Christy Turlington manda um papo reto sobre assédio e abuso sexual na moda: prepare seus filhos.

christy-turlington-580x673Aproveitando que o escândalo Harvey Weinstein trouxe a tona o tópico de assédio sexualno local de trabalho e o “day of the girl” (dia da garota, em português) nos Estados Unidos semana passada, a modelo Cameron Russell usou sua conta no Instagram para compartilhar depoimentos anônimos de modelos que foram assediadas/abusadas sexualmente em sua carreira. Você pode ler todos em sua conta, no Instagram para compartilhar depoimentos anônimos de modelos que foram assediadas/abusadas sexualmente em sua carreira. Você pode ler todos em sua conta, com identidades protegidas, e todos são realmente impressionantes: “Nós sabemos o que está acontecendo na moda. Nós toleramos, ignoramos e desculpamos isso todos os dias. Ficar cara a cara com tantas pessoas afetadas é se abrir para uma tristeza avassaladora”, em uma de suas conclusões sobre o assunto.

Pouco mais de uma semana após Cindy Crawford declarar que não tinha a menor preocupação com a filha Kaia, de apenas 16 anos, começar sua carreira tão jovem na moda, Christy Turlington Burns deu uma entrevista ao WWD sobre o cenário pavoroso que modelos encontram nos bastidores dessa indústria. Em uma troca de emails com o jornal, ela disse que desde o estouro do caso Harvey Weinstein ela vem pensando em como assédio e maus tratos sempre foram sabidos e tolerados na indústria da moda, segundo ela “cercada de predadores que se aproveitam da constante rejeição e solidão” de que tantas modelos vivenciaram em algum ponto de suas carreiras.

Turlinton se diz sortuda por ter tido uma mãe muito presente ao seu lado no começo da carreira, e depois que ela começou a ficar famosa, foi agenciada com cuidado extra, por isso nunca sofreu qualquer assédio traumático. “Nós confiávamos nas pessoas que deveriam tomar conta de mim”, disse, mas nem tudo era fácil: “Houve vezes em que eu não conseguia acreditar que aquela pessoa estava cuidando de mim em nossas viagens iniciais a Milão, Paris ou Londres. Eu saía do avião e tinha um playboy bizarro lá me esperando. Olhando agora, tenho medo de ter servido como um ‘pote de mel’, como já descreveram nas histórias sobre esses predadores, que servem para fazer com que outras mulheres se sintam protegidas. Sem saber, mas uma espécie de cúmplice”, reflete, afirmando que se soubesse do comportamento dessas pessoas naquela época, teria mantido distância.

Perguntada sobre a melhor maneira de uma jovem modelo se resguardar desse perigo nos dias de hoje, a supermodel diz que chega a se tremer de medo ao pensar que essas pessoas vão sobreviver a todas elas no meio, e que a mesma deveria investir mais na proteção de jovens garotas e garotos. Christy aponta que a indústria da moda era a única que não tinha uma união firme para inspecionar carga de trabalho, comportamento e os temas de sessões de fotos com menores de idade (em 2012, foi criada a Model Alliance), e é incisiva em sua opinião de que a melhor forma de proteger jovens modelos é deixá-los na escola e longe desse meio até que eles sejam adultos: “Mas essa é apenas uma parte do problema. Precisamos ensinar nossas garotas e garotos como se proteger e se defender contra predadores em qualquer área de suas vidas. Assédio sexual pode acontecer em qualquer lugar, a qualquer momento. No parquinho, na escola, no ônibus, em espaços públicos lotados. Aceitar isso e se preparar para isso vai nos ajudar mais a lidar com a situação quando ela acontecer.”

Não faltam escândalos: vimos Terry Richardson ser acusado por uma série de modelos e atrizes de assédio e abuso sexual e modelos escrevendo cartas abertas sobre como sofrem para conseguir seu lugar na indústria enquanto rostinhos de família rica têm seu caminho muito mais fácil. Negar que isso acontece e tratar a indústria como um mar de rosas só porque se tem experiência no assunto não torna menos assustador o ambiente para uma garota de 16 anos, nem algumas de suas fotos menos apropriadas. Uma pena que algumas modelos prefiram achar que sua experiência as priva de falar a verdade sobre os bastidores da moda. [Mariana Inbar]
Foto: St Clair Periot.
Obrigada, Christy.

