The Handmaid’s Tale | June está de volta em primeiro teaser da 3ª temporada

Prévia completa será mostrada no Super Bowl

Hulu divulgou o primeiro teaser da 3ª temporada de The Handmaid’s Tale, que mostra June rapidamente. O vídeo completo será divulgado neste domingo (3), no Super Bowl.

Elizabeth Reaser (Crepúsculo, A Maldição da Residência Hill) e Christopher Meloni (Happy!) foram confirmados no elenco do novo ano – saiba mais.

Ainda não há data de estreia para a terceira temporada de The Handmaid’s Tale, que está atualmente em produção. No Brasil, o seriado é transmitido pelo canal pago Paramount Channel, e também será adicionado ao catálogo do serviço de streaming Globoplay. [Camila Sousa]

Anúncios

Fãs elogiam beleza de Ted Bundy, assassino estuprador em série da Netflix

Não é a primeira vez que a Netflix faz alertas sobre o comportamento do público
Por Estadão Conteúdo

 (Netflix/Reprodução)

São Paulo – A Netflix publicou na segunda-feira, 28, um alerta sobre os elogios que seu público tem feito ao assassino da série “Conversando com um serial killer: Ted Bundy”. Segundo o serviço de streaming, alguns fãs da obra têm elogiado a beleza física do norte-americano Ted Bundy, que estuprou, decapitou e fez sexo com os corpos de 30 mulheres, nos Estados Unidos.

“Eu (Netflix) vi pessoas falando sobre Ted Bundy, dizendo que ele é sexy e eu gostaria de lembrar gentilmente que há milhares de homens sexies na plataforma. Quase todos não são assassinos condenados”, escreveu a equipe.

Outra usuária afirmou sentir nojo dos elogios: “Eu tenho nojo da sexualização sobre Ted Bundy. As mulheres rastejam para me explicar como ele era charmoso. Foi assim que ele matou mulheres”.

Não é a primeira vez que a Netflix faz alertas sobre o comportamento do público. Recentemente, a plataforma pediu aos fãs de “Bird Box” para que não andassem ou dirigissem com olhos vendados. Algumas pessoas se acidentaram tentando imitar os personagens da série.

Canadá pede que Netflix tire de ‘Bird Box’ imagens reais de acidente

Desastre com trem em Quebec, em 2013, deixou 47 mortos; empresa pediu desculpas, mas disse que não fará alterações

‘Bird Box’ usou imagens reais de um acidente que ocorreu em província do Canadá. Foto: Netflix/Divulgação

O Parlamento do Canadá aprovou uma moção nesta quarta-feira, 30, dizendo que a Netflix deveria compensar as pessoas de Lac-Megantic, na província de Quebec, por usar imagens de um desastre ferroviário de 2013 no filme Bird Box.

As imagens mostram um trem abandonado carregando óleo que rolou por um declive, saiu dos trilhos e explodiu, formando uma enorme bola de fogo. O acidente deixou 47 mortos.

Embora a moção não seja vinculantes, ela é uma repreensão severa do Parlamento do Canadá para o uso das imagens da explosão ferroviária em Bird Box e na série Viajantes.

Os membros do Parlamento votaram para exigir que a Netflix remova todas as imagens da tragédia em Lac-Megantic. A plataforma de streaming pediu desculpas, mas se recusou a removê-las. A empresa licenciou as filmagens do vendedor de imagens Pond 5.

Pierre Nantel, um legislador do Partido da Nova Democracia que apresentou a moção nesta semana, disse que não pode aceitar que a Netflix não remova a gravação.

“Sabemos que as pessoas vão assistir a este filme e, novamente, essas imagens reais serão usadas”, disse ele. “Para as pessoas em Lac-Megantic, elas viram imagens de sua própria cidaed queimando e poderiam imaginar seus próprios familiares ali”, completou.

A Netflix se recusou a comentar o caso nesta quarta-feira, indicando apenas uma carta que a empresa enviou na semana passada à ministra da cultura de Quebec em resposta às preocupações dela.

