Aplicativo WEAR promete virar a maior febre entre as brasileiras que amam moda

aplicativo-de-moda-wear

Para quem precisa de inspiração, existem inúmeros aplicativos de moda que ajudam – e muito – na hora de criar um look ou aprender como usar a tendência do momento. Completando essa biblioteca hi-tech, foi lançado por aqui um aplicativo que já faz muito sucesso no Japão, o WEAR.

O app, que promete se tornar o braço direito de fashionistas deste lado do globo, conquistou o cenário fashion oriental por ser muito mais do que uma simples rede social para colocar os seus looks. Nele, você pode subir uma foto de uma produção sua, tagear as marcas que está usando e colocar hashtags com as tendências que definem a sua produção. A partir daí, o trabalho é todo do próprio aplicativo: ele organiza os looks pelos mais populares e por tendência, de forma que você pode buscar tanto por uma usuária em particular, quanto por uma trend ou uma marca.

Você pode até mesmo procurar por peças específicas, como ‘top cropped florido H&M’, e descobrir como as pessoas estão usando esse modelo em particular e usar o app como um verdadeiro banco de dados para a próxima vez que você abrir o armário.

Além disso, um dos objetivos do app é ligar as suas usuárias a marcas indies, menos conhecidas, mas que têm um potencial incrível de sucesso no meio online, através de looks do dia e dicas de styling. No fundo, é uma ferramenta completíssima para quem precisa daquele empurrãozinho e dose de inspiração diária. Veja como funciona no vídeo abaixo. [Marcela De Mingo]

Anúncios

Donatelli inaugura a Lab.Donatelli e lança a coleção Kapulanas

clarisseromeiro_por_estudiogaragem_Fotor.jpg

A designer de estampas Clarisse Romeiro

Aproveitando a 5ª edição do São Paulo Design Weekend, a tradicional loja de tecidos Donatelli lança a Lab.Donatelli, nova marca do grupo, em um edifício de 800 m² na Vila Leopoldina, em São Paulo.

s- BRIESazul_FotorA loja propriamente dita ocupará o andar térreo e irá oferecer produtos de pronta entrega. Já no laboratório têxtil, o cliente poderá escolher os tecidos na metragem desejada e encomendar os serviços da própria marca para confeccionar almofadas, caixas revestidas, cúpulas de luminárias ou simplesmente usar sua própria criatividade e serviço. A Lab.Donatelli também venderá produtos pessoais como ecobags e necessaires, além de objetos para casa e pequenos móveis.

s- VISverde_FotorDurante a abertura, haverá o lançamento da coleção Kapulanas da designer de estampas Clarisse Romeiro, da Veredas Atelier, que assina os tecidos, papéis de parede, almofadas, bolsas, guarda-chuvas e lenços. Com temas relacionados à história e cultura brasileiras, ela já criou coleções em homenagem à mestres do Cariri Cearense, à influência da cultura africana no Brasil e ao poeta Manoel de Barros, entre outras. Para Clarisse, a estamparia é como uma porta para uma compreensão maior de cada tema.

s- GRAANazullaranja_Fotors- SONazullaranja_FotorSegundo a designer, as Kapulanas significam muito mais do que um simples tecido de algodão colorido, repleto de formas e imagens ousadas. Extremamente populares em toda a África, estes tecidos transmitem mensagens que vão além da estética e decoração, onde cada padrão corresponde a um nome, um provérbio ou uma ideia e que, quando vestidas, imprimem uma mensagem silenciosa a todos que a veem. Nesta coleção, as estampas criadas representam a relação do homem com os elementos da natureza, através dos padrões Grão, Peixe, Sol e Brisa.

