Amos Goldreich amplia casa com terraço vitoriano e cria uma casa cheia de luz

O cliente se aproximou da Amos Goldreich Architecture para criar uma extensão lateral, bem como a reforma interna do primeiro andar de uma casa vitoriana em Finsbury Park, em Londres.

“O briefing era ampliar a cozinha com uma extensão lateral e fazer mais espaço no piso térreo com soluções de armazenamento eficientes por toda parte. A extensão é concluída em tijolo, para complementar o tom do tijolo de ações de Londres da casa existente. Uma grande janela de vidro sem moldura, que funciona internamente como um assento de janela, dá vista para o jardim a partir da nova extensão lateral cheia de luz e da cozinha. A extensão lateral é formada por aletas estruturais de madeira, revestidas externamente em zinco, na parede da parede do tijolo. Uma grande luz de teto traz a luz do dia para a cozinha e melhora as conexões entre os espaços que ligam a sala de estar da frente com o jardim das traseiras. Recursos energeticamente eficientes, incluindo iluminação LED e novos encanamentos com piso aquecido na cozinha e área de jantar, também adicionam uniformidade estética e reduzem a desordem. As alterações internas incluem uma cozinha IKEA modificada com frentes de contraplacado e um design de ilha de cozinha personalizado. Um novo WC convidado foi adicionado atrás da cozinha. Um guarda-roupa oculto foi construído na parede da sala de estar para fornecer armazenamento para casacos e sapatos. Este projeto ofereceu a oportunidade de trazer tanto pensamento criativo para a mesa – queríamos criar algo caseiro, funcional e familiar, mas com um forte senso de design, o que realmente eleva o esquema de uma remodelação a uma “transformação”. Apenas mostra que você não precisa de um orçamento enorme ou de espaço para criar uma casa bonita e única. Os clientes tiveram o prazer de trabalhar e estamos muito satisfeitos em vê-los se acomodando confortavelmente à paternidade em seu novo ambiente ”, diz Amos Goldreich.

almington-street-house-london-amos-goldreich6
almington-street-house-london-amos-goldreich4
Brick extension
almington-street-house-london-amos-goldreich3
Bespoke kitchen island
almington-street-house-london-amos-goldreich8
Kitchen
almington-street-house-london-amos-goldreich1
almington-street-house-london-amos-goldreich7
almington-street-house-london-amos-goldreich9
Exterior
almington-street-house-london-amos-goldreich10
Floor plan
Anúncios

Bilheteria EUA: Vingadores: Ultimato, The Intruder, Casal Improvável, Uglydolls, Capitã Marvel

Vingadores: Ultimato – Avengers: Endgame. EUA, 2019. Direção: Anthony Russo e Joe Russo

Pela segunda semana seguida, Vingadores: Ultimato fica em primeiro na bilheteria dos EUA com arrecadação de US$145,8 milhões só nesse fim de semana. Isso fez com que o filme tenha passado a marca de US$2 bilhões globais, tornando-se o longa mais rápido a conseguir chegar neste valor – para referência Avatar, que ainda lidera o ranking de maiores bilheterias, precisou de 47 dias para conseguir o mesmo.

Em segundo, TheIntruder, suspense com Dennis Quaid, levou US$11 milhões em seu fim de semana de estreia – o suficiente para pagar o orçamento de US$8 milhões e ainda lucrar.

Casal Improvável– comédia romântica com Seth Rogen Charlize Theron – estreia com US$10 milhões em terceiro, com Uglydollsvindo em quarto com US$8 milhões. Ironicamente, quem fecha o top 5 também é a Marvel: o filme-solo da Capitã Marvel, em sua nona semana em cartaz, ainda levantou US$4,2 milhões (só nos EUA, o filme já fez US$420 milhões, tendo passado de US$1 bilhão na bilheteria global).

Teste com ‘curtidas’ no Instagram preocupa influenciadores

Plataforma deixa de mostrar número de likes para evitar distúrbios, mas usuários temem perder atenção de marca
Por Bruno Romani – O Estado de S.Paulo

Depressão tem origem além de rede social, diz Aline Souza

Em meio a fotos de pôr-do-sol, comidas e gatinhos fofos, uma nuvem cinza começou a pairar no universo do Instagram nesta semana. Desde sexta-feira, 3, a rede social de fotos testa no Canadá uma mudança na plataforma: parar de mostrar, para todos os usuários, a contagem de curtidas que aquela publicação recebeu – a partir de agora, só o dono da postagem saberá o quanto é popular. A intenção é boa: melhorar o ambiente do app, que há anos é acusado de deteriorar a saúde mental dos usuários com imagens de um estilo de vida perfeito e inalcançável. Mas teve quem não gostou.

