Globo de Ouro divulga lista completa de indicados para 2020

Longa de Karim Aïnouz ficou de fora da premiação; ‘O Irlandês’, ‘Coringa’ e ‘Dois Papas’ disputam o prêmio pela categoria de Melhor Filme de Drama

Robert De Niro e Al Pacino em cena de O Irlandês (2019) (Foto: Reprodução)

Globo de Ouro, importante premiação de Hollywood que reconhece os melhores do cinema e da televisão, divulgou nesta segunda, 09, a lista completa dos indicados ao prêmio. Na liderança está o filme História de Um Casamento, da Netflix, que concorre em seis categorias. A cerimônia está marcada para o dia 5 de janeiro e irá contar com a apresentação de Ricky Gervais.

Ao todo, serão apresentadas 25 categorias, 14 apenas para o cinema e outras 11 para a televisão. Entre os indicados se destacam O Irlandês, de Martin ScorseseCoringa, de Todd Phillips e Dois Papas, do brasileiro Fernando Meirelles. Todos concorrem na categoria de Melhor Filme de Drama. Já Era Uma Vez em Hollywood, de Quentin Tarantino e Meu Nome é Dolemite, com Eddie Murphy estão entre os melhores de comédia.

O longa de Karim AïnouzA Vida Invisível, grande aposta como representante do cinema brasileiro na categoria de Melhor Filme Estrangeiro, ficou de fora da lista. Nas duas categorias de Melhor Série (drama e comédia), estão The Crown e Fleabag.

Joaquin Phoenix vai disputar o prêmio de Melhor Ator de Drama com Christian Bale, enquanto que na categoria de Melhor Ator de Comédia estão Leonardo DiCaprio e Eddie MurphyScarlett Johansson e Charlize Theron disputam o prêmio de Melhor Atriz de Drama. Já em Melhor Atriz de Comédia estão Emma Thompson e Cate Blanchett.

A premiação vai ocorrer no Beverly Hilton, em Beverly Hills. Gervais, comediante britânico que criou a série The Office, vai apresentar o prêmio pela quarta, e última vez, conforme já disse anteriormente em entrevistas. 

Confira a lista completa dos indicados ao Globo de Ouro 2020 logo abaixo:

Cinema

Melhor filme de drama
1917
O irlandês
Coringa
História de um casamento
Dois papas

Melhor filme de comédia
Meu nome é Dolemite
Jojo Rabbit
Entre facas e segredos
Era uma vez em Hollywood
Rocketman

Melhor direção
Bong Joon Ho, Parasita
Sam Mendes, 1917
Quentin Tarantino, Era uma vez em Hollywood
Martin Scorsese, O Irlandês
Todd Phillips, Coringa

Melhor atriz de drama
Cynthio Erivo, Harriet
Scarlett Johansson, História de um casamento
Soarise Ronana, Adoráveis mulheres
Charlize Theron, O escândalo
Renee Zellweger, Judy

Melhor ator de drama
Christian Bale, Ford v. Ferrari
Antonio Banderas, Dor e glória
Adam Driver, História de um casamento
Joaquin Phoenix, Coringa
Jonathan Pryce, Dois papas

Melhor atriz de comédia
Awkwafina, The Farewell
Ana de Armas, Entre facas e segredos
Beanie Feldstein, Fora de série
Emma Thompson, Late Night
Cate Blanchett, Cadê Você, Bernadette?

Melhor ator de comédia
Daniel Craig, Entre facas e segredos
Roman Griffin Davis, Jojo Rabbit
Leonardo DiCaprio, Era uma vez em Hollywood…
Taron Egerton, Rocketman
Eddie Murphy, Meu nome é Dolemite

Melhor atriz coadjuvante
Annette Benning, O relatório
Margot Robbie, O escândalo
Jennifer Lopez, As golpistas
Kathy Bates, Richard Jewell
Laura Dern, História de um casamento

Melhor ator coadjuvante
Tom Hanks, Um lindo dia na vizinhança
Al Pacino, O Irlandês
Joe Pesci, O Irlandês
Brad Pitt, Era uma vez em Hollywood…
Anthony Hopkins, Dois Papas

Melhor trilha sonora
Brooklyn – Sem pai nem mãe
Adoráveis Mulheres
Coringa
1917
História de um casamento

Melhor canção
Beautiful Ghosts – CATS
I’m Gonna Love Me Again – Rocketman
Into the Unknown – Frozen 2
Spirit – Rei Leão
Stand Up – Harriet

Melhor roteiro
História de um casamento
Parasita
Dois Papas
Era uma vez em Hollywood
O Irlandês

