No Brasil, Uber lança o Comfort, categoria de corridas ‘sem conversas’

Mais cara que a UberX, nova modalidade terá carros mais espaçosos, motoristas mais experientes e permitirá que passageiro escolha ‘nível’ de conversa e da temperatura do carro

Uber Comfort ainda não tem preços definidos no Brasil, mas será mais cara que o UberX

Uber anuncia nesta segunda-feira, 7, uma nova categoria de corridas no Brasil, para atender os usuários que gostam de um conforto a mais em suas viagens. Chamada de Uber Comfort, a nova modalidade permite que o usuário solicite carros mais espaçosos, coloque a temperatura do ar condicionado ao seu gosto e até peça para o motorista conversar ou ficar em silêncio durante a viagem. Lançada nos EUA em julho, a categoria chegará ao País em novembro. 

Segundo a empresa, as funcionalidades também estarão disponíveis na categoria de luxo Uber Black, a primeira que a empresa ofereceu no País, em 2014. De acordo com a companhia, a nova modalidade foi criada pensando nos usuários frequentes do aplicativo. “Muita gente já passou por situações assim. Você entra no carro cansado e tudo o que precisa naquele momento é de um pouco de sossego”, disse, em nota, Claudia Woods, diretora-geral do Uber no Brasil. 

A partir do dia 21 de novembro, o Uber Comfort vai substituir o Uber Select, categoria intermediária entre os carros de luxo e as viagens mais cotidianas do UberX – a alteração faz parte de uma padronização global da marca da empresa. Questionada pelo Estado, a empresa afirma que ainda não definiu como serão as tarifas específicas do Uber Comfort por aqui. No exterior, as viagens do Uber Comfort são entre 20% e 40% mais caras que as do UberX. 

Ao solicitar uma viagem com a modalidade, o usuário poderá selecionar as preferências diretamente no aplicativo – elas serão enviadas ao app do motorista parceiro, que poderá deixar o carro ao gosto do freguês antes da viagem começar. O Uber Comfort também poderá ser feito apenas por motoristas com número de viagens e avaliação média mínimas – nos EUA, só pode oferecer corrida neste modo o condutor que tiver avaliação superior a 4,85 estrelas. 

Anúncios

Apple compra empresa de captura de movimentos iKinema

Mais uma semana, mais uma aquisição: de acordo com o MacRumors, a Apple puxou a carteira desta vez para uma companhia de efeitos visuais e captura de movimento — trata-se da britânica iKinema.

A empresa cria softwares para filmes e jogos capazes de capturar o movimento de um corpo inteiro e aplicá-lo em um personagem animado. Produções recentes como “Thor: Ragnarok” e “Blade Runner 2049” utilizaram os serviços da iKinema para criarem seus visuais; empresas parceiras incluíam a Microsoft, a Intel, a NVIDIA, a Ubisoft e a Square Enix.

Para a Apple, fica claro o valor que um know-how desses pode ter: a empresa certamente usará o pessoal e a propriedade intelectual da iKinema para reforçar suas apostas no mundo da realidade aumentada, possivelmente expandindo os usos do ARKit para o mundo dos jogos (ou até para as suas produções originais do Apple TV+). Outros produtos da gigante de Cupertino, como o Animoji e o Memoji, também poderão ser aprimorados.

site da iKinema está, no momento, quase totalmente desativado, confirmando que suas operações independentes já foram encerradas. A Apple confirmou a aquisição1 ao Financial Times, emitindo seu comunicado padrão de que “compra empresas menores de tempos em tempos, e no geral não discute seus propósitos ou planos”.

Obviamente, o valor da aquisição também não foi divulgado.

VIA 9TO5MAC

HP cortará até 9 mil vagas em reestruturação

Meta é de economizar US$ 1 bilhão até 2022, divulgou a empresa
Por Agências – Reuters

A HP está investindo em supercomputadores 

A fabricante norte-americana de computadores pessoais HP disse na quinta-feira, 3, que cortará até 16% de sua força de trabalho para reduzir custos. A empresa cortará entre 7 mil e 9 mil empregos por meio de uma combinação de demissões e aposentadorias antecipadas voluntárias, informou em comunicado.

A HP estima que o plano resultará em uma economia bruta anual de cerca de US$ 1 bilhão até o final do ano fiscal de 2022, acrescentou.

A empresa tinha cerca de 55 mil funcionários em todo o mundo em 31 de outubro, de acordo com um documento enviado à Securities and Exchange Commission. Isso significa até 16% do quadro de pessoal sendo cortado, segundo cálculo da Reuters.

Em conexão com a reestruturação, a HP disse que espera incorrer em um custo total de cerca de US$ 1 bilhão, dos quais US$ 100 milhões serão realizados quando divulgar seus resultados de quarto trimestre.

