Spice Girls anunciam retorno com turnê sem Victoria Beckham

O quarteto divulgou datas dos shows que acontecerão em 2019 no Reino Unido
Por EFE

spice girls
As integrantes do grupo Spice Girls (Instagram/Reprodução)

As Spice Girls anunciaram nesta segunda-feira o retorno do grupo — agora um quarteto, já que não terão a companhia de Victoria Beckham — em uma turnê pelo Reino Unido. Melanie Brown (Mel B), Melanie Chisholm (Mel C), Geri Horner e Emma Bunton revelaram os detalhes em um vídeo postado no Twitter, no qual as quatro aparecem caracterizadas como apresentadoras de telejornal.

Os ingressos para as seis apresentações anunciadas para o Reino Unido, todas em junho de 2019, começarão a ser comercializados no sábado.

O grupo confirmou datas em Manchester (1º de junho), Coventry (3 de junho), Sunderland (6 de junho), Edimburgo (8 junho), Bristol (10 de junho) e Londres (15 de junho).

A falta da quinta integrante foi motivo de piada no Halloween, quando Mel B apareceu em uma festa na semana passada fantasiada de Victoria Beckham, com um cartaz que dizia: “Não, não vou sair de turnê”. O namorado de Mel B, Gary Madatyan, se fantasiou de David Beckham, marido da estilista, com outro cartaz em que estava escrito: “Por favor, por favor, por favor, faça pelos fãs das Spice Girls”.

O grupo, que ganhou fama em 1996 com o single Wannabe, se separou definitivamente em 2000, depois de dois anos atuando como quarteto, após a saída de Geri.

As cinco voltaram a se juntar para uma turnê em 2007 e cantaram de novo juntas na cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012.

O álbum de estreia, Spice (1996), iniciou um caminho de sucessos que levou o grupo a vender mais de 85 milhões de discos no mundo todo.

Anúncios

Pharrell Williams entra na justiça para impedir que Donald Trump use suas músicas

Presidente dos EUA tocou canção alto astral do músico em momento trágico para o país

Pharrell-e1423694713351
O cantor Pharrell Williams

Pharrell Williams entrou com um pedido na Justiça dos Estados Unidos para proibir Donald Trump de usar suas músicas em eventos políticos. A medida veio após o presidente tocar a canção Happy em um comício em Indiana, pouco tempo depois do tiroteio que matou 11 pessoas em uma sinagoga de Pittsburgh no último sábado, 28.

“No dia em que vidas ficaram nas mãos de um nacionalista demente, você [Trump] tocou a canção Happy para uma multidão”, escreveu o advogado do cantor, Howard King, na requisição judicial, segundo a CNN.

“Não houve nada de ‘feliz’ na tragédia que aconteceu neste país, e Pharrell não lhe deu permissão para usar a música para esse propósito”, continuou King.

As bandas Aerosmith Rolling Stone, e os músicos Neil Young e Adele também impediram Donald Trump de usar suas músicas.

Prince | Ava DuVernay fará série de documentário para Netflix

Diretora é conhecida por Selma: Uma Luta Pela Igualdade, A 13ª Emenda e Uma Dobra no Tempo

250817-prince-exposicao-01-550x415
Prince ganha documentário na Netflix com direção de Ava DuVernay 

Ava DuVernay dirigirá uma série de documentário sobre a vida e carreira de Prince para a Netflix. O projeto, segundo a Variety, tem aprovação dos herdeiros de Prince, que fornecerão entrevistas, fotos e acesso total ao material arquivado sobre o músico.

Em diversos episódios, a série tratará da vida inteira de Prince. A diretora comentou a oportunidade: “Prince era um gênio, uma alegria e um terremoto. O único modo que eu sei fazer este filme é com amor e muito carinho. Estou honrada em fazer isso e agradecida pela oportunidade e confiança depositada em mim”. 

ava
Ava DuVernay 

DuVernay foi indicada ao Oscar em 2017 pelo documentário A 13ª Emenda, e mais recentemente lançou o filme Uma Dobra no Tempo. O documentário sobre Prince ainda não tem data de estreia revelada. [Julia Sabbaga]

Rihanna se recusa a cantar no Super Bowl em apoio ao jogador Colin Kaepernick

O quarterback se ajoelhou durante o hino nacional dos EUA contra a brutalidade policial direcionada à população negra
Ansa

rihanna1A cantora Rihanna recusou o convite de se apresentar no intervalo do Super Bowl, que será realizado em fevereiro do ano que vem. Segundo a revista US Weekly, o ato foi em solidariedade ao jogador Colin Kaepernick, que está sem time desde que protestou por questões raciais em 2016.

O quarterback, que defendia o San Francisco 49rs, se ajoelhou durante a execução do hino nacional dos EUA contra a brutalidade policial direcionada à população negra. Desde então, ele não jogou mais e até apresentou queixa contra a liga de futebol acusando-os de conspirar para mantê-lo fora de campo.

O Super Bowl é um jogo do campeonato da principal liga de futebol americano dos Estados Unidos, a NFL, e a partida que encerra a temporada sempre reserva um grande show de intervalo.

