Trabalhe na construção da sua própria marca

Trabalhar a sua marca pessoal é um instrumento capaz de potencializar não só a sua carreira, mas também a organização onde você atua
Por Mauricio Benvenutti – O Estado de S.Paulo

Nunca foi tão oportuno pensar em você como uma marca
Nunca foi tão oportuno pensar em você como uma marca

Nunca foi tão oportuno pensar em você como uma marca. Ou seja, trabalhar a construção da sua carreira assim como uma organização trabalha a construção da sua identidade, do seu conjunto de valores que a diferencia no mercado. Não é de hoje que isso é importante. No Antigo Egito, fabricantes de tijolos esculpiam sinais em seus produtos como forma de identificá-los. Na Idade Média, comerciantes europeus personalizavam suas mercadorias para evitar imitações. Na Revolução Industrial, fábricas passaram a usar nomes e símbolos para valorizar o que produziam. Práticas como essas são empregadas há séculos para garantir autenticidade, construir relações de confiança e obter reconhecimento.

Marca é tudo o que você sente quando interage com um negócio ou alguém. Sei que existem várias definições para o termo. Essa é a que eu uso. No dia a dia, ao convivermos com empresas, desenvolvemos uma série de emoções em relação a elas. Se eu mencionar “Coca-Cola”, por exemplo, que expressão resume as inúmeras sensações que aparecem em você? Pode ser que a sua resposta seja refrescante, doce ou sede. E se eu falar “Boticário”? Talvez romance ou surpresa. E “McDonald’s”? Quem sabe conveniência ou alegria. Tudo isso é marca. As reações que surgem quando você se relaciona com determinadas organizações representam as suas percepções – positivas, negativas ou neutras – em relação a elas.

Isso vale também para nós, seres humanos. Se você tivesse de colocar em palavras os seus sentimentos sobre Elon Musk, o que viria? Ou sobre um sócio ou colega de trabalho? A verdade é que todos temos uma marca pessoal, independentemente de investirmos nela ou não. Hoje, somos altamente conectados e bem mais públicos do que antes. Quando fazemos qualquer coisa, produzimos pegadas virtuais e deixamos um rastro de evidências. A pergunta é: você prefere que a sua reputação tenha vida própria e seja construída de maneira descontrolada? Ou prefere ser responsável por essa narrativa e ter o mínimo de controle? Com a popularização da web, cuidar da sua presença digital se tornou essencial.

O ponto é o seguinte: pessoas se conectam com pessoas. Segundo a Nielsen, 83% delas confiam em recomendações de conhecidos antes de qualquer outra forma de publicidade. Já a PostBeyond, líder em soluções de employee advocacy, mostra que as mensagens de uma companhia são compartilhadas 24 vezes mais e geram um engajamento 561% superior quando enviadas por um funcionário. E, na média, um colaborador tem dez vezes mais seguidores em suas redes sociais do que a empresa que lhe emprega. Trabalhar a sua marca pessoal, portanto, é um instrumento capaz de potencializar não só a sua carreira, mas também a organização onde você atua.

*É SÓCIO DA PLATAFORMA PARA STARTUPS STARTSE

Introducing the new iMac | Apple

Você nunca viu um computador como este antes. Sete cores vibrantes. Design incrivelmente fino. Tela Retina de 4,5 K de 24 polegadas. A melhor câmera, microfones e alto-falantes em um Mac. Supercharged pelo chip Apple M1.

Novo app do Apple Podcasts tem serviço de assinatura com benefícios

Tim Cook apresenta aplicativo remodelado e afirma ser a maior mudança do Podcasts desde sua fundação
PorMatheus Fiore

Apple revelou, em seu evento sediado na Califórnia e transmitido online para todo o mundo, a nova versão do Apple Podcasts, seu tradicional app de podcasts. É a primeira grande novidade da Apple para o mundo dos programas de áudio desde que o Spotify se tornou seu grande concorrente.

A primeira novidade do novo app é o serviço de assinatura, que trará “benefícios adicionais” para os assinantes, como ouvir um podcast sem anúncios, acesso antecipado aos episódios e a possibilidade de apoiar financeiramente os criadores de conteúdo.

