Min Shin by Maximiliano Lagos I Fucking Young! Online

urban-dream_fy3

Min Shin clicado por Maximiliano Lagos e styled de Juan Camilo Rodriguez com peças by Guillem Rodriguez, Armani, Acne Studios, G-Star, Chanel, Escorpion, Jose Carayol, Jil Sander e mais, com exclusividade para Fucking Young! Online.

Make-up: Cristina Guda
Post-production: Carolina Salamanca
Styling Assistant: Vanessa Castañeda

urban-dream_fy2urban-dream_fy4urban-dream_fy5urban-dream_fy6urban-dream_fy7urban-dream_fy1

13 provas de que a chemise vai ser a peça coringa da temporada

aimee_song_of_style_denim_dress_chloe_hudson_bag_prada_mules-1A blogger Aimee Song escolheu uma chemise jeans com mules.
A peça clássica está de volta aos holofotes. Veja novas maneiras de usá-la.

O mundo da moda, às vezes, pode ser cruel, e eleger como “a” tendência aquela peça que não é lá muito fácil de usar, e que já surge fadada a não durar mais do que uma temporada. Mas, em outros momentos, escolhe trazer de volta peças práticas e muito, muito fáceis de combinar com o que já temos – é o caso da chemise, a camisa-vestido que promete ser coringa da estação.
Talvez você até já a tenha em algum lugar do guarda-roupa, mas, agora, pode apostar em novas maneiras de usá-la. Pode ser sozinha, com acessórios poderosos, com sobreposições mil, como suéteres e jeans, ou – do nosso jeito favorito – usando-a aberta, por cima de uma calça flare ou de alfaiataria. []

Another Place faz seu primeiro desfile em Nova York

another-place-01

Lançada em setembro de 2015 em meio à ascensão do conceito genderless, a grife brasileira Another Place agora vai para Nova York. A neolabel, criada por Rafael Nascimento, Caio Fortes e Kika Pontual – um trio de Recife – vai desfilar no Fashion Gallery, evento dedicado a jovens talentos na semana de moda de Nova York, em fevereiro.another-place-02A marca preza por peças básicas com modelagem primorosa e pensada para todos os corpos desde os primeiros esboços. Na passarela, a ANP vai apresentar sua quarta coleção, de inverno 2017, batizada de I See You. A apresentação acontece dia 11.

Um clássico reeditado: a jaqueta Zodíaco de Schiaparelli

schiaparelli-jaqueta-astrologica-01

Sabine Getty é quem posa com a versão 2016 da jaqueta: ela nasceu na suíça mas o estilo, de jeans, é bem simples e chic à francesa, né?

Uma das peças mais icônicas da maison Schiaparelli está de volta: a jaqueta Zodíaco, que faz parte da Coleção Astrológica do outono-inverno 1938/39 da fundadora Elsa Schiaparelli, ganha nova versão do atual estilista da marca Bertrand Guyon. Pra quem não sabe, Schiap tinha um tio astrônomo, Giovanni Schiaparelli (que descobriu os canais de Marte), e sempre foi fascinada pelos corpos celestes, astrologia e etc. Giovanni comparou suas pintas na bochecha esquerda uma vez com a constelação Ursa Maior, como a própria Elsa conta em sua autobiografia “Shocking Life” – e a Ursa Maior em si não só aparecia na jaqueta (e aparece no remake de agora) como virou um dos símbolos da marca, citado em broche, acessórios, bordados

Assim como a versão anterior, a de Guyon também ganha bordados bem parecidos da clássica maison Lesage mas tem um formato mais ajustado e com os ombros quadrados. Quem posa com ela é a joalheira e socialite Sabine Getty. A peça só pode ser comprada exclusivamente na boutique-ateliê que fica na place Vendôme, em Paris.

Mercado da moda entra na era da inovação aberta

1482188736603

Pioneiros nos coworkigns, Fabio Uehara e Diogo Hayashi vão ampliar o espaço para receber já no começo de 2017 o dobro da capacidade de residentes

O processo de produção e de venda no mercado da moda está em transformação e no que depender de um grupo crescente de pequenos empreendedores, trata-se de uma mudança irreversível. Estrangulados pela cadeia tradicional, dominada pelas grandes corporações, esses criadores buscam eliminar dependências por meio de um modelo colaborativo de trabalho.

O sentido traçado por esse movimento passa pelos coworkings, ou espaços compartilhados, que moldam sua estrutura com mesas de corte, máquinas de costura, manequins e rolos de tecido para receber os empreendedores. A ideia é atrair o máximo de agentes, o que vai na contramão da produção clássica da moda, que mantém as coleções secretas até o lançamento.

A restrição à produção coletiva não existe mais para os residentes do Lab Fashion, primeiro coworking de moda de São Paulo. Criado pelos empresários Diogo Hayashi e Fabio Uehara, o espaço deve entrar em 2017 ampliado para abrigar o dobro da capacidade atual, que é de 30 pessoas. Com isso, eles esperam duplicar também o faturamento, que deve ser de R$ 25 mil em dezembro.

A ideia de criar o espaço apareceu a partir de uma percepção pessoal de Fabio Uehara, que trabalhava com compra e venda de roupas de confecções para pontos de venda. Em duas ocasiões, ele não se viu atendido por uma grande rede com que trabalhava e decidiu excluí-la do seu fluxo de trabalho.

“Eu não sabia o que queria fazer, mas não podia desperdiçar minha expertise em moda. Eu queria, depois desse trauma, repensar o consumo. Sei que é tímido o que estamos fazendo, mas é uma semente”, explica Uehara. “Não sei se é quixotesco ou não, mas tem um pouco de sonho aí, de transformar a sociedade”, reflete.