Serviço
Lab.Donatelli
Rua Trípoli 180 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3641-2298
Site: http://www.donatelli.com.br

‘Passei anos no início da carreira sem falar com ninguém’, diz Karlie Kloss

karlie 1470228155561.jpg

Aos 24 anos, a supermodelo americana Karlie Kloss superou a timidez e se tornou um fenômeno com mais de 5,1 milhões de seguidores no Instagram. Foto: Divulgação

Karlie Kloss é uma ótima produtora de cookies veganos. Ah, sim, ela também é uma supermodelo, dona de contratos milionários com grandes marcas, que tem mais de 5,1 milhões de seguidores no Instagram. Mas em uma manhã recente de verão em Nova York estava mesmo interessada em vender seu peixe. Ou melhor, seus cookies: os Klossies, cujo lucro da venda é destinado a iniciativas de erradicação da fome no mundo. “Eles são saudáveis, sem açúcar nem farinha, além de deliciosos”, dizia, enquanto servia os doces ao pequeno grupo de jornalistas a sua volta. “Com as vendas, já conseguimos doar mais de um milhão de refeições. Tenho muito orgulho desse projeto!”

Definitivamente, Karlie não é uma modelo comum. Não apenas pela carinha de menina, o porte atlético e a altura impressionante até para uma top (ela tem 1,87 metros e parece ainda maior pessoalmente). Mas também pelo que faz longe das lentes das câmeras e das passarelas. Desde o ano passado, comanda o “Kode with Klossy”, em que meninas de 13 a 18 anos têm aulas de programação e aprendem a criar apps em duas semanas. A cada mês, o projeto ainda oferece uma bolsa de estudos em ciências da computação para mulheres na Flatiron School de Nova York, a mesma em que a própria Karlie estuda o tema.

“Antes da minha primeira aula, eu mesma achava a ideia de que dava para construir algo com códigos impossível. Mas depois de algum tempo, eu e meus colegas estávamos programando um pequeno drone”, contou. “Entendi que códigos de computação estão ligados à criatividade, assim como arte e moda, e que mulheres com essa habilidade têm o poder para mudar o futuro.” Aos 24 anos, completados nesta quarta-feira, 3, nascida em Chicago e criada em St. Louis, Karlie cresceu cercada de mulheres: é a segunda de quatro irmãs, filhas de uma artista gráfica e um médico.

Ela atribui à família unida o fato de nunca deixar o sucesso subir à cabeça, ainda que viva cercada por paparazzi e por amigas conhecidas no mundo todo – seu esquadrão de BFFs é formado por Taylor Swift, Gigi Hadid e Cara Delevingne, entre outras. “Imagina chegar em casa com minha mãe e minhas irmãs e ter atitude de estrela? Não dá”, disse, durante entrevista em Nova York para lançar o novo perfume da marca Carolina Herrera, Good Girl, do qual é garota propaganda em uma campanha supersexy. Sobre ser uma boa menina, beleza, carreira e timidez, ela fala a seguir.

A Carolina Herrera foi uma das primeiras grifes para a qual desfilou, certo? O que lembra desse início?
Eu tinha 15 anos, era fevereiro de 2009, minha primeira temporada de desfiles em Nova York. A sra. Herrera me chamou para o casting. Eu estava bem nervosa. Era uma menina e muito tímida. Acho que não falei nada quando a encontrei. Na verdade, acho que passei anos no início da carreira sem falar com ninguém. Eu apenas entrava, colocava a roupa e andava. Mas lembro que senti uma energia incrível com a sra. Herrera. Na prova de roupa, comecei a desfilar e as pessoas da equipe aplaudiram. Não é algo normal nesta indústria. Na noite antes do show, recebi uma ligação do meu agente dizendo que eu abriria e fecharia o desfile. Estava num apartamento que minha mãe havia alugado para a semana e só conseguia chorar. Para uma modelo iniciante, isso é muito importante. Mal conseguia acreditar.

