Expô mostra 280 obras com corpo como lugar de expressão

021116-o-utero-do-mundo-expo-mam-2-590x347

Está em cartaz no MAM até dia 18/12 a exposição “O Útero do Mundo”. São 280 obras, onde o corpo aparece como lugar de expressão, de 120 artistas contemporâneos. Tudo foi selecionado com a curadoria da escritora e crítica de arte Veronica Stigger, que foi buscar nos conceitos de Clarice Lispector um modo de organizar a mostra.

Pinturas, desenhos, fotografias, esculturas, gravuras, vídeos e performances são divididos em três núcleos: “Grito Ancestral”, com obras que representam séries de gritos; “Montagem Humana”, com corpos fragmentados, transformados, deformados ou indefinidos; e “Vida Primária”, com fungos, flores e folhagens. Abaixo você confere o que vai encontrar por lá!

“O Útero do Mundo”
Até 18/12, terça a domingo e feriados, das 10h às 18h
MAM: av. Pedro Álvares Cabral, s/n, Parque Ibirapuera, SP
(11) 5085-1140
R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia), entrada gratuita aos domingos

Anúncios

A história da Vix, marca de biquíni que conquistou Hollywood e Kate Middleton

infochpdpict000063180391

Hit do verão 2017 da Vix: biquíni com textura de escamas – Divulgação
RIO – Em 2013, imagens de Kate Middleton de biquíni, em Mustique, rodaram o mundo. Na época, a duquesa de Cambridge estava grávida do príncipe George. Imaginem o alvoroço na coroa britânica. Passada a euforia das fotos, os olhos, pelo menos da turma da moda, se voltaram para a “produção” real. O look de praia era da Vix, grife que a capixaba Paula Hermanny lançou em 2003, em San Diego. De passagem pelo Rio, a estilista conta que Kate era cliente da etiqueta antes de se casar com o príncipe William.

— Kate compra os biquínis na multimarcas Biondi, em Londres. É até chatinha, quer o que não tem na loja — comenta Paula. — Mas não tenho acesso à princesa. Nunca mandei presentes para ela.

Sentada na sala de seu apartamento carioca, em Ipanema, a designer, 43, diz que há pouco tempo resolveu “profissionalizar” essa relação com as celebridades, contratando uma agência de publicidade em Los Angeles. Sua agente está achando o trabalho fácil. Afinal, a Vix foi abraçada espontaneamente pelas estrelas desde o começo. Sem querer fazer muito alarde e meio tímida, Paula cita a supermodelo inglesa Kate Moss como uma das principais incentivadoras involuntárias de seu trabalho, assim como as atrizes Jessica Biel, Demi Moore e Jennifer Aniston (“A Jennifer tem um corpo bom”, observa):
— É difícil quando elas não gostam da marca. Aí tem que pagar.

PEÇAS ADAPTADAS

Natural de Vitória, Paula surfa desde a adolescência e diz que aprendeu a gostar de moda com as avós: a materna era costureira; e a paterna, uma espanhola chiquérrima que vestia Chanel, Burberry e Courrèges. Formada em Economia, decidiu criar a Vix em San Diego, onde vive há mais de duas décadas (“Fui para estudar inglês e fiquei”, aponta). Segundo a estilista, as pessoas ficavam loucas com os biquínis tupiniquins que levou na bagagem e ela percebeu que tinha um território para desbravar:

— Vi que não tinha marca brasileira fazendo da maneira certa, conhecendo bem o público, adaptando as peças. O mercado americano é cruel. Não adianta apenas o produto ser maravilhoso. Você tem que seguir as regras. Não pode atrasar entrega, tem que ser organizado. Estou há anos nas mesmas lojas de departamentos: Saks, Neiman Marcus, Bloomingdale’s, Nordstrom e Bergdorf Goodman. Mas é aquilo: se não vender, nunca mais te ligam.

O pulo do gato foi deixar a americana mais charmosa e sensual (com um quê de brasileira) na praia, mas respeitando alguns códigos, como o tamanho da calcinha.

