Polícia de São Francisco, nos EUA, celebra mês do Orgulho LGBT com uniformes nas cores do arco-íris

Brasão da polícia, bordado de dourado, será vendido a aproximadamente R$ 80 e os fundos serão doados para ONG

Polícia de São Francisco ganha uniformes e viaturas LGBTs em homenagem ao Stonewall. Foto: Facebook/@SFPD

Junho é considerado o mês do Orgulho LGBT. E para comemorar a ocasião, a polícia de São Francisco, nos Estados Unidos, produziu uniformes nas cores do arco-íris para os agentes e viaturas coloridas.

Além disso, o brasão da polícia, bordado nas cores dourado, também serão vendidos ao público por US$ 20 (aproximadamente 80 reais). O valor arrecadado será revertido para a ONG Larkin Streeth Youth Services, que cuida de pessoas que assumiram a homossexualidade, mas foram expulsas e casa e não têm mais moradia.

“O SFPD se esforça para ser um departamento diversificado e tem funcionários em quase todos os níveis. Queremos incentivar conversas positivas com as comunidades LGBTQ e o Pride Patch simboliza nossa inclusão”, diz a legenda da imagem publicada no perfil oficial do Departamento de Polícia de São Francisco no Facebook.

Assista ao vídeo:

Anúncios

Imperdível! Assine UFW – R$3,00/mês ou R$30,00/ano

UFW – O Universomovie Forward traz um olhar diferente sobre moda, beleza, cultura, lifestyle, tech, arquitetura, design, advertising.

Vogue-Portugal-Nika-Rusakova-Filip-Koludrovic-8

Assine o Universomovie Forward pelo valor de R$3,00/mês ou R$30,00/ano (após o pagamento, envie um email para assinanteufw@gmail.com), você receberá diariamente exclusivas sobre moda, arquitetura/design, tecnologia, lifestyleAlém de garantia de participação em sorteios no site.

PARTICIPE!

BANCO SANTANDER AG 3373 C/C 1089030-7

Em nome de RENATO CEZARIO

Dia do Orgulho Nerd: Conheça as cidades mais geeks do Brasil

Comemorado em 25 de maio, o dia promove a cultura nerd e faz referência a ‘Star Wars’ e ‘O Guia do Mochileiro das Galáxias’

Em 25 de maio de 1977, foi lançado o primeiro filme de ‘Star Wars’. Foto: Voltordu/Pixabay

Para comemorar o Dia do Orgulho Nerd, também conhecido como Dia da Toalha e celebrado em todo 25 de maio, a Amazon divulgou uma lista com as dez cidades mais geeks do Brasil.

O ranking é resultado da compilação de dados de vendas nas cidades brasileiras com mais de 100 mil habitantes, considerando a base per capita. A lista considera as vendas de diversos produtos geeks, incluindo livros, e-books, quadrinhos e comic books, brinquedos, jogos e videogames, além de itens de decoração e para a casa associados à cultura nerd.

A plataforma online da empresa conta com muitos produtos relacionados, por exemplo, a Star WarsGame of ThronesHarry PotterDC Comics e Marvel. Os dados coletados para o ranking contemplam produtos vendidos entre abril de 2018 e abril de 2019. São Caetano do Sul permanece no topo da lista pelo segundo ano consecutivo. Em 2017, o município ficou em terceiro lugar.

O levantamento da Amazon fez outras descobertas: a cidade de Vila Velha, no Espírito Santo, é para onde a empresa mais vendeu cards de Pokémon por habitante. Já a cidade de Bagé, no Rio Grande do Sul, foi a que adquiriu mais canecas de Game of Thrones no site, seguida por Presidente Prudente, em São Paulo.

A paixão pelos bonecos Funko! parece ser maior em Carapicuíba, cidade paulista líder em compras dos itens. A famosa Itu, também em São Paulo, foi a cidade com o maior número de aquisições de produtos de decoração dos heróis de Vingadores.

O dia 25 de maio foi escolhido como o Dia do Orgulho Nerd por vários motivos. Um deles é que foi nesse dia, em 1977, que o primeiro filme de Star Wars foi lançado. Mais tarde, a data também foi nomeada como Dia da Toalha em homenagem a Douglas Adams, autor da série de livros O Guia do Mochileiro das Galáxias – em que a toalha é item essencial.