A campanha do perfume fala muito sobre a dualidade da mulher, que traz o bom e o mal dentro de si. Qual lado você prefere?
Acho que a mistura é o que faz as pessoas interessantes. É mais sexy quando uma mulher consegue ser os dois, pois é inesperado. A combinacão nas doses certas faz a diferença. É bom ser inteligente, esperta, ligada… Estar à frente, no comando do próprio jogo. E também conseguir se divertir, sair com as amigas… É uma questão de equilíbrio.
Você tem vontade de investir na carreira de atriz?
Talvez. Eu jamais imaginaria que estaria sentada aqui há alguns anos, então quem sabe o que farei no futuro? Gosto muito de ser parte de uma história, de ajudar a contá-la. É mais fácil estar em frente à câmera contando uma história, ainda que seja sem falar nada. Se bem que não sei se conseguiria decorar um texto! Mas adoro usar a emoção no meu trabalho. Então qualquer oportunidade de explorar esse lado e poder me expressar eu aproveito.
Como no clipe de Bad Blood, da sua amiga Taylor Swift.
Sim! Quem sabe? Atuar está, sim, no meu radar.
Você é considerada uma das mulheres mais bonitas do mundo. É muito vaidosa?
Minha filosofia é fazer o possível para me sentir bem comigo mesma. É preciso ter consciência de que você parece melhor quando está melhor. A beleza vem de dentro para fora.
E quais são seus cuidados?
No meu dia a dia, uso BB cream, corretivo e só. Tento cuidar muito da pele, pois viajo bastante e tenho tido um pouco de acne. Ontem, por exemplo, apliquei uma máscara e hoje, quando acordei, senti que minha pele estava melhor. Acho que é mais manutencão e cuidar bem de si mesma. Faço exercícios que adoro. E adoro experimentar novos produtos. Cresci em uma casa com mais três irmãs, eram quatro meninas sem contar a minha mãe. Sempre vivi cercada de mulheres e produtos de beleza. Até hoje, quando sinto o cheiro do spray Elnett, lembro da minha mãe que o usava. Há algo emocional na forma como lido com os produtos de beleza. Há uma conexão. Certos cheiros me lembram a minha avó, que já faleceu. Acho que beleza está ligada à memória.
Mesmo com tantos seguidores no Instagram, campanhas e eventos glamourosos, de perto você parece muito pé no chão. Como faz para o sucesso não subir à cabeça?
Eu realmente amo o que faço e o que tenho a oportunidade de fazer com meu trabalho. E meu trabalho tem esse lado do glamour. No estúdio, visto o personagem, viro a mulher sexy que faz caras e bocas. Ou então às vezes saio na rua e um paparazzi está me fotografando. Mas nada disso muda a forma como eu sou nem transforma minha essência. E espero que nunca mude. Até porque minha família me mataria! Sou muito próxima a eles. Imagina chegar em casa com minha mãe e minhas irmãs e ter atitude de estrela? Não dá. Giovana Romani –  O Estado De S.Paulo

Bulgari exibe joias usadas por divas de Hollywood em exposição na Austrália

bulgari-at-the-ngv_15Elizabeth Taylor usando joias Bulgari em 1963 (Foto: Reprodução)


Algumas das joias mais incríveis e preciosas da história da Bulgari estarão na National Gallery of Victoria, em Melbourne, na Austrália, entre os dias 30.11 e 29.01.17, durante a exposição Italian Jewels: Bulgari Style. Por lá, mais de 80 peças usadas por divas como Elizabeth Taylor, Grace Kelly, Anita Ekberg, Gina Lollobrigida, Claudia Cardinale, Sophia Loren, Keira Knightley e Claudia Schiffer.

“Abrangendo da década de 1930 até os ias atuais, as joias ilustram um forte legado de design e a nossa evolução estética, muito relacionada à história da Itália e as tradições artesanais”, declarou ao WWD Lucia Boscaini, curadora de marca e patrimônio da Bulgari. Esta será a primeira exposição realizada por uma joalheria de luxo no museu australiano.