Na carta, a diretora de política pública da Netflix, Corie Wright, disse que a empresa “entende que muitos sentem frustração e tristeza ao ver imagens desse trágico evento”, mas isso não pode fazer mudanças em um “conteúdo finalizado”.

Com informações da Associated Press

Criador de ‘Suits’ diz que probabilidade de retorno de Meghan Markle é “próxima de zero”

“Atualmente nós não estamos considerando pedir que ela deixe sua posição com a família real para se juntar a nós”, disse Aaron Korsh
Marie-Louise Gumuchian, Reuters

A duquesa de Sussex, Meghan Markle, em visita ao Teatro Nacional de Londres

LONDRES (Reuters) – A duquesa de Sussex, Meghan Markle, visitou o Teatro Nacional de Londres na quarta-feira, 30, como nova patrona real da instituição, assistindo ao ensaio de uma peça de Shakespeare e conhecendo aspirantes a artistas. Mas, à medida que Meghan se reconectava brevemente com seu passado como atriz, um retorno à sua antiga série Suits foi praticamente descartado pelo criador do programa.

Usando um vestido rosa claro, Meghan se reuniu com funcionários de organizações que trabalham com arte e comunidade, antes de assistir a um ensaio da nova versão musical de Péricles.

A duquesa de 37 anos, que está grávida, estudou teatro mas ganhou proeminência com seus trabalhos televisivos. Antes de seu romance com o príncipe britânico Harry ser anunciado, Meghan era mais conhecida por interpretar Rachel Zane na série sobre advocacia Suits, papel que abandonou antes de se casar em maio.

Fãs se perguntavam se Meghan poderia um dia voltar à série —mesmo apenas para uma participação especial na nona e última temporada, que estreia este ano—, mas na terça-feira, 29, o criador e produtor-executivo de Suits, Aaron Korsh, disse a jornalistas na Califórnia que isso é altamente improvável.

“Atualmente nós não estamos considerando pedir que Meghan Markle deixe sua posição com a família real para se juntar a nós”, disse Korsh, segundo o site Entertainment Tonight. “Eu adoraria, mas acho que (a probabilidade) é bem próxima de zero.”

Enquanto Meghan estava no teatro, seu marido, Harry, participou de uma discussão da Commonwealth.

Ator Jussie Smollett da série ‘Empire’ é internado após ataque homofóbico de apoiadores de Trump

De acordo com o TMZ, Jussie Smollett recebeu ameaças de morte

Jussie Smollett (Foto: Instagram/Reprodução)

Jussie Smollett precisou ser hospitalizado após sofrer um violento ataque homofóbico em Chicago na madrugada de terça-feira (29). De acordo com o TMZ, o astro da série Empire – Fama e Poder – da Fox e também exibida na Globo – já vinha recebendo ameaças de morte.

Jussie, que interpreta o personagem Jamal Lyon, chegou em Chicago durante a madrugada e resolveu sair do hotel onde estava hospedado para comer um lanche. Às duas da manhã, dois homens brancos usando máscaras de ski para cobrir o rosto renderam o ator. “Você que é o gay de Empire?”, perguntaram. Jussie tentou revidar, mas eles o agrediram fortemente e o ator quebrou uma costela.

Os dois homens, então, tentaram enforcá-lo com um cordão enquanto jogavam alvejante em cima dele gritando: “Este é o país do Make America Great Again”, slogan do presidente Donald Trump.

Jussie teve que ser hospitalizado, mas já foi liberado nesta manhã. A polícia local investiga o crime motivado por homofobia. O ator havia recebido cartas anônimas com ameaças de morte, segundo o site The Grape Juice. “Você vai morrer, negro viado”, diziam as cartas.

Através do Instagram, diversos artistas declararam apoio a Jussie e desejaram maior eficiência no combate à homofobia. “Isso mostra porque a comunidade LGBTQ continua a lutar para ser vista e protegida contra o ódio. Todos nós temos que tomar isso como algo pessoal. Estou junto com você, Jussie. Você é amado!”, disse a atriz Viola Davis.