Após a recusa de Rihanna, a NFL convidou a banda Maroon 5 para se apresentar na final.

Pharrell, Bono e outros artistas gravam álbum em memória da gata de Sophie Calle

A compilação de 38 faixas está exposta na Galerie Perrotin, em Paris

1539807249214
A compilação está exposta na Galerie Perrotin, em Paris Foto: Courtesy Perrotin

A artista Sophie Calle recrutou 38 músicos – entre eles Pharrell WilliamsJarvis CockerLou Doillon e Bono Vox – para escrever uma música original para uma exposição. Até aí tudo bem. Mas os artistas receberam uma instrução específica: compor uma faixa dedicada à memória de sua gata, Souris (rato, em francês), morta em 2014.

Ao Wall Street Journal, Calle contou que a ideia surgiu após a amiga Laurie Anderson, artista experimental americana, ter escrito uma canção para a felina. O presente levou a francesa a considerar o recrutamento de outros artistas para gravar um álbum memorial completo.

De todos os músicos que contribuíram para o disco, dez conheciam o gato pessoalmente. Àqueles que não estiveram com o bichinho, Sophie enviou descrições, fotos e um vídeo de quatro minutos com hábitos específicos de Souris.

Entre as canções, há peças escritas especificamente sobre Souris, outras sobre gatos em geral e algumas que focam em temas mais amplos de luto, perda e ausência. A compilação está exposta na Galerie Perrotin, em Paris.

“Talvez depois eu tenha outro gato, mas no momento não quero. Ela ainda está aqui”, disse Calle à agência de notícias Artnet News.

Trilha de ‘Nasce uma estrela’ com Lady Gaga e Bradley Cooper emplaca cinco faixas de uma vez no Hot 100 da Billboard

Músicas interpretadas por Lady Gaga e Bradley Cooper em trilha sonora de filme ganham destaque após estreia de disco.

nasce uma estrela
Bradley Cooper e Lady Gaga em cena de ‘Nasce uma estrela’ — Foto: Divulgação

Cinco músicas que integram a trilha sonora do filme “Nasce uma Estrela” entraram para a lista Hot 100 da Billboard, que aponta as 100 músicas mais vendidas na semana.

A músicas são interpretadas por Lady Gaga e/ou Bradley Cooper, protagonistas do filme. As cinco faixas chegaram ao ranking após o lançamento do disco, que estreou em 1º lugar da Billboard 200, lista que contabiliza vendas de discos da semana nos Estados Unidos.

As cinco faixas da trilha sonora ocuparam as seguintes colocações na semana datada em 20 de outubro:

  • 5º – “Shallow,” Lady Gaga & Bradley Cooper
  • 36º – “I’ll Never Love Again,” Lady Gaga
  • 41º – “Always Remember Us This Way,” Lady Gaga
  • 63º – “Is That Alright?,” Lady Gaga
  • 93º – “Maybe It’s Time,” Bradley Cooper

A boa trilha de “Nasce uma Estrela” tem Mark Ronson, o homem que ajudou Amy Winehouse a moldar seu som, entre os produtores. E deve conquistar um espaçinho no Oscar. O filme tem muita quentura nas partes cantadas. Há cenas no festival americano Coachella, no inglês Glastonbury, no Grammy e no programa “Saturday Night Live”. Cooper, diretor do longa, consegue botar o espectador no palco e no backstage. Leia crítica completa do filme.

“Nasce uma estrela” não estreou bem apenas como trilha sonora, mas também nos cinemas. O filme que conta com Gaga estreando como atriz ficou com a vice-liderança nas bilheterias do Brasil, faturando R$ 5,8 milhões e vendendo 301,8 mil ingressos.

Holograma de Amy Winehouse fará turnê de shows em 2019

Cantora, morta em 2011, voltará aos palcos com versão digital acompanhada por banda ao vivo

amy_winehouse26Um holograma de Amy Winehouse fará shows em uma turnê mundial a partir de 2019. Segundo o The Guardian, a versão digital da cantora vai apresentar as músicas da britânica, que morreu em julho de 2011, acompanhada de uma banda ao vivo, com duração entre 75 a 110 minutos. Ainda não há informações de agenda.

Segundo o pai de Amy, Mitch Winehouse, a experiência será como um sonho em que ele vai poder rever a filha. “A música dela tocou milhões de pessoas e isso significa que seu legado continuará de um jeito inovador.” Mitch ainda afirma que a turnê vai levantar fundos para a Fundação Amy Winehouse, voltada para a educação de jovens que lutam contra o vício em álcool e drogas.

O projeto é o terceiro da produtora Base Hologram, que atualmente apresenta shows póstumos do cantor americano Roy Orbison e da soprano Maria Callas.

A possibilidade de “ressuscitar” grandes nomes da música começou em 2012, quando uma versão digital do Tupac apareceu no palco do festival Coachella. Billie Holliday é outra representada pela tecnologia, que entoa suas canções em shows diários de 40 minutos no Teatro do Holograma em Los Angeles. Whitney Houston e Frank Zappa são nomes cotados para retornarem aos palcos no mesmo formato.