O CEO da empresa, Tim Cook, anunciou a novidade, prometendo que a nova atualização é a maior mudança do Apple Podcasts desde sua criação. Agora, o aplicativo foi totalmente redesenhado e teve sua interface otimizada para facilitar que você encontre seus programas e episódios favoritos com mais facilidade – além de aprimorar a interação na hora de ouvir um programa.

Divulgação/Apple

Agora, o Apple Podcasts terá o recurso Channels, que te ajudará a receber recomendações de programas e encontrar mais rapidamente os programas de seus criadores favoritos. Nessa seção do app, você encontrará tanto os canais gratuitos quanto os pagos, acessíveis para assinantes pagos.

Além do redesign e da assinatura, o Apple Podcasts agora terá o botão Smart Play, que auxilia o ouvinte a automaticamente dar play em um episódio de podcast de onde ele parou e à consumir episódios em série. Outras melhorias menores foram a otimização do sistema de busca do aplicativo além de um acesso aprimorado ao Top Charts, que mostra os podcast de destaque.

As principais novidades anunciadas no evento da Apple

Como prometido, a Apple realizou nesta terça-feira o Spring Loaded, evento que apresentou ao público as novidades da empresa. Confira o que foi lançado!
Por Soraia Alves

Imagem: Reprodução/Apple

Como prometido, a Apple realizou nesta terça-feira o Spring Loaded, evento que apresentou ao público as novidades da empresa. Atendendo às expectativas do público, foram lançadas versões para o iPad e iMac, além de produtos como o AirTag e o novo app da Apple Podcasts com serviço de assinatura e benefícios.

Abaixo, você confire as principais novidades anunciadas pela Apple no evento apresentado por Tim Cook.

AirTag
A Apple lançou oficialmente o AirTag, um rastreador que funciona com o software e os serviços da empresa, e permite que o usuário rastreie itens dentro do aplicativo Find My, no iOS. O dispositivo semelhante a um disco inclui um alto-falante integrado, Bluetooth LE e uma bateria substituível que, segundo a empresa, dura até um ano.

Os AirTags estarão disponíveis para pré-encomendas a partir de sexta-feira. O produto chega às lojas no dia 30 de abril, por US$ 30,00.

iPhone Purple
A linha do iPhone 12 ganhou uma cor exclusiva: roxo. Esse é um raro “facelift” de meio ciclo que a Apple faz para o produto que é o carro-chefe da empresa. Tanto o iPhone 12 quanto o 12 mini ganham a versão purple, mas o iPhone 12 Pro não.

Os novos modelos na cor roxa estarão à venda a partir desta sexta-feira.

Apple TV 4K
A nova Apple TV 4K, que virá com um também novo Siri Remote. Além do suporte Siri já existente, agora o controle remoto apresenta um design redesenhado que permite gestos circulares no anel externo para encontrar rapidamente a cena que procuram. Ee também inclui um botão mudo e um botão liga/desliga para a TV real.

A nova Apple TV 4K vem com o chip A12 Bionic, que segundo a empresa permite um suporte vídeo de alta qualidade, especificamente HDR. Mas a Apple ressalta que, obviamente, a qualidade da imagem também depende da própria TV.

O produto estará disponível por US$ 179,00 (32 gigabytes) ou US$ 199,00 com o dobro da capacidade de armazenamento, e estará disponível a partir de 02 de maio.

Apple Card Family
A Apple está lentamente se consolidando como uma gigante de serviços financeiros, usando sua carteira digital para armazenar os cartões de pagamento dos usuários e lançando seu próprio Apple Card em 2019. Hoje, a empresa anunciou o Apple Card Family, que permitirá aos parceiros construírem um crédito conjunto, a fim de proporcionar aos membros da família com mais de 13 anos acesso ao uso do cartão Apple.

A novidade será lançada primeiro nos Estados Unidos em maio, após os usuários atualizarem para a versão mais recente do iOS.

iMac mais fino
O iMac ganhou um redesenho com uma tela mais fina e cores fortes e brilhantes que remetem aos clássicos iMacs multifuncionais coloridos. A Apple disse que o novo iMac foi projetado desde o início para o chip M1.

Segundo a empresa, o volume do iMac foi reduzido em mais de 50%. A tela também possui a tecnologia True Tone da Apple para ajustar automaticamente a temperatura da cor. O modelo também traz uma atualização para a câmera e os microfones.