Mesmo sem data para chegar ao Brasil, o “fim da contagem de curtidas” gerou dúvidas em uma parcela de influenciadores e aspirantes a celebridades da rede social. “Para quem trabalha com Instagram e precisa ser notado, não achei que foi uma boa”, diz Aline Jesus de Souza. Com 36 anos e uma conta com quase 30 mil seguidores interessados em decoração, ela faz parte de um grupo que teme não ter como chamar a atenção de marcas e potenciais parceiros.

“Como vamos analisar um conteúdo sem saber a curtidas? Como as empresas vão interpretar isso? Será que vão continuar dando importância para a rede ou ela perderá a credibilidade?”, questiona Vanessa Manfredini, de 32 anos e um perfil com 45 mil seguidores.

Para Alexandre Inagaki, consultor em redes sociais, cujo trabalho é fazer a ponte entre anunciantes e influenciadores, também enxerga alguns problemas no novo modelo. “Para as marcas, o número que continuará visível é a quantidade de seguidores. A tendência é que o foco nisso se agrave”, diz. “Além disso, o influenciador vai continuar ‘na neura’. Ele vai continuar vendo os próprios likes e tentando entender o que fez um post dar certo ou não”.

Se a métrica que passar a importar for o número de seguidores, há ainda outro medo para os influenciadores: o temor de que perfis que compram seguidores, prática bastante criticada dentro do Instagram, sejam nivelados a quem está conquistando público organicamente. “Tem blogueira que compra muitos seguidores, mas têm poucas curtidas. Agora todo mundo vai achar que é igual. Não vai dar para identificar quem é quem nesse primeiro momento”, diz Ana Clara Benevides, 23, influenciadora digital especializada em moda, com 129 mil seguidores. “Não acho interessante essa democratização”.

Saúde mental

A medida foi anunciada nesta semana por Adam Mosseri, chefe do Instagram, durante a conferência de desenvolvedores do Facebook, a F8. Segundo ele, a intenção é que os usuários apreciem as imagens e se desapeguem do número de curtidas, tentando manter o ambiente saudável. “Não podemos dizer se vai dar certo ou se vai ser só mais um teste, mas é algo que estamos tentando para melhorar o ambiente”, disse Mosseri. É uma resposta a anos de críticas – em 2017, um estudo da agência de saúde pública do Reino Unido considerou o Instagram a pior rede social para a saúde mental e o bem estar das pessoas.

Há quem não acredite nas boas intenções da companhia de Mark Zuckerberg. “Depressão e problemas de autoestima são coisas que têm origem além das redes sociais. Acho uma loucura o Instagram esconder as curtidas como se isso fosse resolver a saúde mental das pessoas”, diz Aline.

A possível mudança, porém, não vai acabar com os pedidos de likes feitos pelos influenciadores. Aline, por exemplo, lembrou os seus seguidores que embora o número fique escondido, a curtida ainda é importante para o seu perfil. E a ideia não é apenas apresentar esse dado para parceiros. “O algoritmo do Instagram usa as curtidas para determinar quais conteúdos vão aparecer no feed das pessoas. Isso não mudou”, diz. Há um certo temor entre elas de que os números escondidos desestimulem novas curtidas.     

“A curtida sempre foi uma métrica de vaidade”, diz Isabela Ventura, presidente da Squid, empresa de marketing com foco em microinfluenciadores – isto é, quem está começando. “Olhamos para o conteúdo, a originalidade, a comunidade na qual o influenciador está inserido”, explica. Além disso, métricas internas não foram desativadas do Instagram, de forma que os influenciadores ainda podem gerar relatórios para as marcas. Atraí-las, porém, pode ser um desafio. /COLABOROU EMILLY BENKHE

Nome de bebê de Harry e Meghan Markle pode ter sido revelado por site da família real

Arthur, Alexander e James são possíveis nomes do novo integrante da realeza

A Duquesa de Sussex Meghan Markle, e o Príncipe Harry – AFP

O bebê de Meghan Markle e Príncipe Harry está prestes a nascer, e há até quem diga que ele já está entre nós. Mas enquanto nenhuma informação oficial é revelada, especulações de todos os tipos são feitas em cima do novo integrante da família real britânica.

