10 produtos para você cuidar melhor dos cabelos cacheados

04-sede-da-etsy-em-nova-york-tem-ambientes-alegres-e-descontraidos (2).jpg
Os cabelos cacheados precisam de mais cuidados por conta do formato do fio (Foto: Imaxtree)


Os cabelos cacheados precisam de cuidados especiais e isso tem um motivo: por conta do formato do fio, em espiral, a oleosidade natural do couro cabeludo não chega até as pontas e, por isso mesmo, eles costumam ser mais ressacados do que os cabelos lisos.

Máscaras de tratamento e shampoos e condicionadores especiais, então, são necessários para manter os fios saudáveis e sem frizz, que é muito comum nesse tipo de fio. Criar uma rotina que preze pelo cuidado, portanto, é essencial para ter os cachos perfeitos e o cabelo com o volume e brilho que você sempre quis. Vale lembrar sempre que os métodos low poo e no poo, apesar de funcionarem para todos os tipos de cabelo, são muito aconselhados para as cacheadas por diminuírem a quantidade de resíduos acumulados no couro cabeludo e nos fios, o que deixa os cachos mais definidos e menos pesados.

Pensando nisso a Marie Claire separou 10 produtos incríveis para você colocar na sua rotina de beleza e deixar o cabelo como você sempre sonhou:

Produtos incríveis para vocêcuidar do seu cabelo (Foto: Imaxtree)Produtos incríveis para você cuidar do seu cabelo (Foto: Imaxtree)


1. Creme estilizador, Living Proof, R$ 185
2. Condicionador para cabelos cacheados, Senscience, R$ 198
3. Leave-in Forte Sou + Cachos, Yenzah, R$ 39,90
4. Shampoo de tratamento Light Poo, Elseve, R$ 32,90
5. Leave-In Curls Full Circle, Paul Micthell, R$ 139
6. Shampoo hidratante Meu Cacho Minha Vida, Lola, R4 22,40
7. Máscara Hidratante, Deva Curl, R$ 108
8. Loção para cachos em espiral, Redken, R$ 99,90
9. Máscara Capilar Divine Curls, Inoar, R$ 82,90
10. Leave-in para cabelos cacheados, Éh, R$ 9,60

Anúncios

Os segredos de beleza de Drew Barrymore

drew750.jpgSó vou mexer no rosto quando estiver tão ruim que não terei mais nada a perder’, explicou Drew Barrymore Foto: Isak Tiner for The New York Times


Drew Barrymore, 41 anos, foi estrela de cinema a vida toda. De uns tempos para cá, porém, anda se aventurando em outros campos: lançou uma linha de maquiagem, a Flower, e um vinho, que leva seu nome, com a Carmel Road. Agora, volta a inovar interpretando um zumbi na comédia de humor da Netflix, ‘Santa Clarita Diet’. Quando não está comendo carne humana na telinha, é bem provável que esteja em busca das novidades em produtos de beleza na vida real. Da “retirada de craca” anual à obsessão com a cor do cabelo, Drew conta tudo.

Cuidados com a pele
Sou daquelas que lava o rosto por compulsão. Para mim, tem que ser três vezes por dia, de manhã, à tarde e à noite, no mínimo. Gosto de espuma de limpeza bem suave, tipo de bebê. Se estou na correria, uso Cetaphil ou uma da Christine Chin. Aí tenho que passar um tônico de qualquer jeito; se não fizer isso, fico cheia de espinhas. Uso o gel para limpeza de acne da Clinique ou o da Christine Chin. Ou Sea Breeze. Não importa, tenho que tonificar.

Conforme você envelhece, surgem melasmas, vêm os filhos, aparecem os danos causados pelo sol. Gosto de misturar meu hidratante com um serum clareador da Christine Chin. Estou obcecada pela linha dela; é a única coisa em que esbanjo mesmo. Não tenho tempo para fazer limpeza de pele e, por isso, não a vejo há anos, mas a cada dois meses compro os produtos.

Gosto do creme da Kate Somerville para dar um jeito nos círculos escuros embaixo dos olhos.