Plano do SoftBank para novo fundo é afetado por fracasso do WeWork

Redução do valor de mercado da empresa de escritórios compartilhados provoca desconfiança de potenciais parceiros dos japoneses no Vision Fund 2
Por Agências – Reuters

A We Company, dona da WeWork, esteve avaliada em US$ 47 bilhões em janeiro

O fundador e presidente executivo do SoftBankMasayoshi Son, está tendo dificuldades para captar dinheiro para um segundo fundo de investimento em tecnologia após a fracassada oferta pública da empresa do WeWork e da queda no valor de outros grandes investimentos, de acordo com duas pessoas familiarizadas com a situação.

Son ainda está determinado a avançar com o Vision Fund 2, apesar de alguns terem pedido um adiamento, disseram à Reuters as duas pessoas com conhecimento das discussões internas do SoftBank. É provável que o fundo seja muito menor, pelo menos no início, do que os US$ 108 bilhões que o SoftBank disse que tinha alinhado quando anunciou o fundo em julho, disseram as fontes.

Grandes investidores ainda não embarcaram no projeto, deixando um compromisso de US$ 38 bilhões do próprio SoftBank como o único grande investimento, de acordo com as fontes. E o tamanho desse investimento pode estar sendo questionado, dado alguns dos recentes contratempos que o Softbank sofreu e a falta de dinheiro disponível em seu balanço patrimonial, de acordo com uma análise da Reuters.

O Vision Fund e o SoftBank Group se recusaram a comentar a situação do Vision Fund 2.

A implosão no valor do WeWork e os questionamentos sobre seu modelo de negócio prejudicaram a reputação de Son como um investidor experiente e apontam para uma grande redução de valor do primeiro Vision Fund. O SoftBank e o Vision Fund juntos investiram mais de US$ 10 bilhões na empresa, investindo parte disso em um cenário no qual a empresa do WeWork foi avaliada em US$ 47 bilhões em janeiro. Mas o WeWork abandonou recentemente os planos para uma oferta pública inicial que teria avaliado a empresa em apenas US$ 10 bilhões a US$ 12 bilhões. 

Se o segundo fundo ficar muito aquém do objetivo de Son ou for descartado, terá amplas implicações para os investidores do Vale do Silício e empreendedores de Wall Street.

O primeiro Vision Fund, que levantou US$ 97 bilhões, transformou o mundo dos investimentos em tecnologia com enormes apostas em empresas em rápido crescimento, mas não comprovadas. Foi maior do que o valor agregado arrecadado por toda a indústria de capital de risco dos EUA em 2018, dando à Son uma enorme influência sobre o mercado de empresas iniciantes.

Os céticos dizem que os problemas no WeWork e o fraco desempenho no mercado de empresas que perdem dinheiro, como a Uber e a Slack, provocarão uma grande queda no valor das numerosas empresas iniciantes chamadas de unicórnios, que valem mais de um bilhão de dólares.

‘Ninguém merece ter tanto dinheiro’, diz Mark Zuckerberg

Quinto homem mais rico do mundo, fundador do Facebook fez sessão ao vivo aberta na rede social para responder perguntas de funcionários nesta quinta-feira à noite

Sessão foi transmitida na noite dessa quinta-feira, 3, pela página pessoal de Mark Zuckerberg

Mark Zuckerberg, presidente executivo do Facebook, é hoje o quinto homem mais rico do mundo, com fortuna avaliada em US$ 67 bilhões. “Ninguém merece ter tanto dinheiro”, disse ele hoje numa sessão ao vivo em sua rede social.

A transmissão foi uma resposta à polêmica da semana: na terça-feira, 3, o site americano The Verge vazou o áudio e o conteúdo de duas horas de sessões de perguntas e respostas (Q&A, na sigla em inglês) que ele realiza, internamente, com funcionários da empresa toda semana. Ali, foi possível ouvir Zuckerberg à vontade, falando sobre política e sua empresa, de uma forma que não é possível normalmente e publicamente. 

Para mostrar que não tinha nada a esconder, Zuckerberg decidiu transmitir a sessão de Q&A ao vivo em sua página no Facebook. Durou cerca de uma hora, com alguns momentos excitantes – como quando um funcionário perguntou a ele sobre o que achava da frase do senador democrata Bernie Sanders, de que não deveriam existir bilionários. Apesar de concordar com Sanders quanto à concentração da riqueza, alegando que doará boa parte de sua fortuna para filantropia, Zuckerberg disse que tamanha quantidade de dinheiro permite o financiamento de projetos especiais – sejam eles empresariais, como o Facebook, ou na área de ciência. 