— Tive a sacada de entrar para o ramo quando fui comprar biquínis e só achei coisas feias, grandes, lisas e sem graça por lá — recorda.

O trabalho de campo mais aprofundado foi executado com seu círculo de amigas, que provavam as peças made in Brasil de Paula e davam seus palpites, principalmente, na modelagem:
— Foi aí que comecei a entender o que elas desejavam.Paula Hermanny diz que nunca mandou presentes para a duquesa de Cambridge – Ana Branco / Agência O Globo

600 MIL BIQUÍNIS POR ANO

Em abril, a Vix, já consolidada no mercado mundial, fez a sua estreia na São Paulo Fashion Week. Diferentemente de outras grifes de beachwear, Paula Hermanny preferiu fazer um desfile mais intimista (mas com a presença das tops Ari Westphal e Isis Bataglia), na Casa Jereissati, e sem grandes pirações. A ideia era apresentar um biquíni (e afins) com o pé, de fato, na areia. A estilista acredita piamente que o look de desfile pode — e deve — fazer sentido na vida real:

— No Brasil, tudo é um show. Por isso, demorei a entrar para o calendário. Você não mostra o produto de verdade. Não adianta construir peças com tecidos lindos, mas que não são práticas no dia a dia, que dariam para usar só para ir ao circo.

A estilista deixa claro que nunca teve muita vontade de estar numa passarela. Para ela, a moda tem que falar mais alto do que o marketing. Para o début no evento paulistano, Paula não fez nada especial para impressionar a imprensa. Exibiu o que colocou à venda no showroom:

— Somos uma empresa grande, que fabrica 600 mil biquínis por ano. São três coleções anuais para cada hemisfério, com estações invertidas, e eu não ia parar tudo para esse momento. Mas a presença na SPFW funcionou. Ganhamos mais seguidores nas mídias sociais e ficamos mais conhecidos em outras praças, como Belo Horizonte.

Em outubro, a grife retornou à fashion week para uma apresentação ainda mais fechada, na loja do Shopping Iguatemi, no formato “see now, buy now” (veja agora, compre agora, em português).

LOJA EM MIAMI

Com mais de uma década de estrada, Paula não costuma ser pega de surpresa. Antes de se aventurar, faz um estudo profundo do mercado que está de olho, evitando assim grandes sustos. Lá atrás, notou que as americanas preferem sutiãs maiores e que não gostam de transparência. Tratou de colocar alguns centímetros a mais na parte de cima e reforçou o forro. Quando estava prestes a desembarcar em Londres, detalhou o comportamento da inglesa e concluiu que a calcinha tinha que ser média. Na Europa, de uma forma geral, sabe que a lycra mais fininha, sem reforço interno, é absorvida.

— No início, eu não tinha muitos recursos. Tinha que acertar. Como estudei Economia, tenho essa cabeça de business. Faço muitas pesquisas — entrega a estilista. — Mas a praia vem mudando. Na Califórnia, por exemplo, as meninas estão usando biquínis enfiados na bunda mesmo. Pode reparar nas influencers.

Ao longo dos anos, a marca, que desembarcou no Brasil apenas em 2007, lançou hits — alguns alçados ao posto de clássicos. O biquíni Bia, um dos favoritos de Kate Middleton, puxa a fila. Lançado em 2006, o seu trunfo é a ferragem reguladora na alça do sutiã. Em 2009, o modelo Ripple virou sensação com a calcinha que empina o bumbum. Agora, Paula, mãe de Sofia (sim, a marca secundária da Vix foi batizada em homenagem à herdeira), 13, e de Luca, 11, está focada na loja que inaugurará em janeiro, em Miami — a primeira nos Estados Unidos (por aqui, a etiqueta tem 10):

— Não sentia a necessidade de ter um espaço próprio por lá. Mas vou poder apresentar todo o conceito resort da grife, com roupas e acessórios. [Gilberto Júnior]

Princesa Charlotte será a daminha de honra do casamento da tia, Pippa Middleton

charlotte-606301-400x600-1A notícia foi dada pela revista ‘US Weekly’; assim como Pippa roubou a cena no casamento entre sua irmã mais velha, Kate, e o príncipe William, o mesmo pode acontecer quando a pequena Charlotte surgir na igreja.

