Tomara que caia domina as passarelas de Paris

tomara-que-caia-destaque.jpg

O tomara que caia dominou as passarelas francesas (Foto: Imaxtree)


Desde a última temporada de moda, em setembro do ano passado, os ombros têm se tornado protagonistas na moda, com blusas ciganas, de um ombro só ou que deixam a região à mostra como um destaque tanto na moda de rua quanto nas passarelas.

Agora, com a semana de alta costura de Paris rolando na cidade luz, não é diferente. Nos principais desfiles do evento de alta moda, o tomara que caia foi um ponto alto entre os vestidos de gala e modelos elegantes que riscaram as ruas parisienses.

Christian Dior (Foto: Imaxtree)Christian Dior (Foto: Imaxtree)

Dior, Ralph & Russo, Schiaparelli, Giambattista Valli e Alex Mabille foram algumas das marcas que apostaram nos ombros completamente nus para a próxima temporada de verão 2017. O principal na runway foram modelos mais românticos, com um decote reto tomara que caia e cintura bem marcada, além de saia rodada e longa.

Alex Mabille (Foto: Imaxtree)Alex Mabille (Foto: Imaxtree)

O que variou, principalmente, foram estampas e cores. A Dior apostou em tons mais clássicos e uma paleta de cores mais sóbria, enquanto Schiaparelli investiu em cores bastante vibrantes e estampas coloridas. O visual foi exclusivo de vestidos, que variavam entre o comprimento longo, o mídi e o curto.

Ralph & Russo (Foto: Imaxtree)Ralph & Russo (Foto: Imaxtree)

Os babados foram outra combinação constante com os modelos tomara que caia, outra tendência que se firma também esta temporada. O resultado foram modelos muito elegantes e femininos.

Schiaparelli (Foto: Imaxtree)Schiaparelli (Foto: Imaxtree)
Giambattista Valli (Foto: Imaxtree)Giambattista Valli (Foto: Imaxtree)
Anúncios

Madonna é banida de rádio após discurso anti-Trump na Marcha das Mulheres

madonna_qlnhqzxO discurso de Madonna durante a Marcha das Mulheres, no último sábado (21) em Washington, nos Estados Unidos, fez com que a cantora fosse banida de uma das principais rádios no estado do Texas.

A HITS 105 decidiu banir todas as músicas da cantora por tempo indefinido após ela dizer ter pensado “em fazer explodir a Casa Branca”, o que provocou algumas reações negativas de setores mais conservadores.

Para a equipe da rádio, não se trata de um ato político, mas sim, “um ato de patriotismo”. “Apenas que nos sentimos mal de tocar as canções da Madonna, e pagar os direitos a ela, depois de ela expressar sentimentos anti-americanos”, afirmou a HITS à “Billboard”.

Madonna cantou e discursou contra o sexismo do novo presidente americano, e também pediu direitos iguais aos imigrantes, mulheres, homossexuais, muçulmanos e deficientes físicos. A marcha aconteceu no dia seguinte da posse de Donald Trump.

A cantora assumiu não ter gostado do resultado da eleição presidencial dos Estados Unidos. “Sim, eu estou com raiva. Sim, eu estou ultrajada. Sim, eu às vezes penso em explodir a Casa Branca. Mas isso não vai mudar nada e eu sei disso. Não são só as mulheres que estão em perigo, mas todas as pessoas marginalizadas(…). Foi preciso de um momento de trevas para nos acordar. Parece que todos nós caímos numa falsa sensação de conforto, de que a justiça ia prevalecer e o bem ia vencer no final”, começou. “Bom, o bem não venceu essa eleição. Mas vai vencer no final”, completou levantando o público.

Após o ato, o republicano Newt Gingrich defendeu que Madonna deveria ter sido detida. No Instagram, no dia seguinte, a cantora afirmou que “explodir a Casa Branca” era uma metáfora. “Eu não sou uma pessoa violenta”.

Outras famosas também participaram do movimento, que reuniu mais de 500 mil mulheres na capital americana e em outros pontos do mundo, como Charlize Theron, Emma Watson, Mary McCormack, Demi Lovato, Jane Fonda, Miley Cyrus e Ariana Grande e Carol Castro no Brasil.