Zuckerberg também falou sobre política – disse mais uma vez que é preciso defender a liberdade de expressão – e sobre as ameaças que sua empresa vem sofrendo para ser “quebrada” ou afetada pela lei antitruste americana. “Se formos envolvidos, vamos nos defender na Justiça. É simples”, afirmou o executivo. Ele também brincou com sua própria imagem. “Eu sou horrível dando entrevistas, eu soo robótico. A gente tem que ser ruim em alguma coisa”, disse, aos risos. 

Durante a sessão, também repassou temas sobre os quais têm se pronunciado recentemente, como na entrevista exclusiva que cedeu ao Estado na semana passada. Entre eles, estão como a realidade aumentada e realidade virtual podem mudar o futuro do trabalho e a importância de dar voz às pessoas. Comentou ainda a decisão desta quinta-feira na União Europeia, de que um país poderá filtrar o conteúdo presente na rede publicado em outra nação. “Abre um precedente complicado”. 

Apple deve lançar novo iPhone SE em 2020, diz analista Ming-Chi-Kuo, da KGI Securities

O celular deve ser mais barato em relação a outros aparelhos da Apple; o iPhone SE 2 será parecido com o iPhone 8, diz Ming-Chi-Kuo

O lançamento do novo aparelho SE pode descontinuar a venda do iPhone 8

A Apple deve lançar um iPhone SE 2 no primeiro trimestre de 2020. A previsão é do analista como Ming-Chi-Kuo, da KGI Securities – uma das pessoas que mais acerta nas previsões de iPhone na indústria mundial. Segundo ele, o aparelho será mais barato do que costumam ser os celulares da Apple

Se confirmado o lançamento, o iPhone SE 2 será o sucessor do iPhone SE, que chegou ao mercado em 2016. Segundo as previsões do analista, o sucessor do iPhone SE terá tela LCD de 4,7 polegadas e será parecido com o iPhone 8, o que daria uma aparência mais moderna ao telefone pequeno da Apple. Caso tenha esse design, alguns recursos mais antigos do iPhone SE permanecerão, como o sensor de impressão digital e as bordas grossas na tela.  

Kuo também aponta que o novo aparelho virá equipado com o chip de processamento A13, o mais potente da empresa, que está presente nos novos modelos de iPhone 11

De acordo com o site 9to5Mac, é esperado que o iPhone SE 2 tenha aproximadamente o mesmo preço do antigo iPhone SE: o modelo de 32GB deve custar entre US$ 349 e US$ 399. O lançamento do novo aparelho SE pode descontinuar a venda do iPhone 8. 

Uber lança aplicativo para contratação de funcionários nos EUA

Com o serviço, empresas podem contratar trabalhadores temporários para funções como garçons e seguranças
Por Agências – Reuters

O Uber está tentando diversificar seus negócios 

O aplicativo de transporte Uber lançou um aplicativo chamado Uber Works para conectar empresas com trabalhadores temporários em funções como garçons e seguranças. O app, disponível por enquanto apenas em Chicago, nos Estados Unidos, mostrará aos trabalhadores os turnos disponíveis em uma determinada área e ajudará empresas com dificuldades para atender seus clientes durante o pico de demanda, disse o Uber.

“O Uber Works tem um painel de vagas e conectamos os usuários diretamente com empresas, incluindo restaurantes e outros, para ajudá-las a preencher turnos vagos”, disse um porta-voz da empresa à agência de notícias Reuters.

Os usuários do Uber Works podem obter informações detalhadas sobre turnos em que estão interessados, incluindo informações sobre salário bruto, local de trabalho e habilidades ou vestuário necessário.

O Uber tenta diversificar seu negócio principal em um momento em que as operações de transporte da empresa enfrentam concorrência a Ásia. A companhia também convive com problemas regulatórios em alguns países por classificar seus motoristas como contratados independentes, e não funcionários.

No mês passado, o Senado do Estado da Califórnia aprovou uma lei que faz empresas como o Uber classificarem parceiros como empregados – a regra passará a valer a partir de 1º de janeiro de 2020. Horas depois da decisão, uma motorista do Uber processou a empresa por classificar seus motoristas como trabalhadores independentes.

O ano não está bom para o Uber. A empresa estreou na Bolsa de Valores de Nova York em maio deste ano com ações negociadas em US$ 42, abaixo do seu preço de IPO, que era de US$ 45. Nos últimos meses, o aplicativo de transporte vem registrando grandes prejuízos: no seu balanço do segundo trimestre, o Uber registrou uma perda de US$ 5,2 bilhões e teve receita de US$ 3,2 bilhões, abaixo das expectativas dos analistas. A companhia levanta dúvidas sobre sua capacidade de crescer e afastar a concorrência.