Kendrick Lamar se une a Rihanna em clipe de “LOYALTY”

Kendrick Lamar liberou nesta sexta-feira (28) o clipe de “LOYALTY.”, com a participação de Rihanna.

A faixa compõe a tracklist de seu disco mais recente, DAMN.
Este é o quarto single do novo disco que já conta com clipes para “ELEMENT.”, “DNA.” e “HUMBLE.”.

Anúncios

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas | Cara Delevingne lança clipe de “I Feel Everything”

Cara Delevingne lançou seu primeiro videoclipe nesta sexta-feira (28). A estreia da atriz e modelo foi com a música “I Feel Everything”, que faz parte do longa Valerian e a Cidade dos Mil Planetas.

O filme adapta a HQ de ficção científica francesa Valerian: O Agente Espaço-TemporalCriadas em 1967, as aventuras de Valerian foram publicadas brevemente no Brasil nas páginas d’O Globinho. Nelas, o durão Valerian (Dane DeHaan) e sua companheira ruiva Laureline (Cara Delevingne) usam tecnologia do século 28 para viajar pelo espaço e pelo tempo e proteger os planetas que formam o Império da Terra contra bandidos que planejam criar paradoxos e romper o continuum espaço-tempo.

O elenco tem ainda Clive OwenEthan HawkeJohn Goodman e Herbie Hancock. O filme tem previsão de lançamento para 10 de agosto no Brasil. [Mariana Canhisares]

Jaden Smith divulga clipe de “Watch Me”

Jaden Smith lançou, nesta sexta-feira (28), o clipe de “Watch Me”.

A música faz parte do seu álbum de estreia Syre, que chegará às lojas ainda neste ano. Há cerca de um mês, ele lançou outra faixa deste trabalho, “Batman” .

Smith lançou mixtapes e EP nos últimos anos, além de colaborar em faixas do Justin Bieber, Childish Gambino e Kid Cudi. Como ator, ele participou de The Get Down, série musical da Netflix.

Kesha revisita passado em clipe de “Learn to Let Go”

Kesha divulgou o clipe de “Learn to Let Go”, terceiro single do seu novo álbum, Rainbow. No vídeo, a cantora revisita gravações de infância.

Assim como as últimas faixas divulgadas pela cantora, “Learn to Let Go” é autobiográfica. Esta especificamente foi escrita com a sua mãe. Em artigo publicado no Huffington Post, ela  afirma que o nome da música “se tornou um dos seus mantras nos últimos anos. Por mais que o passado crie quem somos, não podemos deixar que ele nos defina ou nos atrase.”

Segundo Kesha, Rainbow tem influência de artistas como Iggy PopBeach Boys e James Brown. O álbum será lançado no dia 11 de agosto. [Mariana Canhisares]

Selena Gomez libera inédito de “Fetish”

Selena Gomez liberou nesta quarta-feira (26) o clipe inédito para sua faixa “Fetish”.

A faixa conta com a participação do rapper Gucci Mane e o clipe ganhou direção de Petra Collins, profissional das artes ligada ao segmento de moda. A nova música deve fazer parte da tracklist do próximo disco da cantora, que ainda não tem data de lançamento divulgada.

Katy Perry deve fazer shows no Brasil em 2018, afirma jornal ‘O Globo’

katy perry tour.jpgKaty Perry deve vir ao Brasil (para dois shows) em março de 2018, afirma o colunista de O Globo, Lauro Jardim. De acordo com o jornalista, “O martelo já está batido embora o anúncio oficial ainda demore um pouco“.

A cantora deve se apresentar no Brasil na última semana de março com um show em São Paulo e outro no Rio de Janeiro. Perry, recentemente divulgou o lyric video de “Swich Swich” que conta com a participação de Gretchen. A cantora norte-americana retorna ao Brasil três anos após sua última passagem e atualmente está trabalhando na divulgação de seu disco mais recente, Witness.

