Nudes no red carpet: tons de pele são aposta das celebs para as unhas em Cannes

esmalte-nude-cannes-abre-1-1
Esmalte nude é opção versátil que vai do trabalho ao red carpet (Foto: Getty Images)

No tapete vermelho de Cannes, uma tendência fala mais alto para os olhos atentos: os nudes – e não estamos falando da turma de celebs que optou por vestidos transparentes e sem forro. A cor, que nada mais é que um tom de pele, foi escolhida por muitas das fashionistas para colorir as unhas nesta edição do Festival, provando que, embora sóbria, é uma opção muito acertada para momentos de festa.

Modelos como Bella Hadid e Jourdan Dunn, além da atriz Kristen Stewart, foram algumas que coordenaram as unhas clarinhas com looks cool, sexy, românticos e formais, mostrando toda a versatilidade que o esmalte oferece. Quer entrar na onda? Veja nossa seleção de frasquinhos e inspire-se nos looks das convidadas. Anita Porfirio

Esmalte Nude - Cannes (Foto: Getty Images e Reprodução)1- Grão de Arroz, da Risqué (R$ 3); 2- Samoan Sand, da O.P.I. (R$ 40); 3- Funny Girl, da Marc Jacobs (R$ 139); 4- Be Beige, da Maybelline (R$ 11) (Foto: Getty Images e Reprodução)
Esmalte Nude - Cannes (Foto: Getty Images e Reprodução)1- Gray Suede, da Revlon (R$ 15); 2- Coffee Shop, da Ana Hickmann (R$ 3); 3 – Grège, da Dior (R$ 139); 4- Escolho Você, da Sandy para Impala (R$ 3) (Foto: Getty Images e Reprodução)
Anúncios

Pop I Yoko Ono, de 83 anos, fala sobre livros, suas impressões a respeito do sucesso e por que não aceita conselhos

yoko-ono-gallery-1443025269-pirelli-yoko-ono-e1448991251157
por David Browne

Aos 83 anos, Yoko Ono fala sobre livros, suas impressões a respeito do sucesso e por que não aceita conselhos.

Quem são seus heróis?
Essa é fácil – meu marido, John Lennon. Foi a única pessoa que me aguentou. É difícil um homem entender o que as mulheres estão pensando. A maioria deles nem escuta. Ele era muito vanguardista nesse sentido. Mergulhou de verdade no feminismo. Perguntava: “Você pode encontrar grupos feministas para mim?” Mesmo hoje, não acho que os homens se juntem e digam “Vamos ser feministas”.

Você tem uma cidade preferida?
Amo todas as cidades em que estive, mas Liverpool é ótima. John e eu íamos para lá visitar os parentes. As pessoas ali têm um espírito
muito forte, especialmente as mulheres. Eu não diria que são da classe trabalhadora – acho que não gostariam que eu as rotulasse dessa forma –, mas têm uma mentalidade de classe trabalhadora, uma força e uma sabedoria.

Que tipo de música ainda a move?
A música indiana é incrível. A música cigana é fantástica. Toda a música do Oriente Médio é muito forte. John e eu amávamos canções folk de diferentes países – o ritmo e as harmonias são muito, muito diferentes. Não poderia responder, sabe, “Be-Bop-a-Lula”.

O que você acha que John pensaria das redes sociais?
John sentia que algo como as redes sociais surgiria. Ele já estava fazendo algo do tipo, na verdade. Quando alguém dizia algo de que ele não gostava, mandava uma carta: “Não é verdade!” Ele nunca ignorava essas comunicações.

Você segue um programa de exercícios?
Caminho. Andar é uma maneira ótima de relaxar. Sei que pode ser perigoso, mas nem penso nisso. Talvez eu seja a única. Pouquíssimas pessoas famosas caminham. Elas desapareceram. É esse tipo de mundo. Triste, não?

Qual é o melhor conselho que recebeu?
Não aceito conselhos. Minha história de vida é muito diferente, então é muito difícil para as pessoas me aconselharem. Meus pais eram muito liberais e faziam questão que eu tivesse minhas próprias opiniões. O que as outras pessoas pensam é delas e o que penso é meu. Não há razão para escutar. E, até agora, tem funcionado.

Você recebeu conselhos sobre gravar discos de uma determinada maneira?
Gravo discos da minha determinada maneira.

Qual a lembrança preferida de seu amigo David Bowie?
Ele era uma das pouquíssimas pessoas que gostavam do meu trabalho. Acho que disse algo sobre minha música na [caixa de 1992] Onobox que foi muito bonito. Na época, ninguém se importava e ele foi corajoso em dizer algo.

Que livros está lendo agora?
Normalmente leio três livros ao mesmo tempo. Um deles é As Sete Leis Espirituais do Sucesso [de Deepak Chopra]. Ele finge ser sobre o sucesso para que as pessoas digam “quero ler isso!”, mas na verdade faz uma pensata muito boa sobre como você pode ser bem-sucedido espiritualmente. Amo livros em papel. Ainda não consigo sair disso.

Já pensou em escrever uma autobiografia?
Não. Seria algo muito complicado. Fico preocupada com o fato de poder escrever algo que faça algumas pessoas se sentirem mal, embora talvez elas tenham sido más. Penso nos filhos e nas esposas e não quero magoar ninguém. Então, o livro seria bem… chato [risos].