O novo iMac começa em US$ 1.299,00, embora algumas das cores sejam reservadas para o modelo de US$ 1.499,00, e estará disponível na segunda quinzena de maio.

iPad Pro
A grande notícia do evento Spring Loaded de hoje é uma nova versão do iPad de última geração da Apple. O novo iPad Pro é o primeiro da linha a adotar o chip M1 lançado na linha Mac da empresa. O dispositivo confunde ainda mais a linha entre as ofertas de tablet e desktop da Apple, bem como a melhoria da vida útil da bateria agora listada como “o dia todo”.

O Pro também se junta à linha iPhone com a adição de conectividade 5G. Como o novo iMac, o profissional apresenta imagens aprimoradas. O desempenho gráfico é mais de 1.500 vezes mais rápido, de acordo com a empresa.

O modelo de 11 polegadas começa em US$ 799,00 e o de 12,9 polegadas em US$ 1.099,00. Ambos estarão disponíveis na segunda quinzena de maio, com as pré-encomendas entrando no ar no dia 30 de abril.

Novos milionários de tecnologia estão tentando não ostentar o enriquecimento na pandemia

Enquanto boa parte da população global lida com os efeitos negativos da covid-19 na economia, uma nova geração de ricaços tenta adotar uma postura menos extravagante
Por Erin Griffith – The New York Times

Jan Buchczik

As ofertas públicas de ações (IPO) e a ascensão de novos milionários ligados à tecnologia estão maiores e mais barulhentas do que nunca. Mas, durante a pandemia, os novos ricos do Vale do Silício não estão comemorando com as tradicionais festas e aposentadorias precoces para viajar pelo mundo.

Nos últimos seis meses, pelo menos 35 empresas fundadas na área da baía de São Francisco – entre elas AirbnbDoorDash e a empresa de armazenamento de dados Snowflake – abriram capital por um valor de mercado combinado de US$ 446 bilhões, segundo o New York Times. Os “períodos de lockup” dessas empresas, que impedem os funcionários de vender a maior parte de suas ações logo após um IPO, irão expirar nos próximos meses, desencadeando uma onda de riqueza.

Um pequeno punhado desses IPOs poderia cunhar cerca de 7 mil milionários, de acordo com uma análise da EquityBee, plataforma que facilita as transações de capital. O fluxo de IPOs tem sido grande o suficiente para que sua receita de impostos possa acabar com parte do déficit orçamentário projetado da Califórnia.

Em comparação com booms anteriores, há “mais gratidão”, explica Aaron Rubin, sócio da Werba Rubin Papier Wealth Management. 

Quando a pandemia chegou, um ano atrás, os executivos de tecnologia se preocuparam com a possibilidade de suas ações nunca renderem o esperado. O solavanco – e ansiedade geral com a economia – até agora os desencorajou a fazer os tipos de ostentação que costumam acompanhar fortunas que surgem da noite para o dia, disse Rubin. “Podem até comprar um Tesla novo ou um carro conversível, mas não saem por aí comprando aviões”, diz.

As festas são no Zoom, a conversa sobre impostos está no Slack, a compra de casas anda um pouco menos intensa e o clima é de cautela. É uma época estranha para ficar rico.

“A mentalidade das pessoas não pode ser de ostentação”, disse Riley Newman, que foi um dos primeiros funcionários do Airbnb, empresa que abriu o capital em dezembro e imediatamente atingiu US$ 100 bilhões em valor.

As pessoas mudaram o foco das casas de férias e dos carros chamativos para casas suburbanas e escolas, disse Newman, que agora dirige a Wave Capital, uma empresa de capital de risco. “Está simplesmente diferente”, acrescentou.

Caixa gourmet

Antes da pandemia, quando startups abríam capital, os executivos comemoravam com esculturas de gelo em forma de foguete e bandas dos anos 1980. Agora, as empresas estão mandando aos seus funcionários caixas de festa para as reuniões no Zoom.

Daniel Figone, dono da Handheld Catering and Events, recentemente entregou jantares e lanches embalados nas casas de vários trabalhadores de empresas do Vale do Silício que abriram capital. As caixas – que custam de US$ 45 a US$ 100 cada – podem trazer produtos caseiros, sais marinhos, mistura de cacau quente, queijos sofisticados, frutas e champanhe. Além disso, estavam incluídos cartões impressos parecidos com convites de casamento detalhando o código de login para uma reunião no Zoom.