Lana Del Rey lança novo álbum com resgate dos anos 60 em meio à era Trump

9fc599530a38b5b310eecad62beab1f2.pngLana Del Rey sorri na capa do seu novo álbum, ‘Lust For Life’. Foto: Polydor/Interscope Records


A cantora norte-americana Lana Del Rey lançou nesta sexta-feira, 21, o seu novo álbum, Lust For Life, o quarto de estúdio da sua carreira. Além de estar disponível para compra, o disco já está também nas plataformas de streaming (e pode ser ouvido aqui).

O trabalho chega com uma mudança de comportamento gigante para a cantora. Conhecida por ter declarado que “queria estar morta” numa entrevista anos atrás, Lana Del Rey – nome artístico de Elizabeth Grant, 32 anos – agora mostra, com o Lust For Life, o seu desejo de viver e espalhar o amor, como já entrega o título do álbum, do primeiro single (Love) e o seu lindo e até então raro sorriso na capa do disco.

Tal atitude não parece ser por acaso. Quem acompanha a carreira de Lana Del Rey sabe do apelo “vintage” da sua imagem, com várias referências às décadas de 1960 e 70. Só que, até agora, suas músicas traziam uma melancolia profunda que pouco refletiam uma parte importante dessa época passada, o Verão do Amor, que acaba de comemorar 50 anos, e o movimento hippie na música.

O movimento de encontro a esse período agora, no Lust For Life, não poderia ser mais explícito. Em uma das músicas, já reveladas anteriormente, Lana Del Rey compara a sua ida ao Coachella deste ano com o icônico festival de música e arte pela paz, Woodstock, em 1969. Coachella – Woodstock in My Mind veio a partir de uma declaração da Coreia do Norte, no fim de semana de realização do Coachella, de que uma guerra termonuclear poderia acontecer “a qualquer momento”.

Em outra canção, Lana canta que “quando o mundo estava em guerra nós continuamos dançando”, em que questiona: “É o fim de uma era? É um fim da América?”. A resposta é que não, “se tivermos esperança, vamos ter um final feliz”. E, por fim, a referência mais escancarada aos anos 60: uma participação de Sean Ono Lennon, filho de John e Yoko, na música Tomorrow Never Came.

A preocupação da cantora, declaradamente, é que os EUA retornem a tempos de guerra e de luta por direitos civis básicos, exatamente como era nos anos 60, em meio à Guerra do Vietnã. Não por acaso, também, o novo álbum canta bastante sobre as mulheres e o sexismo. Tudo, claro, tem a ver com a era Donald Trump. “Quando você tem um líder no todo da pirâmide que casualmente faz graça sobre coisas do tipo, traz defeitos de caráter em pessoas que já são propensas à violência contra a mulher”, declarou Lana, em entrevista ao site NME, sobre o medo de mulheres perderem direitos como o controle de natalidade, por exemplo.

A insatisfação de Lana Del Rey com Donald Trump é tão grande que, em fevereiro, a cantora participou de um grande ritual de magia nos EUA na tentativa de retirar o atual presidente do poder. Ela própria convidou fãs a se juntarem a ela no ritual, numa postagem no Twitter na época.

Apesar de, ao mesmo tempo, voltar à suas origens musicais, principalmente com a influência do hip-hop em suas colaborações com o rapper A$AP Rocky (“cresci no hip-hop”, já cantava Lana em Blue Jeans), o Lust For Life representa uma nova era para Lana Del Rey. O culto aos EUA e à bandeira do seu país será, agora, revisto. “Eu não vou ter a bandeira americana balançando enquanto eu canto Born To Die. Não vai acontecer, prefiro que esteja estática”, revelou ainda em sua entrevista ao NME. “É um período de transição e eu estou consciente disso. Acho que seria inapropriado estar na França com uma bandeira dos EUA. Parece estranho para mim agora – não parecia em 2013.” Pedro Rocha, ESPECIAL PARA O ESTADO