Décor do dia: explosão de cores no hall de entrada

Inspiração uniu referências da Bauhaus com Marrocos, e um toque brasileiro para a decoração irreverente
POR PAULA JACOB | FOTOS DIVULGAÇÃO

Um hall de entrada precisa impactar, não é mesmo? Este ambiente, criado por Michell Lott para a Desconexo Design, mistura referências que, à primeira vista, podem parecer totalmente impossíveis de serem unidas, mas que no final dão um resultado para lá de original. “Confesso que foi um desafio misturar Bauhaus com Marrocos, mas a saída foi desconstruir a rigidez da escola alemã com referências da nova cena criativa marroquina”, explica Michell. O que pode ser visto, logo de cara, nos grafismos da parede: apesar de minimalista, deixa de lado o rigor da forma para dar lugar para uma intervenção à la hand made. A combinação de cores, por sua vez, surge da mescla da paleta primária da Bauhaus com o calor das cores de Marrocos – note que até o teto é colorido para garantir um mergulho intenso na atmosfera. Os móveis de linhas geométricas, por sua vez, enaltecem o design brasileiro com assinaturas que incluem Fetiche Design e Bruno Faucz. A luminária, única peça gringa, mimetiza com a cor da parede de um jeito único. Tons terrosos dosvasos de plantas e um toque ácido com um amarelo esverdeado tira o duo rosa e vinho da obviedade. “O legal deste hall de entrada é que ele é um prelúdio para uma decoração mais intensa no resto da casa. A ideia é criar um lugar imaginário, de refúgio, pra gente sentir bem no mundo louco de hoje”, finaliza Michell Lott. 

Anúncios

Amazon deve lançar anúncios em seu app para smartphone

Os anúncios em vídeo aparecerão no espaço em que são mostrados os resultados de uma pesquisa no aplicativo de compras

A Amazon é responsável por metade das vendas online nos Estados Unidos

A Amazon quer competir com Google e Facebook no mercado de anúncios digitais: a agência de notícias Bloomberg afirmou que a empresa deve começar a vender anúncios em vídeos no aplicativo de compras da Amazon para smartphone.

Segundo a reportagem, que conversou com fontes familiarizadas com o assunto, a gigante de tecnologia vem testando há meses os anúncios na plataforma iOS, da Apple. Além disso, um produto parecido deve ser lançado na plataforma Android, do Google, ainda este ano. 

Os anúncios aparecerão no espaço em que são mostrados os resultados de uma pesquisa no aplicativo de compras. O lugar é estratégico para atrair anunciantes, já que é mais certeiro atingir usuários que buscam comprar alguma coisa em um aplicativo do que atingir os usuários que navegam pelo Facebook e pelo YouTube. Os anunciantes terão que pagar US$ 35 mil para veicular os anúncios no aplicativo da Amazon por 60 dias.

De acordo com a Bloomberg, a Amazon é responsável por metade das vendas online nos Estados Unidos. A participação da empresa no mercado de anúncios digitais deve aumentar 2% em 2018, enquanto a do Google, líder do mercado deve diminuir 1%. 

A Amazon e o Google não comentaram o assunto. 

Atualmente, a Amazon reserva espaço do seu site para anúncios parecidos com outdoors, com logotipos de marcas e fotos dos produtos. A reportagem cita uma pesquisa da EMarketer que mostra que as marcas, no total, gastarão cerca de US$ 16 bilhões em anúncios em vídeos para smartphones este ano, um valor 23% maior do que gastaram em 2018. 

Emilia Clarke, de ‘Game of Thrones’, revela que teve dois aneurismas durante a série

Em artigo na The New Yorker, a atriz Emilia Clark, que interpreta Daenerys Targaryen em Game of Thrones’, escreveu sobre os dois aneurismas que teve durante as filmagens da série baseada em livros de George R. R. Martin
AP

Emilia Clarke. Photograph by Carlota Guerrero for The New Yorker

Atriz de Game of ThronesEmilia Clarke revelou nesta quinta, 21, que ela teve dois aneurismas, e duas cirurgias no cérebro, desde o início de Game of Thrones. Desconhecida antes desse papel, Emilia Clark tinha acabado de filmar sua primeira temporada como Daenerys Targaryen, a “Mãe dos Dragões”, na série da HBO,quando teve o primeiroaneurisma, em 2011, aos 24 anos, numa academia de ginástica em Londres. O segundo aneurisma foi em 2013, após a terceira temporada.