Em 2011, quando Kate Middleton se casou com o príncipe William, sua irmã mais nova, Pippa, roubou a cena ao aparecer com um estonteante vestido branco, desenhado pelo estilista britânico Alexander McQeen. Agora, parece que a mesma coisa pode acontecer no casamento da própria socialite, marcado para o dia 20 de maio do ano que vem. Isso porque Pippa recrutou uma daminha de honra para lá de fofa. De acordo com a revista “US Weekly”, quem ocupará o posto é a princesa Charlotte, que completou 1 ano e 7 meses na última sexta-feira (2).

Mas a pequena não será a única integrante da família real a participar do grande dia. Fontes ligadas à publicação disseram que o príncipe George também estará no casamento, como pajem. Kate, a irmã mais velha, não será madrinha. No entanto, é provável que ela leia um discurso especial durante a cerimônia, que ocorrerá na igreja de São Marcos, em Berkshire. Depois disso, os convidados serão recepcionados no jardim da casa dos pais de Pippa.

Todos os detalhes sobre o casamento ainda não foram divulgados. Mas há grande curiosidade sobre o que a pequena Charlotte vestirá na festa. Será que Alexander McQeen tem uma linha de vestidos para crianças?

Nervosa, Patti Smith interrompe canção “A Hard Rain’s A-Gonna Fall” ao representar Dylan no Nobel

1634581

Patti Smith canta em Estocolmo na entrega do Nobel de Literatura a Bob Dylan, que não foi à cerimônia
Sem a presença de Bob Dylan, que havia anunciado há semanas que não iria a Estocolmo receber o Nobel de Literatura, a honraria foi apresentada neste sábado com uma performance da cantora Patti Smith, encerrando o discurso de Horace Engdahl, da Academia Sueca.

Ídolo do rock e colaboradora de longa data de Dylan, ela cantou uma versão de “A Hard Rain’s A-Gonna Fall”, um dos clássicos do compositor americano. De terno, os longos cabelos grisalhos partidos ao meio, Smith fez uma performance contida até se emocionar e interromper um verso, logo pedindo desculpas. “Estou muito nervosa, me desculpem”, ela disse, antes de retomar a canção, sob aplausos e arrancando lágrimas da plateia.

Minutos antes da performance, em tom defensivo e tentando dar respaldo à polêmica decisão de entregar o maior prêmio mundial de literatura a um músico, Horace Engdahl alinhavou uma série de justificativas em sua fala.

“O que provoca as maiores mudanças no mundo da literatura? Muitas vezes é quando alguém revê uma forma simples, às vezes negligenciada, não considerada arte erudita, e a transforma”, disse. “Não deve causar espanto um cantor e compositor receber, portanto, o prêmio de literatura.”

Engdahl lembrou ainda que, no passado, toda poesia era recitada ou cantada por trovadores e cantores. Mas reconheceu que a raiz da obra de Dylan não está nos clássicos gregos, mas sim em sua “dedicação de corpo e alma” à música popular americana do século 20, “do tipo tocada em gramofones para pessoas comuns, negras e brancas”.

Nas mãos do músico, segundo Engdahl, “rimas banais e piadas grosseiras” se transformaram em “poesia de ouro, se de propósito ou sem querer é irrelevante”. “Suas rimas são uma substância alquímica que dissolve contextos para criar novos contextos, mal acomodados no cérebro humano”, acrescentou.

“Diante de um público esperando músicas de toada popular, lá estava um homem com uma guitarra fundindo as linguagens da rua e da Bíblia num composto capaz de fazer o fim do mundo parecer um replay supérfluo. Ao mesmo tempo, ele falava de amor com uma convicção que todos gostariam de ter.”