Qual é a melhor parte do sucesso?
Bom, não sei, porque ainda não sou bem-sucedida. Não temos a paz mundial.

Essa é sua medida para o sucesso?
É uma das coisas importantes para mim.

Em novembro fará 50 anos que você conheceu John, quando ele foi à sua exposição em uma galeria em Londres. Lá havia uma lupa pela qual ele olhou e enxergou a palavra “Sim”. O que essa obra significa para você agora?
Na época, minha vida era muito difícil. Falei: “Bom, quero mudar isso”. E esse foi um letreiro que dizia “sim” em vez de “não”. Aquilo me salvou.

Novo edifício comercial em Genebra surpreende pela arquitetura

jti-headquarters-japan-tabacco-international-som-commercial-office-geneva-switzerland-hufton-crow-photography_dezeen_936_7

Uma fachada com triângulos de vidro e um enorme pátio central são os destaques da nova sede da empresa Japan Tobacco International em Genebra, na Suíça.

O projeto de arquitetura é assinado pelos profissionais do escritório SOM. Eles criaram um edifício de nove andares com espaço para mil e duzentos funcionários.

O prédio tem um desenho cheio de ângulos, com os cantos elevados e foi inspirado pela forma triangular do local. Ao elevar os cantos, um pátio interno foi esculpido e ele funciona como um refúgio para os funcionários e para a comunidade local.

No interior, um plano aberto com o menor número possível de colunas, com um projeto inspirado pela cultura do escritório colaborativo. São 31 áreas de trabalho, 66 salas de reuniões e 23 estações de café. Fotos Hufton + Crow

A nova linha de azulejos de Barber & Osgerby

barber-osgerby-mutina-1-1024x731.jpg

De seu estúdio em Londres, os designers Barber & Osgerby criaram uma coleção de azulejos com estampa geométrica em parceria com a empresa italiana Mutina.

Intitulada Puzzle, a coleção tem diferentes desenhos que quando combinado criam composições únicas.

Os desenhos de semicírculo, triângulo e retângulo estampam os azulejos quadrados e quando combinados criam padrões geométricos que lembram um mapa abstrato. Isso influenciou a escolha dos nomes para as oito cores disponíveis.

Cada modelo ganhou o nome de uma ilha europeia. As cores mais neutras representam as ilhas do norte, como Faroe, Gotland e Aland. Já os tons mais quentes foram associados às ilhas mediterrâneas de Creta, Milos e Murano. [Arkpad]

Residência em quatro blocos no México

casa-mk-roof-morelia-mexico-house-retina_dezeen_936_15O escritório Roof Arquitectos projetou essa residência no México que fica em torno de uma plantação de carvalho.

Os arquitetos tiveram liberdade criativa para criar essa residência dividida em quatro blocos com paredes brancas, aberturas panorâmicas que enquadram a vista da paisagem ao redor.

O primeiro e maior dos quatro volumes contém uma cozinha, despensa, um terraço, um quarto de hóspedes e uma sala de estudos. O segundo bloco abriga três quartos, com maior privacidade, e uma sala de TV. O terceiro bloco é um corredor com uma janela alongada e o quarto e menor volume contém banheiros que podem ser acessados do pátio.

Os pisos da casa, tanto os interiores, quanto os do pátio externo, são de madeira escura, que contrasta com as paredes brancas e acaba criando uma continuidade entre os espaços interiores e exteriores. Fotos Vinicio Herrera and Mariano Rentería

Apartamento parisiense

hubert-septembre-apartment-renovation-paris_dezeen_1568_4-1024x731.jpg

O apartamento de 60 metros quadrados em Paris passou por uma reforma e ganhou um novo layout. O projeto leva assinatura do escritório francês September.

Anteriormente esse apartamento, de um casal sem filhos, tinha o interior bem repartido, o que comprometia um melhor uso de seu espaço. Com o novo projeto, os arquitetos optaram por remover algumas paredes e vigas desnecessárias para criar um espaço amplo e conectado.

Algumas paredes foram derrubadas e, com isso, descobriram um encanamento da cozinha que não podia ser removido. Ele foi pintado de branco e acabou sendo inserido ao projeto. O imóvel também ganhou novos revestimentos, como os pisos de madeira e concreto, e os azulejos hexagonais do banheiro.

Os quartos estão conectados por um corredor que se estende por todo o imóvel. As portas deslizantes podem ser abertas e fechadas ampliando ou reduzindo o espaço e a incidência de luz no ambiente. [arkpad]

Casa-galeria no Japão

gaze-residential-art-gallery-apollo-architects-associates-aichi-japan-masao-nishikawa_dezeen_1568_0-1024x731.jpg

A Gaze House, localizada no Japão, tem uma galeria de arte para exibir ao público a coleção particular do cliente. O novo edifício localizado ao sul de Nagoya foi projetado pelo escritório Apollo Architects & Associates.
Com 125 metros quadrados, o edifício parece uma pilha de três blocos. O primeiro, revestido de vidro e concreto, e os outros dois superiores, de metal, o que criou um contraste entre eles.
No nível mais baixo fica a pequena galeria de arte contemporânea e nos andares superiores, os espaços privativos da residência. Na galeria, as superfícies de concreto do teto, parede e piso ficam aparentes em todo o espaço expositivo.
Já na casa, destaque para uma escada de aço com degraus de madeira. O layout é aberto com salas de estar e cozinha integradas. O mobiliário segue uma paleta de tons neutros e monocromáticos.