Confira, a seguir, as dez cidades mais nerds do Brasil:

1. São Caetano do Sul/SP

2. Florianópolis/SC

3. Niterói/RJ

4. Santos/SP

5. Barueri/SP (aparece pela primeira vez)

6. Porto Alegre/RS

7. Brasília/DF

8. Curitiba/PR

9. Balneário Camboriú/SC

10. São Paulo/SP

Taiwan é primeiro país da Ásia a legalizar casamento entre pessoas do mesmo sexo

Decisão do Parlamento chega 2 anos após a Justiça dizer que proibição era inconstitucional

Manifestantes celebram aprovação do casamento gay do lado de fora do Parlamento em Taipei – Sam Yeh/AFP

TAIPEI | AFP – O Parlamento de Taiwan legalizou nesta sexta-feira (17) o casamento entre pessoas do mesmo sexo. É o primeiro país da Ásia a fazer isso.

Durante a votação, manifestantes favoráveis ao casamento gay foram protestar na frente do Parlamento, mesmo sob forte chuva.

“Em 17 de maio de 2019, o amor triunfou em Taiwan”, declarou a presidente Tsai Ing-wen, que havia incluído essa medida entre suas promessas de campanha. A data é o Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia. 

“Demos um grande passo para a igualdade verdadeira e convertemos Taiwan em um país melhor”, acrescentou, em um post, acompanhado da bandeira do arco-íris.

Em maio de 2017, o Tribunal Constitucional da ilha emitiu uma sentença histórica, na qual julgou inconstitucional privar as pessoas do mesmo sexo do direito ao casamento, e deu um prazo de dois anos para que o governo mudasse a lei, com o alerta de que se nada fosse feito, o casamento gay se tornaria legal de forma automática.

No entanto, a oposição conservadora reagiu e realizou referendos pelo país, nos quais a maioria se mostrou contrária ao casamento gay.

Nesta sexta, o Parlamento votou três projetos sobre o tema. O que foi aprovado, com apoio do governo, foi o mais progressista e o único que usava a palavra “casamento”. Os outros propunham algo mais próximo a uma união civil.

Dentro da câmara, outros artigos da lei ainda estão sendo debatidos, incluindo aquele relacionado aos direitos para casais homossexuais em termos de direitos de adoção. 

Os casais homoafetivos não conseguirão a igualdade neste ponto, porque a proposta mais progressista só prevê a possibilidade de adotar o filho biológico de um dos membros do casal.

As associações de defesa dos direitos da comunidade LGBT, no entanto, declararam estar dispostas a fazer concessões nessa área em troca do reconhecimento do conceito de casamento. A ideia é que as batalhas pela adoção e gravidez por meio de barriga de aluguel podem esperar.

A aprovação coloca Taiwan na vanguarda pelo crescente movimento por direitos LGBT na Ásia. A ilha, separada da China desde 1949, realiza a maior parada gay do continente.  

Apesar da nova lei, o país tem grupos de pressão religiosos fortes, especialmente nas áreas rurais. 

Relações consensuais entre pessoas do mesmo sexo são consideradas um crime em 70 países, segundo um relatório divulgado em março. A maioria está na África: são 33 nesse continente, além de 22 na Ásia, 9 nas Américas e 6 na Oceania.

Tomar café com gatos é a nova moda destas cafeterias

Hoje, no Brasil, pelo menos quatro locais adotam o conceito de forma adaptada
Por Estadão Conteúdo

Café com Gatos: cafeteria é a pioneira na ideia de tomar café ao lado de gatinhos (Café com Gato/Divulgação)

São Paulo – Como em um reality show, eles dormem, comem, brincam e até afiam as unhas sob o olhar de admiradores. A “casa de vidro” não é televisionada, mas um cômodo dentro de uma cafeteria, em que clientes podem observar 12 felinos. Por lá, eventualmente, ouve-se ao fundo alguém murmurar um “ah” enquanto um felino faz alguma gracinha.

Espaços e serviços de interação com gatos têm sido abertos no País há cinco anos, inspirados nos “cat cafés” surgidos na Ásia, em que os bichos chegam a circular pelas mesas. Hoje, pelo menos quatro locais adotam o conceito de forma adaptada: por questões sanitárias, a maioria mantém um gatil de vidro, do qual é possível avistar os bichos e, eventualmente, visitá-los.

O pioneiro é o Café com Gatos, de Sorocaba e com uma filial em Campinas, no interior paulista. “Só de estar no mesmo ambiente, já é diferente”, conta a proprietária, Fabiana Ribeiro. “O interesse por gato tem crescido. Antes as pessoas tinham muito preconceito. Mas mudou, talvez porque combina mais com o ritmo louco de vida.”

A biomédica Ana Carla Chervencov vai ao local todos os dias. “É a minha segunda casa. Venho de tarde, de noite. Tomo um café e fico olhando”, conta. “Amo bichos, fico horas aqui.”

Outro café é o Gatto Macchiato, de Teresópolis, na serra fluminense. O local também isola os felinos por um “aquário”, mas permite visitas. Para entrar, é preciso obedecer regras, como não acordar os bichanos. Com exceção de três “residentes”, os demais estão disponíveis para adoção. “É um local totalmente dedicado a eles, uma Disneylândia de gatinhos”, diz Mario Luiz Lima, de 54 anos, um dos sócios.