Moradores de apartamentos em San Francisco que enriqueceram com empresas iniciantes de tecnologia estão se mudando para “casas-troféu” antes da guerra em bairros como Pacific Heights. Credit…Jason Henry for The New York Times

Os altos executivos ganham ainda mais: arranjos florais, refeições de três pratos e um chef no local para terminar o preparo, disse Figone. Em algumas pequenas reuniões ao ar livre, ele ofereceu “casquinhas” individuais cheias de lanches, em vez de bufês e aperitivos.

Mas as celebrações no Zoom de todas as empresas podem ser muito parecidas com as reuniões no Zoom de todas as empresas. Então, as empresas também estão adicionando perguntas e respostas virtuais com autores famosos ou membros do elenco do ‘Saturday Night Live’, palestras inspiradoras de palestrantes do TED e até sessões de meditação em grupo conduzidas por praticantes famosos.

Quando tem algum músico – Alicia Keys, Train e John Legend são os principais pedidos – a apresentação se limita a uma ou duas músicas, disse ele.

Model 3, da Tesla, está entre itens de desejo dos novos milionários de tecnologia
Model 3, da Tesla, está entre itens de desejo dos novos milionários de tecnologia

Gastos diferentes 

De fato, os novos ricos estão gastando de maneiras muito diferentes. Em vez de arte, eles estão comprando NTFs, ou seja, tokens não fungíveis que representam a propriedade de peças de arte digital, memes ou artefatos da história da internet.

Em vez de viajarem pelo mundo, eles estão se amontoando em vans Sprinter. Em vez de looks de grife, eles estão buscando roupas que fiquem bem nas ligações do Zoom, aulas de maquiagem virtual para a câmera e reformas para os fundos de Zoom.

Eles também estão comprando presentes de “conforto” para amigos e familiares, como cobertores e roupões aconchegantes, itens de cuidados com a pele, pijamas e jogos. E, em vez de apartamentos de luxo, eles estão atrás de casas com espaço ao ar livre, academias caseiras e boas “salas de Zoom”.

J.T. Forbus, gerente tributário da Bogdan & Frasco, uma empresa de contabilidade de São Francisco, disse que seus clientes têm evitado a ostentação. Sua maior despesa, além da casa, é com o consultor financeiro.

“Quando eles enlouquecem e gastam, é para investir em criptografia”, disse Forbus, referindo-se às moedas digitais.

Caridade

No ano passado, quando o Airbnb abriu capital, ex-funcionários iniciaram o Equity for Impact, um programa no qual os funcionários se comprometem a doar uma parte não especificada de seus rendimentos de IPO para instituições de caridade. Até agora, mais de 400 pessoas comprometeram cerca de US$ 50 milhões em ações, o que está a meio caminho da meta do grupo para o momento em que o período de bloqueio do Airbnb expirar, em junho.

O foco na caridade nesse momento de sorte inesperada é uma mudança em relação às ondas passadas de novos ricos, disse Forbus.

“Eles vão ter uma dedução de impostos, claro”, disse ele. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Diante de pressão da China, Ant Group avalia formas de Jack Ma deixar controle da empresa

A medida seria uma resposta a reguladores chineses, que sinalizaram à empresa que esta mudança poderia ajudar o Ant Group a passar pelo escrutínio do governo de Pequim sobre seus negócios
Por Agências – Reuters

O bilionário Jack Ma tornou-se alvo das autoridades da China

A gigante de tecnologia financeira Ant Group, que pertence ao Alibaba, está verificando alternativas para que o fundador Jack Ma abra mão de sua participação na empresa e deixe o controle do grupo. A medida seria uma resposta a reguladores chineses, que sinalizaram à companhia que esta mudança poderia ajudar o Ant Group a passar pelo escrutínio do governo de Pequim sobre seus negócios, de acordo com uma fonte familiarizada com a linha de ação dos reguladores e também com outras duas pessoas que têm laços estreitos com o grupo.