Uma das suspeitas é a de que o site oficial da família real pode ter revelado o sexo e o nome do bebê. Isso porque “novas páginas”, com novos nomes, começaram a surgir no site.1

Todos os membros da realeza britânica, inclusive os bebês, têm suas próprias páginas biográficas no site. A pequena princesa Charlotte tem a Royal.uk/Princess-Charlotte, e assim por diante. Por conta disso, alguns internautas começaram a testar possíveis nomes do novo bebê, que também deve ganhar uma página.

Ao testar um nome qualquer, o site resulta em uma “página não encontrada”. Mas, testando os nomes “Prince Arthur” (Royal.uk/Prince-Arthur), “Prince James” (Royal.uk/Prince-James), e “Prince Alexander” (Royal.uk/Prince-Alexander), o usuário é encaminhado para a página inicial do site, o que indicaria que os links já existentes, mas fora do ar. No caso de “Arthur”, a variação sem a letra “h” também tem o mesmo resultado.

Segundo o comunicado do anúncio da gravidez, no ano passado, a previsão era de que o parto de Meghan acontecesse entre abril e começo de maio de 2019, o que significa que, se o bebê ainda não nasceu,deve aparecer muito em breve.

App Store tem primeira queda em número de downloads desde (pelo menos) 2015

Que a App Store vai de vento em popa e continua sendo um dos grandes motores do (cada vez mais importante) setor “Serviços” da Apple, disso todo mundo sabe. Mas isso não significa que a aparentemente inabalável loja de aplicativos da Maçã é imune a leves tropeços de vez em quando.

De acordo com dados do Morgan Stanley publicados por Kif Leswing, da CNBC, a App Store registrou, no primeiro trimestre deste ano, a primeira queda no número total de downloads desde ao menos 2015 (que é o ano em que a empresa começou a registrar esses dados). Em comparação com o mesmo período de 2018, tivemos uma queda de 5% nos apps baixados ou comprados.

Apesar disso, a receita da loja continuou subindo e registrou um salto de 15% em relação ao primeiro trimestre do ano passado: foram US$3,7 bilhões gerados pela App Store no primeiro trimestre de 2019 — o que está dentro das expectativas gerais da indústria, mas um pouco abaixo das estimativas feitas pelo Morgan Stanley para os investidores.

Os números dão um alento para a Apple: como provado pela comparação dos dados acima, os consumidores estão gastando cada vez mais com cada download feito na App Store. De fato, o gasto médio por app subiu 21% numa comparação anual, e (como era de se esperar) o setor de jogos é um grande motor desse crescimento. Na China, especialmente, os gastos com os indefectíveis joguinhos do iPhone têm crescido em ritmo acelerado, dando boas margens para a Maçã.

Apesar disso, outros setores demandam atenção: o de entretenimento, por exemplo, está vendo uma desaceleração rápida do crescimento — especialmente por conta de serviços com pagamento mensal, como a Netflix, retirando as opções de assinatura dentro dos apps.

Talvez seja a hora de a Apple rever sua política de divisão de lucros?

VIA CULT OF MAC

Museu na Turquia projetado por Kengo Kuma tem fachada de madeira

Fundado pelo colecionador turco Erol Tabanca, museu terá 4.500 m² e abrigará vasta coleção internacional de arte moderna e contemporânea

Esquiceir, cidade universitária na região noroeste da Turquia, será sede do mais novo projeto assinado pelo arquiteto Kengo Kuma. Com 4.500 m², o Odunpazari Modern Museum (OMM) ganhou data de abertura e está previsto para ser inaugurado em junho de 2019.

​Com retas firmes e construções em madeira, caractísticas que já se tornaram uma assinatura do arquiteto, o projeto foi inspirado na arquitetura própria de Esquiceir, que tem uma relação íntima com a indústria da madeira. Idealizado para formar uma praça no entorno dos outros edifícios, o museu já é tido como um novo marco cultural para a cidade.

Fundado pelo colecionador turco Erol Tabanca, o museu contará com um acervo internacional de arte moderna e contemporânea, com coleções que abrangem desde a década de 1950 até os dias atuais.

“No coração deste projeto estava o desejo de criar um elo entre as pessoas e a arte”, explicou a equipe responsável. “Queríamos que o edifício carregasse a história e a memória da cidade, para ressoar tanto em escala humana quanto com a paisagem única de Odunpazari que, por sua vez, é uma experiência especial por si só. Estamos muito ansiosos para ver o público desfrutar e interagir com o edifício”. 

A exposição inaugural apresentará artistas da Turquia, além de obras do artista japonês Tanabe Chikuunsai IV e exibições de galerias permanentes, além de outras atividades para o público como palestras, workshops e seminários.