No sofá com Karlie Kloss 

Sem título18Antes que a aposentadoria de modelo bata em sua porta, Karlie Kloss começou a se mexer para encaminhar a sua vida profissional. Ao contrário do caminho mais comum, de lançar uma linha ou parcerias na moda, onde seu nome já é bem conhecido, Kloss decidiu trilhar novas estradas. E assim ela transformou as suas paixões em negócios. Primeiro como os cookies: depois de estampar página na Vogue preparando as suas receitas ao lado da até então melhor amiga Taylor Swift, ela abriu a sua empresa. Já vimos até ela ensinar o passo a passo para quem quer fazê-los em casa!

Depois ela pegou outro assunto de seu interesse: criar apps. Foi de sua formação na NYU que nasceu a vontade de levar essas informações para tantas outras garotas que ela criou a Kode With Klossy – visitamos há pouco tempo o seu escritório, lembra?
Junte ai na lista o seu canal no YouTube – que também entra na seção dos negócios – o Klossy, que tem receitas, roteiros de viagem e até o dia em que ela foi fazer uma limpa no seu armário na casa da mãe.

Ou seja, Karlie é praticamente uma garota Bombrill, com mil e uma funções.
E pode juntar mais uma nessa lista: ela ganhou o seu programa de televisão! Karlie contou a novidade em um post em seu Instagram.

O “Movie Night With Karlie Kloss” será exibido no canal americano a cabo Freeform, que faz parte do grupo que detém também a ABC. E como o título sugere, será ela e as suas amigas (a maioria das convidadas serão modelos) comentando o filme da noite.
As primeiras convidadas são Kendall Jenner, Ashley Graham e Jourdan Dunn – que aparece na foto abaixo retocando a maquiagem:

Sem título11Ela também já gravou com Kaia Gerber, a filha da Cindy Crawford, que aparece na foto abaixo.

Sem título15.jpgA data de estreia ainda não foi divulgada, mas a rede televisiva já confirmou que entrará na grade da programação neste inverno americano. []

Foto: Instagram Karlie Kloss, Instagram Kloss Style.

Barbados irá renomear rua em homenagem a Rihanna

‘A rua em que a cantora cresceu levará o seu nome a partir de novembro deste ano

0eabcd00b9222d7ac14e3fa1216b16d3O ministério do turismo de Barbados anunciou nesta última sexta-feira, 13, que irá renomear a rua em que Rihanna nasceu e cresceu em sua homenagem. A Westbury New Road, que fica na periferia de Bridgetown, capital do arquipélago caribenho, passará a se chamar Rihanna Drive em novembro.

“Em 30 de novembro, dia da independência, o governo de Barbados irá renomear a Westbury New Road, localizada em St. Michael, como Rihanna Drive em homenagem à cantora barbadiana Robyn Rihanna Fenty, que cresceu lá”, divulgou o ministério em nota para a imprensa, como informa a People.

A casa em que a cantora nasceu é considerada ponto turístico em Bridgetown e a própria Rihanna nunca escondeu o orgulho que tem de ser barbadiana, sempre passando férias no país e gravando clipes nas ilhas caribenhas.

Laverne Cox usa look de estilista brasileiro Vitor Zerbinato

171017-vitor-zerbinato-01-411x600Laverne Cox com o look de Vitor Zerbinato no The Attitude Awards em Londres!


A atriz e ativista da causa trans Laverne Cox apareceu no Attitude Awards na última quinta-feira, 12/10, usando um look made in Brasil! O estilista Vitor Zerbinato é quem criou o vestido exclusivo, preto com uma assimetria na barra. A atriz foi homenageada no evento em Londres da revista “Attitude, que também contou com a presença de príncipe HarryKylie Minogue e outras celebridades.

E não é só ela que aderiu ao Vitor no tapete vermelho – Connie Britton, atriz da série “Nashville” que também participou da 1ª temporada de “American Horror Story“, escolheu um look do estilista pro baile da amfAR em Los Angeles nesse fim de semana! Que tal? Veja o look dela abaixo!

171017-vitor-zerbinato-02-366x600Connie Britton de Vitor Zerbinato no baile da amfAR de Los Angeles

Após denúncias contra Harvey Weinstein, atrizes de Hollywood relatam assédios e abusos sexuais

Reese Witherspoon disse que foi assediada aos 16 anos por um diretor, e que esse não foi um incidente isolado em sua carreira

Reese Witherspoon e Jennifer Lawrence contaram, durante evento da revista ‘Elle’, sobre assédios que sofreram no início da carreira. 2017 Elle Women in Hollywood Awards


Após dezenas de mulheres terem acusado o produtor de cinema Harvey Weinsten de assédios e abusos sexuais, atrizes resolveram abrir o jogo sobre como esses casos são recorrentes no início da carreira de centenas de jovens.