Já em Porto Alegre, a experiência é diferente: os clientes convivem com os felinos na ioga, seguida de um chá. “Eles interagem bem, mas não chegam a invadir a aula, ficam ali, dá um clima diferente”, explica Ana Luiza Bittencourt, de 37 anos. “Quem curte gato quer fazer tudo com gato”, justifica.

Aos 40, casa noturna de NY esbanja juventude

O Sugar Hill abriu suas portas em 1979, e ainda hoje atrai público jovem interessado em sua história
Arielle Gordon, The New York Times

Com o Sugar Hill, o ambiente do ‘Brooklyn original’ sobrevive a um crescente aburguesamento do bairro. Foto: Gioncarlo Valentine para The New York Times

No início de março, o coletivo de techno e house music Sublimate postou nas redes sociais um lista de seus mais recentes eventos noturnos, com DJs de Detroit e Londres, em um local histórico do Brooklyn cujo nome não foi mencionado. Entretanto, para alguns leais habitués da noite de Nova York, o lugar era óbvio: Sugar Hill Restaurant & Supper Club.

Somente no ano passado, o Sugar Hill hospedou duas gravações da Boiler Room – uma plataforma de streaming que transmite sets de DJs e festas underground. E embora o proprietário do clube, Eddie Freeman, que abriu o local em 1979, desejasse que os produtores do evento não mantivessem as luzes tão baixas, sempre compartilhou seu amor pela vida noturna.

Freeman, nascido nos arredores de Kinston, na Carolina do Norte, disse que foi para Nova York em 1957, com US$ 40 no bolso e uma caixa de galinha frita, deixando para trás uma comunidade rural segregada. Os negócios dos brancos ocupavam um lado da Rua Principal em Kinston. Do outro lado, os restaurantes e clubes noturnos dos negros prosperavam em um setor chamado Sugar Hill.

Ele encontrou trabalho em Nova York, de início em fábricas, e depois nos Correios. Com o dinheiro de sua aposentadoria, ele adquiriu um prédio e abriu uma discoteca. Saudoso dos clubes da sua terra, ele a batizou Sugar Hill.

Agora com 78 anos, Freeman compartilha das responsabilidades do dia a dia do clube com seus dois filhos, Aaron e Akesha, que herdaram seu entusiasmo pelo espaço. O Sugar Hill “era o seu sonho”, contou Aaron falando do pai.

Inicialmente, o DJ “só tocava disco”, segundo Freeman. Mas ao longo dos anos, Sugar Hill diversificou seu programa e passou a tocar astros do R&B como Harold Melvin e o pioneiro do Blue Notes e da house music, Colonel Abrams. Em meados dos anos 1980, o clube se tornou suficientemente lucrativo a ponto de Freeman ter de dedicar-se a ele em tempo integral.

À medida que foi crescendo, Sugar Hill ganhou fama de local de encontro da comunidade e funcionou como ponto de reunião de personalidades políticas nacionais, como Jesse Jackson e Hillary Clinton.

Para Freeman, o envolvimento cívico foi importante desde o começo. “Ele queria participar das reuniões”, disse Akesha. “Queria fazer parte da comunidade”. Freeman e os filhos continuam mantendo o Sugar Hill como empreendimento familiar. A certa altura, ele contou, ofereceram-lhe US$ 15 milhões pelo imóvel, mas ele recusou. 

Atualmente, depois de 40 anos, Sugar Hill continua uma instituição, embora o bairro esteja testemunhando um rápido aburguesamento. “Quando abrimos as portas, foi o sucesso”, disse Aaron. “Se você visse um branco nas proximidades, levaria um choque”. A chegada de novos habitantes provocou uma mudança inconfundível na clientela do clube. “Agora, você vê uma fila que dá a volta da quadra, com até 700 brancos do lado de fora esperando para entrar no Sugar Hill”.

Freeman vê com humor estas novas multidões – jovens de outros lugares que lotam o clube nos fins de semana para dançar. “Há noites em que o alugamos para hipsters (uma subcultura da classe média americana)”. Akesha disse que para alguns jovens clientes, a atração do Sugar Hill está em sua história. “Eles gostam da sua história. Eles o consideram ‘o Brooklyn original'”.

Na festa do Sublimate, em uma noite de sexta-feira, o pátio do Sugar Hill estava lotado de jovens usando gorros adaptados e fumando cigarros eletrônicos Juul (que elevam o teor da nicotina) – hipsters, segundo a definição de Freeman. A recepção de um funeral havia sido realizada no mesmo espaço horas antes.