Simplicidade dá o tom a um refúgio em Trancoso

destaqPor Reportagem Visual: Marjory Basano | Texto: Daniel Tavares


Foi paixão à primeira vista. Quando conheceu Trancoso, 20 anos atrás, a designer de joias Syomara Crespi pensou imediatamente em ter um cantinho no vilarejo, no sul da Bahia. “Mas só encontrei o que procurava em 1998: uma típica casa colonial”, conta. A construção fica no Quadrado, a praça central do lugar, e estava fechada havia algum tempo. “O espaço era pequeno, mas o terreno, profundo. Depois que limpei o mato, descobri a vista para o rio e o mar”, lembra.salai.jpgNa sala, espreguiçadeira do Depósito Santa Fé e almofadas pintadas a mão por Silvinha Calazans. A mesa lateral é assinada por Israel de Jesus Filho, o Rael e o tapete é da Divino’s. (Marco Antonio)


Para a reforma, a designer recorreu ao ceramista João José Calazans. “Queria aumentar a casa, porém sem descaracterizá-la, por isso chamei alguém que conhece bem a arquitetura da região.” Por fora, tudo foi preservado. A construção original se transformou na ala social e agora um corredor descoberto leva às três suítes feitas ao fundo. Tudo simples, com chão de cimento branco, teto sem forro e antigas telhas de barro.A sala de estar tem poucos móveis e permite a livre circulação. Destaque para a mesa orgânica de Hugo França, para o cocar feito por Aruê (um índio pataxó da região) e para as telhas à vista. A sala de estar tem poucos móveis e permite a livre circulação. Destaque para a mesa orgânica de Hugo França, para o cocar feito por Aruê (um índio pataxó da região) e para as telhas à vista. (Marco Antonio)


O décor segue o mesmo princípio de simplicidade, com peças de madeira, palha e ferro. “Comprei praticamente todos os móveis num mesmo dia em São Paulo e mandei entregar aqui. O restante, encontrei no vilarejo: alguns itens vieram de lojas do Quadrado, como a Divino’s, e outros adquiri diretamente de artesãos, como o Rael e o Calazans. É dele a luminária de abacaxi que fica na fachada e, por causa dela, a casa é conhecida como Casa do Abacaxi”, diverte-se ela.

Aqui, há somente o essencial em cada ambiente para não poluir a paisagem e deixar bastante espaço para a circulação. “Queria que tudo combinasse perfeitamente com o lifestyle que gosto de ter quando chego à Bahia. Não há pressa para nada. Estou sempre com chinelos de dedo nos pés, não uso maquiagem e deixo secar os cabelos ao vento. Um contraponto perfeito para a agitada vida que levo em São Paulo”, completa.acollage3 (2).jpgO corredor vai da cozinha para os quartos. Uma parte do piso foi feita de tijolos de João José Calazans. O armário maior guarda louças e jogos de mesa, e o menor é usado como paneleiro. Na sala de jantar, mesa rústica mineira da extinta Jacaré do Brasil. As cadeiras são assinadas por Sig Bergamin, e a luminária, por Rael. Este quarto, que fica no térreo, costuma hospedar os netos da designer – ela tem quatro. A roupa de cama é da Trousseau, e o dossel de tule de algodão foi confeccionado pela costureira local Miralva, expert em mosquiteiros. (Marco Antonio)

10 exemplos do poder da cor amarela na decoração

Com o poder de irradiar luz e calor à sua volta, o tom é a garantia de alto-astral no décor. “Era essa explosão de alegria que eu desejava para a minha casa de praia. Além disso, o amarelo representa o sol, e a paleta da decoração foi regida justamente pelos tons da natureza”, diz Kobus Loots, proprietário e autor do projeto sul-africano (na pág. ao lado). Filmmaker e com um olhar apurado, ele ensina a dosar o matiz. “A cor ganha mais destaque se aparecer em apenas uma peça.” Misturada a outros pigmentos em estampas poderosas, como em alguns produtos da nossa seleção, a nuance ganha um brilho extra. Jogue-se nesse clima de alegria pura!  [Tatiane Domiciano]poltrona-painho-base-em-alumicc81nio-acabamento-em-corda-assento-de-tecido-98x82x134h-a-partir-de-r-10-23210A poltrona Painho (92 cm x 82 cm x 1,35m) tem estrutura de alumínio revestido de corda. Da Tidelli, a partir de 10.233 reais.botijVaso de cerâmica Strypy (31 x 50 cm), da Bosa, com design de Jaime Hayon. A partir de 1.450 euros.nnantiques877Com estilo art déco, o prato de faiança (23 x 18 cm) é originário da Alemanha. Custa 1.270 reais na NN Antiques.birdsbytoikkayellowgrousekeltariekkoFeito de vidro soprado, o pássaro Yellow Grouse (21,5 x 13 cm) é de Oiva Toikka para a Iittla. Na Skandium, custa 249 libras.sofa-amreloDe veludo e com almofadas soltas, o sofá Nuvem (1,73 m x 96 cm x 82 cm), da Estar Móveis, é vendido por 5.680 reais.tijelaDe porcelana, o bowl Aquila (16 x 9 cm) exibe uma estampa delicada. Na Villa Pano, por 56 reais.