Na última segunda-feira, 16, Reese Witherspoon usou seu tempo de discurso no evento Elle Women para contar que foi assediada quando tinha 16 anos. “Foi uma semana muito difícil para as mulheres em Hollywood, para mulheres de todo o mundo, e fomos forçadas a lembrar de verdades incovenientes sobre muitas situações”, disse a atriz, antes de contar sobre a primeira vez que foi assediada, segundo a People

“Eu sinto muito nojo do diretor que me assediou quando eu tinha 16 anos e raiva dos agentes e produtores que me fizeram acreditar que o silêncio era a condição para conseguir um trabalho. E eu queria dizer que esse foi um incidente isolado na minha carreira, mas, infelizmente, não foi. Eu tive muitas experiências de assédio e abuso sexual e não falo sobre isso com muita frequência. Porém, ouvir tantas histórias nos últimos dias, e ouvir essas mulheres corajosas falarem sobre coisas que somos ensinadas a varrer para debaixo do tapete, me fez querer falar e falar muito alto porque eu realmente me sinto menos sozinha nesta semana do que eu me senti em toda a minha carreira”, continuou.

Reese finalizou seu discurso dizendo que as coisas serão diferentes para a nova geração de atrizes porque agora as mulheres estão denunciando seus assediadores. “Para as jovens mulheres nessa sala, a vida vai ser diferente porque nós estamos com vocês, nós estamos aqui e isso faz com que eu me sinta melhor. Eu fico muito triste ao falar sobre esses problemas, mas eu me arrependeria se não falasse”, concluiu.

No mesmo evento, Jennifer Lawrence também discursou e disse que foi obrigada a perder peso para fazer alguns trabalhos no início da carreira. “Quando eu estava começando, eu ouvi dos produtores de um filme que deveria perder seis quilos em duas semanas. Nessa época, uma produtora me mandou fazer um teste nu com outras cinco mulheres que eram muito, muito mais magras que eu. Nós ficamos lado a lado, apenas com uma fita cobrindo nossas partes íntimas. Depois desse teste degradante e humilhante, a produtora disse que eu deveria usar as fotos nua como inspiração para minha dieta”, contou.

Após o ocorrido, Jennifer disse a um produtor que ela não achava que deveria perder peso, e a resposta dele foi um assédio explícito. “Ele disse que não sabia porque todo mundo me achava tão gorda, ele disse que eu era ‘perfeita para f***r’. Eu me deixei ser tratada dessa maneira porque eu achei que tinha que fazer isso para minha carreira. Eu ainda estou aprendendo que eu não tenho que sorrir quando um homem me deixa desconfortável. Todos os seres humanos deveriam ser tratados com respeito porque eles são humanos”, finalizou.

Ainda na noite da última segunda-feira, a atriz America Ferrera também revelou que sofreu assédio. Em seu Instagram, ela usou a hashtag #Metoo, criada pela atriz Alyssa Milano, e contou que foi assediada sexualmente pela primeira vez aos nove anos de idade. “Eu não contei para ninguém e vivi com vergonha e culpa achando que eu, uma criança de nove anos, era, de alguma forma, responsável pelas ações de um homem crescido”, escreveu America.

“Eu tive de ver esse homem diariamente por anos. Ele sorria para mim, e eu corria assustada, meu sangue ficava frio, e eu carregava o fardo de algo que apenas ele e eu sabíamos – e ele esperava que eu ficasse de boca fechada e sorrisse de volta. Meninas, vamos quebrar o silêncio para que as meninas das próximas gerações não tenham que viver com isso”, concluiu a atriz.

Björk afirma que foi assediada sexualmente por diretor dinamarquês

1117.w.tw.bjork.loA cantora islandesa Björk afirmou, em uma publicação feita nas redes sociais neste domingo (15), que já foi vitima de assédio sexual de um diretor dinamarquês, cujo nome não foi revelado.

A declaração foi feita, segundo a cantora, porque ela se sentiu “inspirada pelas mulheres que estão se expondo on-line”. Segundo ela, ao negar repetidamente as tentativas do diretor, ele se zangou e projetou “para sua equipe uma impressionante rede de ilusão” na qual era “pintada como a difícil.”