“Quando todos os meus sonhos de infâncias pareciam estar se tornando realidade, eu quase perdi minha mente e a minha vida”, escreveu em primeira pessoa no artigo publicado na The New Yorker. “Eu nunca contei essa história publicamente, mas agora é a hora.” Emilia Clarke disse que teve uma vida saudável, mas que estava sofrendo de estresse quando uma artéria estourou em seu cérebro. Muito disso veio de constantes perguntas em entrevistas coletivas sobre a nudez de sua personagem no primeiro episódio. “Eu sempre ouvia a mesma pergunta: ‘Você interpreta uma mulher tão forte, e ainda assim você tira a roupa. Por quê?”, ela escreve. “Na minha cabeça, eu respondia: ‘Quantos homens eu preciso matar para me provar?”

Ela disse que teve uma hemorragia subaracnoidea, que poderia facilmente ter sido fatal.  Ela não podia dizer seu nome completo por semanas depois do ocorrido. A segunda cirurgia, ainda mais invasiva e que envolveu abrir seu crânio, foi realizada após as filmagens da terceira temporada de Game of Thrones. “Parecia que eu tinha estado numa guerra ainda mais horrível que a de Daenerys”, ela escreveu.

“Deixei a cirurgia com um dreno saindo da minha cabeça. Partes do meu crânio foram substituídas por titânio. Hoje não dá para ver a cicatriz, mas eu não soube, naquela hora, que ela não seria visível.” E ela completa falando sobre a “preocupação constante de ter alguma perda sensorial ou cognitiva.” Emilia Clark se recuperou totalmente.

Courteney Cox grava vídeo em frente ao apartamento de ‘Friends’

‘Aluguel subiu 12 mil dólares’, brincou a atriz que interpretou Monica Geller no seriado

A atriz Courteney Cox, que interpreta Monica em ‘Friends’. Foto: Instagram/@courteneycoxofficial

Quase 15 anos após o fim de Friends, o seriado continua fazendo sucesso. Nesta quinta-feira, 21, os fãs se animaram ao ver uma publicação de Courteney Cox no Instagram. A atriz interpretou a personagem Monica Geller e gravou um vídeo em frente ao clássico apartamento onde morava na série.

Nas imagens, ela diz “boa noite, pessoal, estou indo para casa” e aparece em frente ao prédio de Nova York onde se passa todos os episódios. “Aquele em que meu aluguel subiu 12 mil dólares”, brinca sobre o aumento nos valores do local após o sucesso de Friends. Além disso, começa a frase com “aquele em que”, termo que inicia os nomes dos episódios.

Facebook expôs senhas de milhões de usuários a seus funcionários

De acordo com o Krebs on Security, que revelou o caso, entre 200 a 600 milhões de usuários foram afetados; empresa diz que notificará usuários atingidos

Mark Zuckerberg é presidente executivo do Facebook

*Atualizado às 16h25 para incluir comentários do Facebook

O Facebook expôs as senhas de milhões de usuários ao armazená-las em textos simples em seus servidores. As senhas não estavam criptografados, como deveriam, o que permitia que os funcionários da companhia tivessem acesso às informações.

A rede social confirmou a falha nesta quinta-feira, 21, em publicação em seu blog. De acordo com Brian Krebs, pesquisador de segurança independente que revelou o caso, entre 200 milhões a 600 milhões de usuários foram afetados, incluindo usuários do Instagram. O Facebook tem uma base de usuários com 2,7 bilhões de pessoas. 

A empresa afirmou que identificou e resolveu o problema em janeiro deste ano e que notificará os usuários que foram atingidos. Segundo o post do Facebook, serão avisados centenas de milhões de usuários do Facebook Lite, versão do app para celulares simples, dezenas de milhões do Facebook e e dezenas de milhares do Instagram – os números específicos para cada uma das categorias não foi revelado.  