A agência de notícias Reuters está relatando pela primeira vez detalhes da última rodada de reuniões e as discussões sobre o futuro do controle de Jack Ma sobre o Ant Group, exercido por meio de uma estrutura complicada de veículos de investimento. O Wall Street Journal relatou anteriormente que Ma havia oferecido em uma reunião de novembro com reguladores a alternativa de entregar parte do Ant Group ao governo chinês. 

Funcionários do banco central, do Banco Popular da China (PBOC) e da Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China (CBIRC) mantiveram conversas entre janeiro e março com Ma e Ant separadamente, nas quais foi discutida a possibilidade de saída do magnata da empresa, segundo os relatos das fontes. 

O Ant negou que a venda das ações de Ma estivesse sendo considerada. “O desinvestimento por parte do Sr. Ma na Ant Group nunca foi tópico de discussões com ninguém”, disse um porta-voz da empresa em um comunicado.

Reuters não conseguiu determinar se o Ant Group e Jack Ma continuariam com uma opção de desinvestimento e, em caso afirmativo, qual seria. A empresa esperava que as ações de Ma, no valor de bilhões de dólares, pudessem ser vendidas a investidores existentes na holding ou em sua afiliada de comércio eletrônico Alibaba sem envolver qualquer entidade externa, afirmou uma das fontes.

Mas de acordo com a segunda fonte, também com conexões com a empresa, durante as discussões com os reguladores Ma foi informado de que ele não teria permissão para vender sua participação a qualquer entidade ou indivíduo próximo a ele e, em vez disso, teria de deixar o controle completamente. Outra opção seria transferir sua participação para um investidor chinês afiliado ao Estado, disse a fonte.

Qualquer movimentação precisaria da aprovação de Pequim, disseram ambas as fontes com conhecimento interno da empresa.

Os relatos fornecidos por todas fontes são consistentes em termos de cronograma de como as discussões evoluíram nos últimos meses. Do lado da empresa, uma fonte disse que Ma se reuniu com os reguladores mais de uma vez antes do Ano Novo Chinês, no início de fevereiro. E a segunda fonte disse que o Ant Group começou a trabalhar nas opções para a possível saída de Ma alguns meses atrás. A fonte familiarizada com o pensamento dos reguladores disse que o Ant afirmou a autoridades durante reunião em meados de março que estava trabalhando nas opções.

A fonte familiarizada com a linha de ação dos reguladores tem conhecimento direto das conversas entre o Ant e funcionários, enquanto uma das fontes com ligações com a empresa foi informada sobre as interações de Ma com os reguladores e os planos da holding. A outra tem conhecimento direto das discussões da Ant a respeito das alternativas. Elas pediram anonimato devido à delicadeza da situação.

O porta-voz do Ant Group não forneceu declarações de Jack Ma. A Alibaba encaminhou perguntas para serem respondidas pelo Ant. O escritório de Jack Ma não respondeu ao pedido de comentário da Reuters. O Gabinete de Informação do Conselho de Estado, o PBOC e a CBIRC, também não responderam aos pedidos de comentários.

Amazon planeja serviço de montagem de móveis

Segundo a agência de notícias Bloomberg, a varejista deve lançar o serviço inicialmente no Estado de Virginia, nos EUA, e em pelo menos dois outros mercados

No novo serviço, os motoristas da Amazon entregariam o produto, removeriam todas as embalagens e, depois, realizariam a montagem

A varejista americana Amazon pode dar mais um passo para sofisticar suas entregas. De acordo com a agência de notícias Bloomberg, a empresa planeja lançar um serviço de montagem de móveis para facilitar a compra desse tipo de produto pela internet.

Entrando nesse mercado, a Amazon mira competição com outras empresas como as americanas Wayfair e Best Buy. Inicialmente, a companhia deve lançar o serviço no Estado de Virginia, nos Estados Unidos, e em pelo menos dois outros mercados, ainda não revelados. 

Segundo a Bloomberg, no novo serviço, os motoristas da Amazon entregariam o produto, removeriam todas as embalagens e, depois, realizariam a montagem. No caso de o cliente não ficar satisfeito com o item, eles seriam responsáveis por levar o produto de volta. 

Esse trabalho extra, porém, pode agravar um problema que a Amazon vem enfrentando: a empresa tem sido pressionada a oferecer melhores condições de trabalho aos seus motoristas e também a seus funcionários de centros de distribuição. 