“Isso não é correto. É um resultado direto da cultura do ódio e intolerância que está novamente invadindo nosso país. Estou ao lado de Jussie e exijo justiça diante desse crime de ódio contra meu amigo, ativista, líder e uma pessoa boa”, pediu Shangela Laquifa Wadley, drag queen e uma das atrizes do longa Nasce Uma Estrela. A roteirista Lena Waithe e a atriz Jada Pinkett Smith também se solidarizaram com o caso.

A mãe de Beyoncé, Tina Knowles, também demonstrou sua indignação. “Estou chocada e desesperada com isso! Se eu escutar mais alguma pessoa dizendo que essa administração não está encorajando os racistas, machistas e homofóbicos do país, eu vou gritar! Pessoas andando com bonés pró-Trump por aí e dizendo que coisas assim não tem nada a ver com isso. Acordem! Parem de se esconder atrás dessas merdas e digam a realidade!”, esbravejou.

Jussie é abertamente gay e inclusive seu personagem na série também é homossexual. “Eu nunca estive no armário, é importante que todos saibam quem sou eu”, disse em entrevista à Ellen DeGeneres, em 2015.

Documentário ‘O Preço de Tudo’ que revela os bastidores do mercado da arte é exibido na HBO

Como que uma obra de arte contemporânea, cujo autor ainda está vivo, pode custar dezenas de milhões de dólares? Qual é o processo para se chegar a esses preços? O filme do diretor Nathaniel Kahn (que já foi indicado ao Oscar duas vezes) tenta responder a estas perguntas visitando galerias, museus e casas de leilões. Também conversa com marchands, críticos e colecionadores, além de artistas como Jeff Koons, George Kondo e Gherard Richter.

HBO, Hoje (28) 20h15, 10 anos

Série de “Resident Evil” está em produção pela Netflix, segundo site Deadline

Claire Redfield em “Resident Evil 2”, lançado nesta semana para PC, PS4 e Xbox One.Imagem: Reprodução

Segundo informações do site Deadline, uma série baseada na franquia “Resident Evil” está em desenvolvimento, como produção original da Netflix e a companhia alemã Constantin Film, dos filmes, irá desenvolver a série.

Eles estão em busca de um showrunner e a ideia seria expandir a mitologia da franquia, mantendo a premissa básica que também foi usada nos filmes da franquia. A história irá “explorar os trabalhos sombrios da corporação da Umbrella e da nova ordem mundial causada pelo surto do T-vírus”.

A série está em estágios iniciais e deverá incluir todos os elementos da franquia, incluindo cenas de ação e easter-eggs.

A franquia de filmes tem 6 filmes até o momento e foi dirigida por Paul W. S. Anderson, com a atriz Milla Jovovich no papel principal. Em dezembro, a Constantin Films, que adquiriu os direitos da série no cinema, chegou a contratar Johannes Robers para escrever e dirigir um reboot com novos atores.

Lembrando que nesta sexta-feira foi lançado o “Resident Evil 2” para PS4, Xbox One e PC. O jogo foi totalmente refeito, com cenários mais detalhados e o uso da RE Engine, mesmo motor gráfico usado em “Resident Evil 7” e no futuro “Devil May Cry 5”.

Nos últimos anos a Netflix anda investindo bastante em séries originais, principalmente baseadas em games. Foram lançadas 2 temporadas de uma animação baseada e Castlevania e uma série de The Witcher está em produção, com Henry Cavill no papel principal de Geralt de Rivia.

Outra série com uma pegada em games é “Black Mirror: Bandersnatch”, onde o espectador escolhe e define os rumos da história, com finais diferentes. Para promover a série, o serviço de streaming lançou um jogo que roda em um emulador do ZX-Spectrum, um dos primeiros computadores que ganharam popularidade na década de 80.

Também surgiram boatos de uma série baseada em Zelda e o produtor da série animada de Castlevania, Avi Arad, negociou com a Capcom os direitos para produzir uma série baseada em “Devil May Cry”. [GameHall]