O movimento no Lab Fashion é intenso desde a manhã, quando chegam os primeiros residentes. As fitas métricas são os itens mais procurados e perdidos pelos modelistas ao longo do dia, e é possível encontrar alguns deles recortando tecidos até por volta das três da manhã.

“Os profissionais que nos procuram já têm uma certa rodagem. São pessoas da área que estão cansadas de ter um ateliê trancado em casa. As coleções fechadas já não fazem mais sentido, eles querem ter contato com gente, compartilhar, colaborar”, define Diogo Hayashi. Dividir um espaço no coworking custa ao empreendedor R$ 604 ao mês, ou R$ 25 a diária. O plano da dupla é, no futuro, transformar o conceito em franquia.

Justo. Para a carioca Letícia Magalhães, uma das criadoras do coworking Malha, o consumo ‘justo’ é o novo pretinho básico do guarda-roupa. Aliada a outros profissionais, ela injetou R$ 3 milhões para transformar um galpão em São Cristóvão, na zona norte do Rio de Janeiro, em um espaço que já abriga desde a criação até a venda online das coleções de pequenos empreendedores. Atualmente com 50 residentes, a empreitada faturou em novembro, o quarto mês de funcionamento, R$ 250 mil.

“É um caminho sem volta. O mercado da moda, em si, precisa se adaptar. E não é só produzir de forma sustentável, é repensar o modelo de negócio”, reflete Letícia. “Quem ainda não se adaptou tem de correr atrás, porque o consumidor já não tem mais interesse na compra desenfreada”, analisa.

Atenta a essa guinada, a TexPrima, fabricante de tecidos famosa entre estilistas, decidiu também investir em um espaço colaborativo direcionado a pequenos criadores dentro da própria fábrica, na zona norte de São Paulo. “O pequeno empreendedor tem dificuldade em permanecer na cadeia da moda de forma competitiva porque ele não tem escala”, explica o responsável pela implementação do projeto Bruno Souza. A participação no coworking a partir do ano que vem será direcionada a produtores que estejam na cartela de clientes da TexPrima. “Nossa intenção é não perder as pequenas marcas e oferecer ferramentas para que elas cresçam”, conta Souza.
Vivian Codogno – O Estado De S.Paulo

Selena Gomez é a nova garota propaganda da Coach. Vem ver as primeiras imagens.

normal_TwitterOthers1808.jpg

Selena Gomez posa ao lado de Stuart Vevers.
Cantora será o rosto da nova campanha e ajudará Stuart Vevers na criação de algumas peças.
Selena Gomez acaba de ser anunciada como parceira da Coach New York. A cantora será o rosto da nova campanha da marca e vai colaborar com o designer Stuart Vevers na criação de algumas peças.

Selena disse que está muito animada com o novo posto: “Eu estou especialmente ansiosa para conhecer o time da marca assim como me envolver com o apoio da Fundação à organização Step Up. Acima de tudo, colaborar com o Stuart na criação de uma peça para a próxima estação faz disso tudo mais do que especial para mim”. A colab surge para a coleção de fall 2017 da grife.

A celeb já está, inclusive, sendo fotografada usando peças da marca, como você vê no clique abaixo:

by  – L’Officiel

Como usar um único vestido em todas as suas festas de fim de ano

Você olha para a agenda de final de ano e logo fica alarmada com a quantidade de festas para participar em alguns poucos dias. Comprar um look para cada evento pode ser totalmente inviável e, vamos combinar, até um pouco desnecessário.

Por isso, nós mostramos como usar um mesmo vestido em ocasiões diferentes, prestando atenção apenas em trabalhar o styling e adaptar a mesma produção – um vestido de festa – para diferentes ocasiões, indo do Natal em casa ao happy hour do trabalho. [Marcela De Mingo]

Ocasião 1: Amigo Secreto

um vestido vários looks

O encontro com as amigas dificilmente vai pedir um look muito elegante e você vai querer estar confortável para ficar horas conversando. Por isso, vale adaptar uma peça elegante para deixá-la com um ar mais casual.

Vestido: Farm (à venda no OQVESTIR): R$ 318*
Relógio: Casio (à venda na Lojas Americanas), R$ 218*
Camiseta Branca: Hering, R$ 49,99*
Bolsa: Melissa + Vitorino Campos, R$ 390*
Tênis: Adidas Superstar, R$ 399,99*

Ocasião 2: Happy Hour

um vestido vários looks

Com uma flatform e brincos poderosos, o vestido ganha um ar mais elegante, mas a jaqueta jeans e a bolsa estilo saco fazem com que a produção continue descontraída para happy hour depois do expediente.

Vestido: Farm (à venda no OQVESTIR): R$ 318*
Jaqueta jeans: Levis (à venda na Shop2gether), R$ 429,90*
Bolsa saco: Escudero, R$ 587*
Flatform: Schutz, R$ 480*
Brincos: Morana, R$ 49*

Ocasião 3: Natal em família

um vestido vários looks

Se o Natal é uma grande evento na sua família, vale investir em um salto alto (você não vai se cansar já que provavelmente passará a maior parte do tempo sentada), uma choker e uma bolsinha brilhante. Elas contrastam com o vestido que tem mais cara de verão e levam a peça a um evento noturno em um piscar de olhos.

Vestido: Farm (à venda no OQVESTIR): R$ 318*
Sandália preta: Amaro, R$ 169,90*
Bolsa transversal: Nº21, R$ 1560*
Gargantilha: Elephant, R$ 45*

*Preços pesquisados em dezembro de 2016