Com certeza capricho na hidratação. E o grande diferencial aqui são, sem dúvida, os produtos coreanos, porque eles dão uma hidratação incrível sem deixar a pele oleosa. Já usei cosméticos de todo tipo, caro e baratinho, e todos me enchem de espinhas. As máscaras da Coreia mudaram minha vida, mas a que eu amo de paixão é a Baby Pure Shining Mask, da JayJun. Quando tiro, parece que acabei de sair da esteticista.

Até protetor solar me empipoca. Só tem dois que não fazem isso: o novo da La Roche-Posay, chamado Clear Skin Dry Touch, e um pó com FPS da Colorescience. Às vezes uso o Dry Touch e espalho o pó por cima.

Maquiagem
Eu diria que durante uns 90% da minha vida uso zero maquiagem, mas quase nunca saio de casa sem a base Skincognito Stick Foundation da Flower, porque ela cobre tudo. E também não sei viver sem Aquaphor para os lábios. Tenho certeza de que estou viciada, parece que preciso dele cada vez mais.

Geralmente escolho uma cor e fico com ela durante um mês. No momento, estou fascinada com a Sand Bar, que vem em um tubo, parece pasta de dente. Uso nos lábios e nas bochechas e, se sobrar um restinho no dedo, vai nas pálpebras. Dá um ar de pôr do sol, meio rosado, aos olhos.

Pode ser também um dos tons de sombra da Flower. Gosto muito de berinjela porque deixa meus olhos mais verdes. Acho legal também puxar o que tiver na pálpebra para baixo, para deixar um círculo meio coeso. Vivo mexendo com a sobrancelha. Não sou boa com o lápis de desenho, sempre exagero. Aí fico parecendo o Spock. Por isso, prefiro apelar para o nosso Brow Master, que vem com um aplicador. Superfácil de usar.

Geralmente tenho preguiça de usar rímel, mas o Zoom-In é um dos meus favoritos porque é bem gosmento. Eu chamo de ‘cílios de tapete’, tipo tapete mesmo, com franja. Pena que o nome não pegou.

Cabelo
Eu conto com a Tracey Cunningham para cuidar da minha cor, que já uso há uns vinte anos. Tenho TOC com o meu cabelo e ela consegue me aguentar. Gosto muito do ombré leve, tipo uma base escura e uma quantidade ideal de mechas mais claras e escuras. Chamamos de ‘cabelo de criança na praia’. Parece despojado, fácil, natural, mas a gente tem que fazer quase que fio por fio. A Tracey tem paciência de santa.

A minha máscara favorita é a de manteiga de karité da J.F. Lazartigue. Aplico um monte, faço trança e vou dormir e só bem depois de levantar, no dia seguinte, tomo banho. Recupera totalmente a elasticidade dos fios. Também gosto da Kérastase, é uma marca ótima, que dá para encontrar em qualquer lugar. Acabei de comprar o condicionador da Philip B Oud Royal. Parece tinta dourada saindo do tubo!

Shampoo, adoro o Living Proof Restore. É o único que dá certo no meu cabelo. Já tentei outras fórmulas, mas não tem jeito.

Perfume
Sou uma hippie irremediável. Adoro patchouli, tipo puro, sem nada. Lembra Venice Beach, 1982. Gosto muito de cedro também. Aliás, adoro os tons amadeirados, sândalo, Nag Champa.

Outros serviços
Uma vez por ano vou ao Dr. Roy Geronemus para uma ‘remoção de craca’. Sério, ele esfrega o meu rosto como se fosse o deque de um navio. Faço um tratamento a laser Clear & Brilliant em outubro. Depois do verão, parece que minha cara está toda suja, por causa da melasma. Depois que tive filhos, piorou muito. Posso passar quanto for de filtro, chapéu o tempo todo, acabo sempre com um monte de mancha. Ele sabe que não faço nada além do laser, então nem se dá ao trabalho de perguntar. Mas sugeriu uns preenchimentos da última vez que estive lá. E eu respondi: “Não vai rolar, Dr. G! Voltamos a falar sobre isso daqui a uns dez anos.” Só vou mexer no rosto quando estiver tão ruim que, tipo, não terei mais nada a perder.

Dieta e exercícios
Eu frequento a AKT. Trabalho com a Becky. O nosso mantra é o seguinte: “Vamos fazer tudo!”. Ela basicamente faz o circuito comigo, durante uma hora, até eu ter a impressão de estar morrendo. Nunca fui a maior especialista em exercícios do mundo, mas agora que sou mãe e já cheguei aos 40, são eles que me ajudam a não enlouquecer. Depois de dois bebês e o efeito sanfona, fiquei bem deprimida durante um tempo. De repente, parecia que não conseguia mais dar conta do meu peso.