qama.jpgMarian Bantjes assina para a Moooi Carpets o tapete de lã Obsession Yellow (2 m x 80 cm). Preço: 1.899 euros.

garraA jarra de cerâmica Red and Orange (11 x 40 cm) leva a assinatura de Andrew Ludick. À venda por 250 euros no ateliê do artista.

 

abajur

De Verner Panton para a Louis Poulsen, abajur Panthella Mini (25 x 33,5 cm), de alumínio. Preço: 398 dólares na Danish Design Store.mesa-dupla_ibacana-jpegCriação do Em2 Design, a mesa Dupla (98 x 40 x58 cm) é feita de eucalipto. Da Ibacana, por 4.985 reais.

Apartamento se renova com estilo industrial e ambientes integrados

hall.jpg
HALL DE ENTRADA | A porta de freijó tem puxador de vergalhão feito pelo serralheiro Ricardo Bezerra, também responsável pela estante, que serve de divisória com banco de apoio, tudo de autoria do escritório Zoom. A caixa de força e todas as instalações elétricas ficam visíveis nas paredes (Foto: Edu Castello/Editora Globo)

Interessados por arquitetura e design, o cineasta Pedro e o geógrafo Vladimir compraram o apartamento de 140 m² atraídos pelas características modernistas do prédio, projetado na década de 1950 pelo escritório Botti Rubin, nos Jardins, SP. Para adequá-lo ao estilo de vida atual, eles encomendaram a reforma ao escritório Zoom. “Partimos dos pontos fortes do edifício para criar um projeto contemporâneo para o jovem casal”, diz o arquiteto Guilherme Ortenblad, sócio-fundador do escritório. “Um deles é o pano de vidro na fachada frontal com uma sequência de janelas, tipo guilhotina, que valorizamos na obra”, conta a arquiteta Kathleen Chiang, coordenadora do projeto. O primeiro passo foi a demolição de praticamente todas as paredes para aproveitar melhor a entrada de luz natural. Em seguida, houve a redistribuição dos ambientes que ficaram amplos e integrados.

Na reorganização dos espaços, os arquitetos projetaram dois eixos, social e de serviço, que se conectam. A remoção de dois quartos na fachada da frente abriu grande área para ampliar o living, que agora ocupa a largura do apartamento. Na fachada dos fundos, a sequência de janelas igual à da frente levou à instalação de um tipo de varanda integrada à cozinha, que dá acesso às duas suítes: a do casal e a de hóspedes. “Como Pedro trabalha em casa, os moradores queriam a área íntima bem definida e protegida. A eliminação da entrada de serviço permitiu a criação da suíte de hóspedes onde eram a lavanderia e a cozinha e da circulação privativa nos fundos”, explica Kathleen.

Os moradores pediram espaços funcionais entre as áreas social e íntima. Em função disso, a lavanderia foi para dentro de um volume de madeira, ao lado da suíte do casal. Atrás de portas de muxarabi ficam o varal, o tanque e a máquina de lavar roupa. O mesmo volume guarda a geladeira com portas que se abrem para a cozinha. O casal quis muitas prateleiras para guardar livros consultados com frequência. “Criamos as estantes que, assim como outros elementos, transbordam de um ambiente para o outro dando unidade visual”, diz a arquiteta.

Um traço marcante do projeto é a linguagem industrial com peças de concreto e metálicas que são comuns em obras e se repetem nos ambientes. “Após descascar as colunas e as lajes para exibir o concreto, o reproduzimos na banheira e nas bancadas moldadas no local”, conta Guilherme, que extrapolou o uso do material ao desenhar a estante de vergalhões. “É como se tivéssemos subtraído o concreto deixando o vazio”, explica ele. “Nossa intenção é sempre jogar com cheios e vazios, claros e escuros”,afirma Kathleen. “A transparência, como a do painel de policarbonato no fechamento do lavabo, e os volumes vazados deixam a luz fluir pelo apartamento inteiro”, conclui ela.