Tida como imune a críticas e influências exteriores, a Academia Sueca parece não ter se deixado abalar pela ausência de Dylan. “Se as pessoas no mundo literário vão chiar, é importante lembrar que os deuses não escrevem, eles cantam e dançam”, disse Engdahl, que encerrou sua fala, aplaudida de pé, dizendo que “os auspícios da Academia Sueca hão de seguir o senhor Dylan em seu caminho a novos palcos.”

Dylan havia dito à Academia que não poderia comparecer à cerimônia por causa de outros compromissos. Ele se junta a um pequeno time de autores que não foram a Estocolmo receber a honraria, embora os demais ausentes tenham apresentado motivos de saúde ou fobia de avião para a ausência, entre eles Alice Munro, Doris Lessing, Harold Pinter e Elfriede Jelinek.

A família Obama está maravilhosa em seu cartão de Natal

czp_tphxcaaceemEste é o último Natal da família Obama na Casa Branca e, consequentemente, também a oitava e última vez em que Barack e Michelle protagonizam o aguardado “Christmas card” anual da presidência dos Estados Unidos. O de 2016 traz uma foto tirada em março, no Jantar de Estado oferecido ao primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, com o casal e suas duas filhas usando looks bastante elegantes.

obama-christmas-2-1-e1481377458294

Enquanto Barack aparece com seu smoking tradicional, Michelle brilha ao escolher o estilista Jason Wu, também canadense, em um vestido tomara que caia estampado. Malia e Sasha aparecem de Naeem Khan.

A Revista People mostrou a imagem original com a parte de trás do cartão, em que há a seguinte mensagem: “Enquanto nossa família reflete sobre os muitos anos felizes que passamos na Casa Branca, somos gratos pelos amigos que fizemos, a alegria que compartilhamos e pela bondade que recebemos. Desejamos a você e aos seus entes queridos uma temporada de festas alegre e um ano novo maravilhoso”. O cartão é assinado por Barack, Michelle, Malia, Sasha e os dois cães da família, Sunny e Bo.

Karlie Kloss coloca a mão na massa pra fazer um Natal em casa!

kksh

Em um vídeo especial de Natal, a Swarovski acompanha a top Karlie Kloss durante os preparativos pra uma festa em casa! Com muito bom-humor, a modelo aparece em uma espécie de passo-a-passo natalino que começa com acordar cedo, montar um look festivo, depois cozinhar (ou sair pra comprar a comida…), fazer a faxina e esperar os amigos – o que não dá muito certo! Vem ver por que no vídeo com Karlie, que é o rosto da campanha de outono-inverno 2016/17 da marca! É só apertar o play. [Lilian Pacce]

Demi Moore está namorando o ator Tobey Maguire, diz ‘Radar Online’

A atriz Demi Moore está namorando o ator Tobey Maguire. A informação foi revelada pelo site norte-americano Radar Online. As duas celebridades já haviam mantido um breve relacionamento em 2002, mas logo depois ela conheceu e acabou se casando com o ator Ashton Kutcher. O ex-intérprete do herói Homem-Aranha anunciou há pouco tempo o término de seu casamento de 9 anos com a designer Jennifer Meyer, com quem tem dois filhos.

“Os dois estão solteiros e perceberam que ainda gostavam bastante um do outro”, afirmou um contato da publicação próximo à atriz. Hoje com 54 anos, Moore é 13 anos mais velha do que Maguire, que tem 41 anos. A diferença de idade entre os dois é um pouco menor do que os 16 anos que separavam Moore de Ashton Kutcher.

“Ela ligou para ele há algumas semanas e não demorou para eles logo perceberem o clima. No começo foi tudo bem tranquilo, mas logo eles começaram a lembrar do bom período que passaram juntos e as coisas aconteceram a partir daí”, disse a fonte do site. “Ela ainda é sexy e muito atraente e o Tobey faz o estilo dela, jovem, esperto e brincalhão. Com certeza é mais do que uma simples pegação”.