National Gallery of Victoria: 180 St Kilda Rd, Melbourne VIC 3006, Austrália

Estampas têxteis nos móveis Kartell por Lapo Elkann

kartell-tamanho

Lapo Elkann levou os tecidos das roupas para a superfície dos móveis na sua coleção com a Kartell || Créditos: Reprodução
As peças icônicas da Kartell – empresa italiana de itens de decoração – ganharam toques especiais pelas mãos de Lapo Elkann, um dos herdeiros da Fiat. Ele reinterpretou alguns móveis, como mesas e cadeiras de Philippe Starck, com exclusividade para a semana de design Milão deste ano. A coleção em edição limitada traz padronagens têxteis, tais como quadriculado, listras, tartan e o famoso pied de coq. As peças estão disponíveis na flagship da Kartell em Milão.

Arquitetura I Vazio S/A exalta o Cerrado, com casa em Moeda, MG

arq_82415

O Vazio S/A, escritório de arquitetura mineiro, liderado por Carlos Teixeira, faz exaltação ao cerrado, o segundo bioma brasileiro e da América do Sul, com cerca de 1,5 milhão de quilômetros quadrados – dos quais mais de 60% já foram devastados nos últimos anos. É a Casa Cerrado. Uma residência, em concreto aparente, de área construída bruta de 320m2 e fechada de 142m2. Construída no sopé da Serra da Moeda (MG), conta com terraço, piscina e mirante no último andar, de onde é possível contemplar as colinas do Cerrado. O acesso a este terceiro andar se dá pela escada externa. Bia Villarinho 

Advertising I Chipotle critica a industrialização da comida em mais uma linda animação

“A Love Story” traz “I Want It That Way” do Backstreet Boys na voz de Brittany Howard do Alabama Shakes e Jim James do My Morning Jacket
por Carlos Merigo

Na publicidade, a rede Chipotle é um case de sucesso. Além dos milhões de visualizações e compartilhamentos, as duas animação já lançadas pela empresa ganharam Grand Prix em Cannes Lions.Começou em 2012, com o curta “Back To The Start”. A marca explorava pela primeira vez em campanha a opção inteligente por produtos locais e orgânicos, se colocando como uma voz contrária ao processo cruel de industrialização da comida.

Acompanhado de uma bela versão de “The Scientist” do Coldplay na voz de Willie Nelson, a animação ganhou GP de Film naquele ano.

No ano seguinte, em 2013, repetiram a dose com “The Scarecrow”, que incluiu um jogo para smartphones. Na trilha, “Pure Imagination” na voz de Fiona Apple. Desta vez, a campanha ganhou GP de PR no festival.

Acontece que no mundo real – fora da magia da publicidade – Chipotle passou por uma crise quase devastadora. Um surto de intoxicação alimentar, causada pela bactéria E. coli, fez com que diversas lojas nos Estados Unidos fossem fechadas. As vendas caíram 30% e a receita foi 23.4% menor no último quadrimestre em relação ao mesmo período do ano passado.

Depois de muitas explicações (a causa do surto não foi identificada), desculpas e promoções de burritos grátis, a rede parece começar a recuperar fôlego, e o otimismo vem acompanhado de uma nova campanha – uma espécie de mea culpa – que novamente explora as raízes e a crença da empresa.chip2“A Love Story” mostra duas barraquinhas de suco administradas por crianças. Ivan vende suco de laranja, já Evie vende limonada. É um caso de rivalidade à primeira vista. Conforme a concorrência se acirra, os negócios começam a crescer indiscriminadamente, até transformar a vida do casal.

Para não perder a tradição, a trilha sonora também é destaque. “I Want It That Way” do Backstreet Boys é interpretada por Brittany Howard do Alabama Shakes e Jim James do My Morning Jacket.

A criação é mais uma vez da Creative Artists Agency, com produção daPassion Pictures (a mesma responsável pelo curta premiado “Justino”). A direção é de Saschka Unseld, um ex-animador da Pixar, que atualmente trabalha como diretor de criação do estúdio de conteúdo do Oculus Rift.chip3