Recentemente, houve uma votação de funcionários do Alabama (EUA) para uma possível sindicalização, que acabou fracassando — o medo de perder o emprego gerou uma baixa histórica em adesão, configurando uma vitória para a Amazon. Segundo os trabalhadores, alguns depósitos da companhia não respeitavam os horários de pausa para almoço e descanso, e exerciam pressão para que os trabalhadores ficassem muitas horas trabalhando sem parar. 

Apple detalha emissão de carbono em novo relatório ambiental

Painéis solares cobrem o teto do Apple Park, sede da Apple nos Estados Unidos (Foto: Divulgação/Apple)

Apple divulgou hoje seu Relatório de Progresso Ambiental 2021 [PDF], referente ao ano fiscal de 2020, com foco em suas metas — anunciadas anteriormente — para alcançar a neutralização na emissão de carbono em todos os seus negócios e produtos até 2030.

O documento detalha as etapas para reduzir os impactos ambientais da companhia e de seus produtos. Nesse sentido, a Apple apontou que só alcançará a neutralidade da pegada de carbono se tornar seus hardwares mais eficientes em termos de energia — já que a empresa pretende contabilizar a quantidade de carbono que esses dispositivos consomem ao longo de sua vida útil.

Um exemplo de eficiência energética é o chip M1 de Macs — segundo a Maçã, o baixo consumo de energia do seu SoC1 reduziu a pegada de carbono geral do Mac mini em 34%.

Da mesma forma, o iPad de oitava geração consome 66% menos energia — em parte por causa da mudança para um adaptador de energia mais eficiente. A Apple também afirmou que o Pro Display XDR entrou na lista de displays mais eficientes da Energy Star em 2020 e 2021.

Fato é que uma das medidas em prol do meio ambiente mais polêmicas que a Apple anunciou no ano passado foi a remoção do adaptador de energia e dos fones de ouvido da caixa do iPhone. Segundo a companhia, isso economizará 861.000 toneladas de cobre, estanho e zinco.

Ao não incluir esses acessórios, a Apple também reduziu o tamanho da embalagem dos iPhones. Na prática, isso significa que eles podem otimizar a logística em até 70%, reduzindo a emissão de carbono com o transporte de dispositivos.

O relatório de 105 páginas também destaca outras conquistas da Apple, incluindo o reconhecimento em diversas premiações ambientais e o recém-anunciado Fundo de Restauração de US$200 milhões para remover carbono da atmosfera.

Novo recurso do Google Earth mostra como o nosso planeta mudou ao longo de décadas

Com a ferramenta, é possível ver efeitos de mudanças climáticas, urbanização e desmatamento desde 1984
Por Agências – Reuters

O recurso do Google Earth mostra a mudança nas linhas costeiras, a expansão generalizada de paisagens urbanas e terras agrícolas, e o recuo simultâneo de geleiras, florestas e rios

Google Earth, serviço de exploração de imagens em 3D do mundo, ganhou nesta semana um novo recurso que dá aos usuários uma ideia de como as mudanças climáticas, a urbanização e o desmatamento alteraram o planeta nas últimas quatro décadas.

Criado com 24 milhões de imagens de satélite, junto com 800 vídeos com curadoria e guias interativos, a ferramenta permite que você veja a passagem de tempo dos últimos 37 anos em qualquer lugar do planeta. A plataforma usa informações da Nasa, do Programa Landsat da agência geológica dos Estados Unidos (USGS) e do programa Copérnico da União Europeia.

O recurso mostra a mudança nas linhas costeiras, a expansão generalizada de paisagens urbanas e terras agrícolas, e o recuo simultâneo de geleiras, florestas e rios.

Um vídeo, por exemplo, mostra a rápida transição de florestas para vilas e fazendas perto da Bolívia, uma das principais causas do desmatamento na floresta amazônica. Outro, mostra a diminuição da geleira Columbia no Alasca em 20 quilômetros devido ao aquecimento global.

“É melhor forma para uma visão panorâmica de nosso mundo”, disse Rebecca Moore, diretora do Google Earth, em uma ligação com repórteres nesta semana. “Não se trata de aumentar o zoom, mas sim diminuí-lo. É dar um grande passo para trás: precisamos ver como está a nossa única casa.”