“Espero que esta declaração apoie as atrizes e atores. Há uma onda de mudanças no mundo.” Björk afirma que, após confrontar o diretor, ele passou a ter uma relação mais justa com a atrizes. “Há esperança”, escreveu.

A cantora protagonizou o filme “Dançando no Escuro” em 2000, do dinamarquês Lars von Trier. Na época, os dois tiveram problemas e a cantora chegou a afirmar que o diretor seria “louco”. Björk também já trabalhou com os diretores norte-americanos Robert Altman, Nietzchka Keene e a islandesa Kristín Jóhannesdóttir.

A revelação vem à tona enquanto diversas acusações de assédio sexual e estupro são atribuídas ao produtor Harvey Weinstein.

Leia a carta na integra

Estou inspirada pelas mulheres em todos os lugares que estão se expondo online para contar sobre minha experiência com um diretor dinamarquês.

Porque eu venho de um país que é um dos mundos mais próximos da igualdade entre os sexos e no momento em que eu venho da posição de força no mundo da música com independência conquistada, ficou extremamente claro para mim, quando entrei na profissão de atriz, que minha humilhação e papel como algum subordinada sexualmente assediada era a norma e se colocava em pedra com o diretor e uma equipe de dezenas de pessoas que o capacitaram e encorajou.

Eu percebi que é uma coisa universal que um diretor possa tocar e assediar suas atrizes à vontade e a instituição do filme o permite.

Quando eu desviei do diretor repetidamente, ele se irritou, me castigou e criou para sua equipe uma impressionante rede de ilusão onde eu estava pintada como a difícil.

Por causa da minha força, minha grande equipe e porque não tinha nada para perder por não ter ambições no mundo da atuação, afastei-me e recuperou-me em um ano.

Estou preocupada com o fato de que outras atrizes trabalhando com o mesmo homem não fizeram o mesmo.

O diretor estava totalmente ciente desse jogo e estou certa de que o filme que ele fez depois foi baseado em suas experiências comigo. Porque eu era o primeiro que se deparou com ele e não o deixou fugir.

E na minha opinião, ele teve um relacionamento mais justo e significativo com suas atrizes depois do meu confronto, então há esperança. Espero que esta declaração apoie as atrizes e atores de todo o mundo.Vamos parar isso. Há uma onda de mudanças no mundo.

Quem diria, Kim Kardashian é a nova rainha do vintage!

121017-kimka-versace-400x600 (1)Vestido Versace vintage na festa da “Harper’s Bazaar” – o retrô da marca deve entrar em alta depois do desfile de Donatella em homenagem ao irmão Gianni


Hoje, 15/10, é Dia do Consumo Consciente. E uma das formas mais conscientes de consumir moda é comprar a roupa que já foi produzida e usada em brechós e bazares de segunda mão. Tem pra tudo quanto é tipo, gosto e disposição: do brechozinho que é “uma portinha pela qual você não dá nada” até brechós de luxo com roupa higienizada e decoração clean; do bazar da igreja que exige aquela bela garimpada até a feira de trocas com as amigas. A gente adora e recomenda!

E tem uma pessoa que tem aderido ao vintage como nunca. É a Kim Kardashian West, imagina? Desde 2016 que ela tem se jogado no estilo “fim dos anos 90 para o começo dos anos 2000“, mas não só na emulação dele: entre as etiquetas pintam Helmut LangRaf SimonsPradaGucci por Tom Ford e mais, tudo de anos atrás. [Lilian Pacce]

Planejando gravidez, Kate Moss se interna em clínica de reabilitação com mensalidade de R$41 mil

Clínica na Tailândia teria sido indicada a Moss por seu ex-namorado, o músico Pete Doherty

o0400060013680642557.jpgA modelo Kate Moss e seu namorado, o conde Nikolai Von Bismarck (Foto: Getty Images)


A modelo britânica Kate Moss teria se internado em uma clínica de reabilitação com mensalidade de R$ 41 mil com o propósito de colocar a saúde em dia para ter mais um filho. De acordo com o jornal britânico The Sun, a celebridade estaria empenhada em largar todos os seus vícios para engravidar de seu atual namorado, o conde Nikolai Von Bismarck.

“Ela vai fazer 44 anos em janeiro e está cansada da vida de festa”, afirmou a fonte da imprensa inglesa. “Ela sabe que se quiser ter um filho precisa estar em boa forma”, disse o contato do jornal. Kate Moss já é uma menina de 15 anos, a jovem Lila-Grace Moss, nascida em 2002 e fruto do namoro da modelo com o jornalista Jefferson Hack.