Embora Freeman se mantenha distante deste negócio (“fumaça demais”, segundo ele), o espírito de Sugar Hill era palpável na pista de dança lotada. Em algumas trilhas techno, o DJ tocou um remix de “Keeep Your Body Workin”, de Kleeer, um sucesso disco que esteve nas listas dos mais vendidos em 1979, quando Sugar Hill foi inaugurado. Para Freeman, uma coisa permanece coerente em todas as mudanças da clientela. “É uma música que dá vontade de dançar”. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Na China, decotes e tatuagens estão na mira dos censores

Brincos masculinos também são alvo do governo; especialistas temem ‘infantilização’ da cultura do país
Li Yuan, The New York Times

A China está censurando tatuagens, brincos, decotes e programas de televisão que não refletem os ideis do Partido Comunista. Foto: Sam Hodgson/The New York Times

A China está travando uma guerra contra a diversão. O mais recente alvo são os brincos masculinos. Nos últimos meses, censores têm borrado as orelhas de alguns astros do pop quando aparecem na televisão e na internet, para evitar que seus brincos e joias sejam um exemplo demasiadamente feminino para os meninos do país.

A proibição ilustrou a crescente interferência do Partido Comunista nos menores detalhes da vida chinesa. Jogadores de futebol vestem mangas longas para cobrir as tatuagens. Em uma convenção de jogos eletrônicos, as mulheres receberam instrução para cobrir o decote. Os rappers só podem abordar temas como paz e harmonia.

Essa sanitização enfurece a universitária Rae Fan, 22, da região de Guangxi. Alguns de seus filmes americanos e sul-coreanos favoritos desapareceram das plataformas de transmissão via streaming. Para piorar a situação, as amigas parecem indiferentes. Os pais disseram que é melhor ela deixar de assistir a conteúdo desse tipo. “O objetivo desse tipo de controle é garantir que todos compartilhem dos mesmos valores”, disse Rae. “Assim, somos mais fáceis de administrar”.

Os esforços do Partido Comunista no sentido de fomentar “valores centrais do socialismo” – patriotismo, harmonia e civilidade, entre outros – estão ganhando força. O conteúdo que celebra o hedonismo ou o individualismo é removido. Em questão de poucos anos, os jovens de hoje terão visto menos conteúdo sem filtragem do que pessoas cinco anos mais novas.

“Para cultivar uma nova geração que vai sustentar nos ombros a responsabilidade do rejuvenescimento nacional, temos de resistir à erosão trazida pela cultura indecente”, publicou em 2018 a agência de notícias oficial Xinhua em um comentário criticando os chamados jovens ídolos afeminados da China. “Mais importante, temos de nutrir uma cultura de destaque”.

Deturpando programas de TV

A China corre o risco de infantilizar sua cultura. Não há sistema de classificação etária no país, o que significa que tudo deve ser adequado para um público de 12 anos. As cenas de sexo foram cortadas de Game of Thrones, acabando com o sentido da trama. 

Nos anos 1980, o Partido Comunista não gostava da música pop, das calças largas nem das histórias de amor. O primeiro beijo no cinema da China moderna só ocorreu em 1980. Mas, nas quatro décadas seguintes, os espectadores chineses conquistaram mais liberdade de expressão.

Dois anos atrás, as emissoras começaram a borrar as tatuagens. Um seriado policial censurou os cadáveres. Então, homens de cabelo comprido tiveram o rabo-de-cavalo borrado. A técnica é usada tão amplamente que ganhou nome: “aplicação maciça de mosaicos”. A indústria do entretenimento não tem escolha. No ano passado, as autoridades fecharam mais de 6 mil páginas na internet e 2 milhões de contas online.

A nítida perda de intensidade do primeiro programa de hip-hop chinês, The Rap of China, é um caso exemplar. O conteúdo não fazia críticas à sociedade. Ainda assim, os rappers se insultaram mutuamente e discutiram com os juízes na primeira temporada, levada ao ar em 2017, mostrando ao público um pouco da rebeldia do hip-hop. Então veio a repressão. Quando a segunda temporada foi ao ar, os participantes faziam versos falando de amor, dos seus sonhos e da família.

Para Lippi Zhao, fã de hip-hop de Xi’an, a segunda temporada foi ao mesmo tempo fraca e irônica. Os dois finalistas eram uighures, etnia predominantemente muçulmana que vive em Xinjiang. As autoridades locais obrigaram até 1 milhão de muçulmanos a viverem em campos de detenção. The Rap of China nem tocou no assunto.

“É claro que eles sabem a respeito daquilo que seu povo está passando”, disse Zhao. “Mas tiveram de fazer de tudo para ignorar o elefante na sala enquanto participavam do programa”. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL