Adriana Lima e Lais Ribeiro se unem a grandes nomes da moda em vídeo a favor de imigrantes

adriana-limaiamanimmigrant-640x480

RIO – Duas brasileiras que foram abraçadas pela moda no mundo soltaram a voz num vídeo feito pela Kloss Films e pela revista “W” com vários nomes da indústria que, por acaso, são imigrantes, mas fazem muito pelo país de Donald Trump.

Adriana Lima e Lais Ribeiro, que moram nos Estados Unidos, são contratadas pela marca de lingerie Victoria´s Secret e são extremamente populares por lá, participaram da iniciativa “I am immigrant” (“eu sou imigrante”, em tradução livre).

“Numa tarde da semana de moda de Nova York, entre desfiles e apresentações, modelos, fotógrafos, estilistas e stylists tiraram uma folga para se juntarem no Milk Studios, no Chelsea. A razão era simples. A pedido da revista “W”, todos fizeram uma declaração unida e desafiante em vídeo, um a um olhando para a câmera e dizendo: ‘eu sou imigrante”, escreveu a revista, em seu site.

O mote da publicação foi o polêmico decreto de Trump, instaurado em janeiro, que proibiu a entrada nos Estados Unidos de todos os refugiados, independente de sua origem, durante 120 dias — e de forma indefinida para os refugiados sírios. Também baniu durante 90 dias a entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana: Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen. No entanto, após suspensões do decreto pela Justiça federal, o governo oficializou que abriu mão da peça.

Além da baiana Adriana e a da piauiense Laís, aparecem também nomes como os das modelos Doutzen Kroes, da Holanda, Natasha Poly, da Rússia, e Winnie Harlow, do Canadá. Entre os designers, a belga Diane von Furstenberg, Lazaro Hernandez, da Proenza Schouler, que é descendente de cubanos, e Prabal Gurung, que é do Nepal.

Anúncios

De lingerie, manifestantes pedem fim do uso de pele animal em bolsas

64937453_peta-models-in-crocodile-masks-protest-against-the-use-of-crocodile-skins-in-fashion-during

Protesto da Peta em Londres: lingerie e máscaras de crocodilo – NEIL HALL / REUTERS


De lingerie, manifestantes do Peta — entidade de desefa dos animais — enfrentaram o frio de Londres para protestar contra o uso de peles e couros de animais na indústria da moda.

A manifestação marcou o início da semana de moda londrina, que começou nesta sexta-feira. Nesta temporada, as grifes apresentam as suas coleções para o inverno, em que o uso de peles e couros é mais comum. Neste ano, a Peta resolveu focar no uso de peles exóticas em acessórios, como o couro de crocodilo que é usado em bolsas de alto valor aquisitivo.

“Nós planejamos ter uma presença forte. Nós começamos a campanha baseados em tendências. Começamos a ver a pele de algum animal na passarela, temos que pensar de onde aquilo veio, em que condições a pele foi retirada, e em quais condições o animal viveu até aquele ponto”, contou ao “Telegraph” a fundadora do Peta Ingrid Newkirk.

Recentemente, a organização teve sucesso no combate ao uso de pele de angorá. Segundo Newkirk, 80% da indústria chinesa voltada para a exploração do produto deixou de existir desde uma campanha que mostrou as péssimas condições de fornecedores para redes de fast-fashion como a Zara.

“Eles decidiram não só acabar com a compra de angorá, mas também retiraram das araras um estoque milionário e deixaram a gente enviar a refugiados”, comemorou a ativista. [O Globo]

Steven Yeun, o Gleen de ‘The Walking Dead’ mostra barrigão de esposa grávida em rede social

20170214_1487046557_49432500_1.jpg
Foto publicada por Steven Yeun (Foto: Reprodução Instagram)


Steven Yeun, o Gleen de ‘The Walking Dead’, publicou em sua conta no Instagram uma montagem com fotos de sua esposa grávida. O ator de 33 anos se casou com a fotógrafa Joana Pak em dezembro do ano passado.

A foto postada por Steven mostra o ator fazendo poses ao lado de sua esposa. Em uma das imagens da montagem, Joana aparece sorridente segurando o barrigão. O ator colocou dois emojis de abelhinhas na legenda da foto, o que levantou a suspeita de que o casal está esperando por gêmeos.

A imagem já foi curtida mais de 380 mil vezes e recebeu mais de 6 mil comentários, a maioria deles parabenizando o jovem casal. “Parabéns aos dois. Vocês são fofos e serão pais incríveis”, escreveu um fã. “Estou tão feliz por vocês. Que Deus abençõe esse pequeno bebê. Vocês serão os melhores pais”, afirmou um outro seguidor.

Organizadoras da “Marcha das Mulheres” planejam uma greve geral

womansmarch-2 (1).jpg
Marcha contra Trump em Londres (Foto: Reprodução/Instagram/MarieClaireUK)


Depois de levares milhares às ruas dos Estados Unidos e serem ecoadas ao redor do globo – França, Inglaterra, Nova Zelândia -, no dia 21 de janeiro, as organizadoras da “Marcha das Mulheres” planejam algo maior: um dia sem mulheres. O anúncio foi feito no Twitter e promete uma greve geral.

Os detalhes sobre a data e de que maneira isso será feito, ainda não foram divulgados. Mas  nas redes, várias mulheres já começam a declarar seu apoio. “Estou aqui só pra isso”, escreveu uma seguidora do perfil. “É disso que estou falando. Mexa no bolso deles”, acrescentou outra fazendo referência à ausência das mulheres por um dia nas corporações.

A “Women’s March”, que aconteceu um dia após a posse de Donald Trump, foi motivada pelas diversas declarações sexistas feitas publicamente por ele. E o próximo passo tem como objetivo impactar ainda mais o dia a dia do país, algo parecido com o que já foi realizado na França e na Islândia.

Em novembro, na capital francesa, mulheres deixaram o trabalho mais cedo, às 16h34, como protesto contra a disparidade salarial. Segundo as ativistas, o horário em particular marca o momento em que as mulheres deixam de receber salário pelo trabalho que executam no ano de 2016. O mesmo aconteceu no país nórdico, no final de outubro. Pelo mesmo motivo, as funcionárias deixaram seus postos 2h38 mais cedo. [Marie Claire]

“As mulheres lutam pela igualdade em todos os setores”, diz Scarlett Johansson

scarlett-home.jpg
Scarlett Johansson (Foto: Marie Claire América)


Prestes a estrear nos Estados Unidos o filme Ghost in the Shell (Vigilantes do Amanhã) – com estreia prevista no Brasil dia 30 de março – Scarlett Johansson é a cover girl da Marie Claire América, de março. Entre os assuntos discutidos ela falou sobre a posição da mulher na sociedade. “Embora eu seja uma das atrizes com mais trabalhos em Hollywood, não quer dizer que eu seja a mais bem paga. Eu tive que lutar por tudo o que tenho. Faz parte dessa política da indústria. É óbvio que as mulheres lutam pela igualdade em todos os setores. Sexismo é real.”

Scarlett também falou sobre sua filha, Rose Dorothy Dauriac, de 2 anos. “Não acho que minha filha ainda tenha idade para ver meus filmes. Mas ficarei muito feliz quando ela tiver idade suficiente para assistir.”

Ela, que foi uma das atrizes a fazer discurso na Marcha das Mulheres contra Donald Trump, em Washington, falou sobre o assunto. “Acredito que seja muito importante ouvir pessoas de diferentes posições, opiniões. Por que não? Por que não ter minha própria voz e usar esse plataforma?”, concluiu.

Angelina Jolie critica políticas migratórias de Trump em artigo de opinião do ‘NYT’

JORDAN-SYRIA-UN-CONFLICT-JOLIE-REFUGEEJolie visitou desde 2011 em muitas ocasiões campos de refugiados sírios no Iraque, Jordânia, Líbano, Turquia e Malta


LOS ANGELES – A atriz Angelina Jolie criticou na quinta-feira as políticas migratórias do presidente dos EUA, Donald Trump, ao ressaltar que essas decisões deveriam ser tomadas “com base em fatos e não em resposta ao medo”. Em um artigo de opinião publicado no site do jornal The New York Times, a atriz se referiu à polêmica ordem executiva que Trump assinou recentemente para lutar contra o terrorismo jihadista.

O decreto suspende a entrada ao país de todos os refugiados durante 120 dias, assim como a concessão durante 90 dias de vistos a 7 países de maioria muçulmana – Líbia, Sudão, Somália, Síria, Iraque, Iêmen e Irã – até que se estabeleçam novos mecanismos de vigilância.

“A crise global de refugiados e a ameaça do terrorismo fazem com que seja completamente justificável que consideremos como proteger nossas fronteiras da melhor maneira”, reconheceu a atriz.

“Cada governo deve equilibrar as necessidades de suas cidades com suas responsabilidades internacionais. Mas nossa resposta deve ser medida com base em fatos e não em resposta ao medo”, acrescentou. “Simplesmente não é certo que nossas fronteiras sejam ultrapassadas ou que os refugiados sejam admitidos nos EUA sem um estreito escrutínio.”

Além disso, declarou: “Se criarmos um grupo de refugiados de segunda classe, alegando que os muçulmanos merecem um menor grau de proteção, avivamos o extremismo estrangeiro enquanto em casa solapamos o ideal de diversidade desejado por democratas e republicanos”.

Para reforçar sua mensagem, Angelina, enviada especial do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), parafraseou Ronald Reagan: “Os EUA estão comprometidos com o mundo porque grande parte do mundo está dentro dos EUA”.

“Portanto devemos analisar as causas da ameaça terrorista, os conflitos que dão espaço e oxigênio a grupos como o Estado Islâmico, e a desesperança e rebeldia das quais se nutrem. Temos de formar uma causa comum com pessoas de distintas fés e origens que lutam contra a mesma ameaça e procuram a mesma segurança”, completou.

“Dessa maneira”, concluiu a atriz, “é como esperar que qualquer presidente de nossa grande nação exercesse como líder por trás de todos os americanos”. / EFE

Marcha das mulheres: os trechos inspiradores dos discursos de Madonna, Scarlett Johansson e mais

madonna_qlnhqzx

Madonna (Foto: Getty Images)


marcha das mulheres tomou conta da ruas de Washington e diversos países neste sábado (21). Manifestantes se posicionaram contra a posse do novo presidente dos EUA Donald Trump. Várias personalidades públicas participaram do protesto e fizeram discursos. Selecionamos alguns trechos inspiradores abaixo.

Madonna: “Bem-vindos à revolução do amor, à rebelião, à nossa recusa enquanto mulheres a aceitar essa nova era da tirania, onde não só mulheres estão em perigo, mas todas as pessoas marginalizadas. Onde pessoas singularmente diferentes podem ser consideradas um crime. Eu escolho amor. Vocês estão comigo? Digam comigo: Nós escolhemos amor!”scarlett-johanssonScarlett Johansson (Foto: Getty Images)


Scarlett Johansson: “Presidente Trump, eu não votei em você. Dito isso, eu respeito que você é nosso presidente eleito e quero ser capaz de te apoiar. Primeiro, eu peço que você me apoie, apoei minha irmã, apoiei minha mãe, apoie minha melhor amiga e todas as nossas amigas, apoie os homens e mulheres aqui hoje que estão esperando ansiosamente para ver como seus próximos movimentos podem afetar drasticamente suas vidas.”america-ferreraAmerica Ferrera (Foto: Getty Images)


America Ferrera: “Nossa dignidade, nosso caráter, nossos direitos foram todos atacados e uma plataforma de ódio e divisão assumiu o poder ontem. Mas o presidente não é a América, seu gabinete não é a América, o Congresso não é a América, nós somos a América. E estamos aqui para ficar. “alciia keys 17.jpgAlicia Keys (Foto: Getty Images)


Alicia Keys: “Nós não vamos permitir que nossos corpos sejam possuídos e controlados por homens no governo ou qualquer homem em qualquer lugar. Nós não vamos permitir que nossas almas compassivas sejam pisadas. Nós queremos o melhor para todos os americanos. Não ao ódio. Não à intolerância. Não ao registro de muçulmanos. Nós valorizamos a educação, a saúde e a igualdade.”