Apartamento de 140 m,em São Paulo. Projeto do escritório Zoom (Foto: Edu Castello/Editora Globo)LAVABO | O jardim vertical, da Sapu Paisagismo, foi instalado em calhas revestidas de placas de policarbonato. O mesmo material compõe o painel translúcido com a porta de correr, da Dumax Brasil, que fecha o local. A pia é uma calha metálica. Torneira da Deca. Toalha da Mundo do Enxoval (Foto: Edu Castello/Editora Globo)
Apartamento de 140 m,em São Paulo. Projeto do escritório Zoom (Foto: Edu Castello/Editora Globo)SALA DE ESTAR | A estante de vergalhões, com prateleiras de chapa metálica perfurada, termina em mesa de trabalho junto à janela. Luminárias da Lumini. Mesa de centro da Ovo. Vasos da LS Selection. Almofadas da Codex Home. Cadeira da Vermeil. Tapete da Botteh (Foto: Edu Castello/Editora Globo)
Apartamento de 140 m,em São Paulo. Projeto do escritório Zoom (Foto: Edu Castello/Editora Globo)LIVING | Com a demolição das paredes, os pilares de concreto aparente destacam-se e apoiam a bancada da cozinha, aberta para a sala de jantar. O armário suspenso tem nichos abertos e fechados com luz embutida em placas de policarbonato (Foto: Edu Castello/Editora Globo)
Apartamento de 140 m,em São Paulo. Projeto do escritório Zoom (Foto: Edu Castello/Editora Globo)COZINHA | A bancada de concreto segue com pia e fogão de mesa até os fundos. Abaixo das janelas, o banco de concreto liga as duas suítes. Prateleiras e volume de freijó. Na parte molhada, piso da Concresteel (Foto: Edu Castello/Editora Globo)
Apartamento de 140 m,em São Paulo. Projeto do escritório Zoom (Foto: Edu Castello/Editora Globo)ÁREA DE SERVIÇO | Ao lado da porta pivotante da suíte, o volume revestido de freijó abriga os equipamentos da lavanderia, atrás de portas de muxarabi, e a geladeira, na parte voltada para a cozinha. Marcenaria projetada pelos arquitetos e executada pela Visual Móbile (Foto: Edu Castello/Editora Globo)
Apartamento de 140 m,em São Paulo. Projeto do escritório Zoom (Foto: Edu Castello/Editora Globo)SUÍTE DO CASAL | O banco de concreto em balanço termina no canto com criado-mudo feito de vergalhões. O mesmo material virou suporte das luminárias da Reka. Peças desenhadas pelo Zoom e executadas por Ricardo Bezerra. Roupa de cama da Mundo do Enxoval. Objetos da LS Selection (Foto: Edu Castello/Editora Globo)
Apartamento de 140 m,em São Paulo. Projeto do escritório Zoom (Foto: Edu Castello/Editora Globo)BANHEIRO | O piso tem pastilhas hexagonais da Atlas, que também revestem as paredes. Bancada de concreto moldado na obra com gabinete de freijó. O espelho, da AF Vidros, reflete o painel de vidro com porta que separa o closet. Objetos da LS Selection. Toalhas da Mundo do Enxoval (Foto: Edu Castello/Editora Globo)
Apartamento de 140 m,em São Paulo. Projeto do escritório Zoom (Foto: Edu Castello/Editora Globo)BOXE | Na parede acima da banheira, de concreto moldado na obra, as tubulações de cobre das instalações hidráulicas também aparecem nos acessórios criados pelo Zoom e feitos pelo encanador (Foto: Edu Castello/Editora Globo)Ficha técnica - projeto do escritório Zoom (Foto: Casa e Jardim)

Texto Marilena Dêgelo I Realização Nuria Uliana I Produção Gabrielle Chimello

Angelina Jolie é a nova estrela da Guerlain

angelina-guerlain24012016-1Angelina Jolie é a nova musa da Guerlain. Foto: Divulgação

Longe dos holofotes desde que se separou de Brad Pitt, em setembro de 2016, Angelina Jolie voltou mais sensual do que nunca. Ela é a musa do novo perfume Mon Guerlain, da marca francesa Guerlain.

Thierry Wasser, o perfumista da marca, disse que se inspirou na atriz para criar o perfume que expressa as “essências de uma mulher”. Angelina, que é embaixadora da ONU e diretora da ONG Preventing Sexual Violence, prometeu doar o cachê para a caridade.