dia a dia.”

Na nova configuração, sala de reuniões e escritório podem ser integrados ao restante do espaço ou separados por meio de portas de correr de acordo com a necessidade. Dessa forma, o arquiteto deixa clara sua vocação multidisciplinar, promovendo o intercâmbio entre projetos residenciais, comerciais, institucionais, de interiores e design de mobiliário.

No projeto do novo estúdio, o uso do branco tem a função de compor um cenário neutro para que as peças falem por si. Por isso, não há ambientação e a interferência é mínima. Itens importantes para a trajetória do escritório, como o Mancebo Varetas, exposto em Milão em 2016, estão estrategicamente posicionados de maneira a destacar os materiais de que são feitos – no caso, a madeira e o metal.

Um jardim, na lateral do imóvel, foi criado com a intenção de tornar o entorno mais agradável. O verde do paisagismo traz a vida para o interior da casa e serve de moldura natural para a arquitetura e o design. Simples assim.

Décor do dia: banheiro com papel de parede estampado

Garças e libélulas em fundo rosa trazem ares lúdicos ao espaço

0cbc2973a975bd84eb7531dbf8532bbeÉ impossível não se apaixonar pelo papel de parede que decora o banheiro da casa de Susan Petersen, fundadora da marca infantil Freshly Picked, assinado pelo estúdio de design de interiores Alice Lane. Estampado com garças e libélulas sobre um fundo rosa suave, o papel de parede faz parte da linha décor da Gucci e traz ares lúdicos ao ambiente. O espelho redondo e a pia com base natural complementam a ornamentação e contribuem para a atmosfera relaxante do espaço. Velas e rosas frescas também são bem-vindas. Alguém resiste?

Décor do dia: closet diferente em cores neutras

Os tons calmos valorizam as diferentes nuances da madeira crua
Por Gabrielle Chimello

a424-fyqrewk0414693Os guarda-roupa abertos estão fazendo a cabeça de quem quer dar um toque de personalidade ao quarto. Esse em especial, é projeto do Avenue Design Studio, onde o toque escandinavo dá o tom à decoração e às roupas (por que não?).

O piso e as paredes foram pintados de branco para trazer unidade visual. Para as roupas, foram utilizadas araras de piso de metal, enquanto uma prateleira de fora a fora serve para apoiar as caixas e cestos, onde é possível guardar roupas de cama e roupas de frio mais pesadas. Os móveis vintage de madeira foram escolhidos propositalmente para dar um toque de personalidade aos tons claros e linhas retas, deixando a combinação visual simples e coesa. Para se inspirar sem medo!

Décor do dia: cozinha preta e piso com estampa tribal

A madeira ganha destaque em meio aos tons escuros da paleta
Por Gabrielle Chimello

ef6a8e423499d1aefa59ab7f78b3952bAs cozinhas pretas são tendência e estão com tudo! Já até fizemos uma seleção de 12 cozinhas pretas e elegantes aqui. A cor traz sobriedade e permite infinitas composições, assim como nessa cozinha projetada por Elena Gorenshtein, em que a tonalidade toma conta de todo o espaço. Este apartamento foi totalmente reconstruído e renovado, mas preservou a atmosfera da antiga mansão localizada no centro histórico de Moscou. O resultado? Não poderia ter sido menos incrível!

As paredes e armários foram revestidas com o preto marcante que foi quebrado pela bancada e pelos armários de madeira natural, que puxam para um leve amarelado, e conversam perfeitamente com as luminárias cobre que auxiliam na bancada de trabalho. O piso chama a atenção com a cerâmica que forma desenhos tribais e geométricos que trazem um ar divertido e que quebra a sobriedade do ambiente. O toque industrial fica por conta da estante de metal e de madeira que expõe as louças e utensílios da cozinha. Um espaço agradável e pouco convencional, transbordando personalidade.

Décor do dia: quarto de casal em tons de rosa

Uma decoração para morrer de amores
Por Gabrielle Chimello I Foto: Zara Home/ Divulgação/ Reprodução

site_FRT6FL8.jpgJá imaginou acordar em um espaço assim ao lado do seu amor? Para comemorar o dia dos namorados – já mostramos aqui uma seleção de destinos para o dia dos namorados – a marca Zara Home criou este quarto com vários tons de rosa. A cabeceira no formato de meio círculo traz movimento para o espaço e complementa a base da cama na mesma cor. Já a poltrona de veludo quase se camufla no carpete da mesma tonalidade que deixa tudo ainda mais aconchegante. As roupas de cama da marca ganham um toque de sofisticação com a mesa lateral dourada. Um espaço com quê vintage e muito romantismo para se inspirar.