Chama a atenção também por quanto tempo a brecha existiu: numa análise preliminar foram encontradas senhas criadas em 2012. 

O caso teria sido descoberto em uma investigação interna do Facebook, afirmou a empresa em seu blog, mas só foi tornada pública após a publicação do pesquisador Brian Krebs. A falha permitiu que senhas dos usuários ficassem visíveis para ao menos 20 mil funcionários do Facebook.

A rede social afirmou, entretanto, que não encontrou nenhuma evidência de que seus funcionários abusaram do acesso a essas senhas, embora cerca de 2 mil engenheiros e desenvolvedores da empresa tenham acessado os arquivos com as senhas.  

O Facebook diz que os dados também não foram acessados externamente e por isso não vai pedir que os usuários troquem suas senhas. “Essas senhas nunca estiveram visíveis para alguém fora do Facebook e não encontramos nenhuma evidência de abuso interno. Fizemos mudanças para evitar que problemas semelhantes voltem a acontecer e, como precaução, estamos notificando as pessoas cujas senhas foram armazenadas desta forma”, disse Pedro Canahuati, vice-presidente de engenharia, segurança e privacidade do Facebook, por meio de nota. 

Julia Roberts faz ‘O Retorno de Ben’ ser mais do que um filme sobre drogas

Com atuação impressionante da atriz, longa traz dilemas da maternidade e seus desafios
Sérgio Alpendre

O Retorno de Ben : Foto Julia Roberts, Lucas Hedges

Pouco tempo depois de “Querido Menino”, longa-metragem de Felix van Groeningen, chega aos cinemas brasileiros “O Retorno de Ben”, escrito e dirigido por Peter Hedges e com o mesmo tema: uma família às voltas com um filho viciado em drogas.

Ao contrário de Groeningen, que aposta na descontinuidade da ação para embaralhar as peças preguiçosamente e prejudicar a ótima interpretação de Steve Carell, Hedges aposta na narrativa linear e, com isso, o drama fica pungente.

Ben (Lucas Hedges, filho do diretor) volta para passar o Natal em casa, para a felicidade da mãe, Holly (Julia Roberts) e dos dois irmãos pequenos, filhos do segundo marido de Holly, mas para a desconfiança de sua irmã Ivy (Kathryn Newton), com quem divide os mesmos pai e mãe.

Ele volta de uma temporada numa clínica de recuperação, após quase ter morrido de overdose no Natal passado. Promete que está fora de perigo e que seu cuidador permitiu que ele estivesse lá.

Logo percebemos que o rapaz esconde alguma coisa, enquanto Neal (Courtney B. Vance), segundo marido de Holly, concorda com Ivy em achar que o retorno de Ben ocorreu cedo demais.

Aos poucos, percebemos, um pouco antes da mãe, que as coisas que Ben esconde têm relação com um passado terrível, motivado pelas drogas.

Saber o que mais ele esconde e se está mesmo sem consumir drogas há 77 dias, como diz, é o maior dos problemas de Holly e dos familiares. Até que, na antevéspera do Natal, após uma ida de toda a família à igreja, eles encontram a casa completamente revirada e percebem o sumiço do cachorrinho de estimação, que atende pelo nome de Ponce.

Ben sai pelas ruas geladas à procura de Ponce. Holly o persegue, descobrindo, aos poucos e com os espectadores, em que encrencas seu filho está metido.

Não totalmente bem-sucedido, pois o trabalho com a câmera poderia ser um pouco mais caprichado, o filme tem algumas coisas interessantes, sobretudo na interpretação de Julia Roberts, que cria uma Holly impressionante, ora neurótica, ora sensível.

Outro fator de interesse é a maneira como Ivy, a irmã, representa a consciência da família e do filme, aquela que controla o que deve ser informado e o que deve ficar para depois, quando se deve combater e quando se deve analisar os acontecimentos.

No balanço, ficamos suficientemente interessados na trama a ponto de nos envolver com os personagens —sobretudo com Holly, mais do que com Ben. 

Afinal, o filme não trata só do vício em drogas pesadas. Fala também da maternidade e de seus desafios.