A Califórnia é a central das dietas; tudo é limpo e natural. Eu peno em Manhattan. Desde que inventaram o Postmates, a vida nunca mais foi a mesma. Vicia! Queria que tivesse um equivalente ao bafômetro, sabe como é? Se meu peso estiver no limite “x”, posso pedir pelo Postmates; se não, nada feito. Esse aplicativo sabotou minha vida, com certeza.

Bee Shapiro – The New York Times

Yeezy Inverno 2017

545-yeezy-season-5-collection-1.jpgSem escândalos dessa vez pra Kanye West, que teve sua penúltima coleção na Semana de Moda de NY marcada por muita confusão com atrasos e modelos desmaiando. A Yeezy encerrou (pelo menos momentaneamente) a parceria com Vanessa Beecroft, e o outono-inverno 2017/18 aconteceu de maneira organizada e sem atrasos abusivos. A coleção em si tem referências dos anos 90 e do militar, que aparece na forma de estampa de camuflagem. Tem moletom, peça em jeans com caimento mais largo (não chega a ser oversized, mas com aquela impressão de número errado pelos ombros caídos e sobras excessivas do tecido nas coxas e joelhos, sabe?), tricô da vovó, jaquetona (essas sim bem oversized) e casacão de pele até o tornozelo. A paleta de cores fica entre o preto, bordô, verde militar e o azul mais vibrante que acendeu parte dos looks. Confira tudo abaixo!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ashley Graham e Candice Huffine: as tops que roubaram a cena na NYFW

ash.jpg
Ashley Graham, na passarela da Michael Kors (Foto: Getty Images)


O clamor por mais diversidade na moda parece, pouco a pouco, surtir. Na temporada de inverno 2017, a NYFW finalmente abriu os olhos para o mercado plus size ao destacar duas tops: Ashley Graham e Candice Huffine. Enquanto a primeira atraiu todos os flashes na passarela da grife Michael Kors, a segunda foi a grande estrela dos shows de Prabal Gurung e Christian Siriano.

E a escolha vai além de uma atitude simplista de inclusão. De fato, os designers se debruçaram sobre a silhueta de mulheres curvilíneas para que elas pudessem vestir as peças da linha comercial, sem que fosse preciso criar uma linha exclusiva – e ao mesmo tempo excludente – para mulheres da manequim grande.

Candice Huffine, nas passarelas de Christian Siriano e Prabal Gurung  (Foto: Getty Images)

Candice Huffine, nas passarelas de Christian Siriano e Prabal Gurung (Foto: Getty Images)


Vestidas como o restante das modelos, elas provaram que a moda pode – e deve – ser mais democrática. E os estilistas se mostram emprenhados em fazer valer a desafiadora proposta. Até porque a atitude não será em vão. Nos últimos três anos, o faturamento das vendas de roupas plus size saltou de US$ 17.4 milhões, em 2013, para US$ 20,4 milhões, em 2016.

Natural de Nebraska, nos EUA, Ashley tem 29 anos e começou a ganhar os holofotes ao estrelar a campanha da grife de lingeries Lane Bryant, em 2015. Mas o divisor de águas da sua carreira se deu quando ela se tornou a primeira plus size a posar para a capa da revista Sports Illustrated Swimsuit Issue, no ano passado. Desde então, estampou as maiores revista de moda do mundo.

Já Candice, de 32 anos, nasceu em Washington e é representada por uma das maiores agências de modelo do mundo, a IMG Models. Em 2015, ela se tornou a primeira plus size a posar para o aclamado Calendário Pirelli. Engajada, no ano seguinte, ela encabeçou a campanha #ImNoAngel, que criticou os padrões de beleza alimentados pela marca de lingerie Victoria’s Secret. [Marie Claire]

Candice Huffine, na fila final de Prabal Gurung: "Nossas mentes. Nossos corpos. Nosso poder" (Foto: Getty Images)Candice Huffine, na fila final de Prabal Gurung: “Nossas mentes. Nossos corpos. Nosso poder” (Foto: Getty Images)