“Ela vai fazer 44 anos em janeiro e está cansada da vida de festa”, afirmou a fonte da imprensa inglesa. “Ela sabe que se quiser ter um filho precisa estar em boa forma”, disse o contato do jornal. Kate Moss já é uma menina de 15 anos, a jovem Lila-Grace Moss, nascida em 2002 e fruto do namoro da modelo com o jornalista Jefferson Hack.

Segundo o jornal inglês, a clínica na qual Moss está instalada fica na Tailândia e teria sido apresentada a ela por seu ex-namorado, o cantor Pete Doherty, cliente de longa data da instituição.

Penélope Cruz posa sem roupa para a revista “Esquire” e relembra primeira cena de nudez, aos 18 anos

xnintchdbpict000359794063.jpg.pagespeed.ic.A_mOZoVTN4Penélope Cruz tem, como poucas, um sex appeal elegante. A atriz mostrou que, aos 43, continua com tudo em cima em um clique de tirar o fôlego para a revista “Esquire”. No ensaio, Penélope aparece envolta apenas numa cortina azul. Em outro clique, surge numa lingerie provocante. Em entrevista à publicação, ela contou que chorou após sua primeira cena de nudez, aos 18 anos, no filme “Jamón, Jamón”, no qual contracenou com o atual marido, Javier Bardem:

Perguntado se ela pensou desistir do filme por causa das cenas de nudez, ela disse: “Eu pensei: há um personagem lá, há um estilo, o material é realmente bom “.

xpenelope.jpg.pagespeed.ic.oJqspsJPoTMais um clique de Penélope para a ‘Esquire’ – Divulgação © Esquire / Mert Alas and Marcus Piggot


“Claro que não estava ansiosa por essas cenas, mas eu fiz isso. Todos eram realmente respeitosos, conscientes do fato de eu ter 18 anos. Lembro-me do último dia de filmagem, eu estava chorando, dizendo: “E se eu nunca mais for chamada para um filme? O sentimento foi devastador”.

Muitos filmes e um Oscar depois, Penélope agora trabalha na divulgação de “Assassinato no Expresso Oriente”, um filme inspirado na obra de Agatha Christie, previsto para estrear no fim de novembro no Brasil.

x454362CD00000578-0-image-a-48_1507849521165.jpg.pagespeed.ic.ANIoUxdzuPPenélope Cruz para a ‘Esquire’ – © Esquire / Mert Alas and Marcus Piggot


Em outra entrevista, para a revista “Interview”, a atriz falou ainda sobre uma “mudança profunda” que passou após o nascimento de seu primeiro filho com o ator Javier Bardem, há sete anos. Penélope disse à amiga Gwyneth Paltrow, que conduziu a entrevista, que agora se importa menos com o que as pessoas pensam nela. [O Globo]

Estão boicotando a marca de Donna Karan após declarações a favor de Harvey Weinstein

Estilista disse que mulheres estavam ‘pedindo por isso’

5dd8c1b24330e3312e8c63d68d407a92--fashion-designer-donna-karanDesde que as acusações contra o produtor Harvey Weinstein vieram à tona, este se tornou o assunto mais falado em Hollywood. A estilista Donna Karan acabou se envolvendo na polêmica ao ser questionada pelo jornal Daily Mail sobre a sua visão do caso. “Você olha para mulheres do mundo inteiro, a forma que elas se vestem e o que elas estão pedindo, apenas se apresentando do jeito que fazem. O que elas estão pedindo? Confusão”, disse. A designer também comentou sobre a sua proximidade com o produtor: “Eu conheço a sua mulher. Acho que são pessoas maravilhosas. Harvey fez muitas coisas boas”.

No dia seguinte, Donna Karan afirmou que as suas palavras haviam sido tiradas do contexto. “Eu fiz uma declaração que não representa como me sinto ou em que eu acredito. Minhas palavras foram tiradas de contexto e não representam como me sinto sobre a atual situação envolvendo Harvey Weinstein”. Porém, mesmo com a retratação, consumidores diminuíram o número de compras em sua marca homônima, mesmo Donna tendo se afastado da grife em 2015.

De acordo com o site WWD, as ações do conglomerado G-III Apparel Group, que possui a marca Donna Karan, caíram 4,11%. Ao mesmo tempo, uma petição de boicote apareceu no site Care2, pedindo para que a multimarcas Nordstrom removesse todos os produtos Donna Karan de suas lojas. No momento, a petição conta com mais de 10 mil apoiadores.