Melhor filme estrangeiro
The Farewell
Les Misérables
Dor e Glória
Parasita
Retrato de uma jovem em chamas

Melhor animação
Frozen 2
Rei Leão
Link Perdido
Toy Story 4
Como treinar o seu dragão 3

Televisão
Melhor série – Drama
Big Little Lies
The Crown
Killing Eve
The Morning Show
Succession

Melhor série – Musical ou Comédia
Barry
Fleabag
The Kominsky Method
The Marvelous Mrs. Maisel
The Politician

Melhor série limitada ou filme para TV
Catch-22
Chernobyl
Fosse/Verdon
The Loudest Voice
Unbelievable

Melhor ator em série limitada ou filme para TV
Christopher Abbott, Catch-22
Sacha Baron Cohen, The Spy
Russell Crowe, The Loudest Voice
Jared Harris, Chernobyl
Sam Rockwell, Fosse/Verdon

Melhor atriz em série limitada ou filme para TV
Kaitlyn Dever, Unbelievable
Joey King, The Act
Helen Mirren, Catarina, A Grande
Merritt Wever, Unbelievable
Michelle Williams, Fosse/Verdon

Melhor ator coadjuvante em série, série limitada ou filme para TV
Alan Arkin, The Kominsky Method
Kieran Culkin, Succession
Andrew Scott, Fleabag
Stellan Skarsgård, Chernobyl
Henry Winkler, Barry

Melhor atriz coadjuvante em série, série limitada ou filme para TV
Patricia Arquette, The Act
Helena Bonham Carter, The Crown
Toni Collette, Unbelievable
Meryl Streep, Big Little Lies
Emily Watson, Chernobyl

Melhor ator em série de TV – Musical ou Comédia
Michael Douglas, The Kominsky Method
Bill Hader, Barry
Ben Platt, The Politician
Paul Rudd, Living with Yourself
Ramy Youssef, Ramy

Melhor atriz em série de TV – Musical ou Comédia
Christina Applegate, Dead to Me
Rachel Brosnahan, The Marvelous Mrs. Maisel
Kirsten Dunst, On Becoming a God in Central Florida
Natasha Lyonne, Russian Doll
Phoebe Waller-Bridge, Fleabag

Melhor atriz em série de TV – Drama
Jennifer Aniston, The Morning Show
Olivia Colman, The Crown
Jodie Comer, Killing Eve
Nicole Kidman, Big Little Lies
Reese Witherspoon, Big Little Lies

Melhor ator em série de TV – Drama
Brian Cox, Succession
Kit Harington, Game of Thrones
Rami Malek, Mr. Robot
Tobias Menzies, The Crown
Billy Porter, Pose

A CCXP 2019 foi das minas

As mulheres foram protagonistas na sexta e maior edição do festival geek em São Paulo
BEATRIZ AMENDOLA, FELIPE PINHEIRO, GUILHERME MACHADO, RENATA NOGUEIRA E LEONARDO RODRIGUES DO UOL, EM SÃO PAULO

Daisy Ridley, Gal Gadot , Margot Robbie

A total entrega do público – 280 mil em 2019 – diante de Margot Robbie e suas colegas de elenco de Aves de Rapina, no primeiro dia desta CCXP 2019, deu o tom do que viria pelos três dias seguintes: um evento que foi dominado pelas mulheres do começo ao fim – com um encerramento apoteótico que trouxe a atriz Gal Gadot e a diretora Patty Jenkins para a estreia mundial do trailer de Mulher-Maravilha 1984.

Do chão da feira – onde circulavam muitas Arlequinas, Mulheres-Maravilha, Reys e Viúvas Negras em meio a atrações gigantescas dedicadas a seus filmes – aos painéis, que contaram também com as presenças Daisy Ridley (a Rey de Star Wars), Alba Flores e Esther Acebo (a Nairóbi e a Estocolmo de La Casa de Papel), as minas foram as grandes estrelas de um dos maiores eventos geek do mundo. Os dias de “clube do bolinha” ficaram mesmo para trás.

Girl Power do começo ao fim

Mensagens de força e empoderamento foram constantes durante os painéis da CCXP. Produtora e grande estrela de Aves de Rapina, Arlequina e Sua Emancipação Fantabulosa, Margot Robbie trouxe para a CCXP os minutos iniciais do longa, que mostram a anti-heroína lutando para estabelecer sua própria independência após terminar seu relacionamento nada saudável com o Coringa. E aproveitou para mandar um recado daqueles.

O feminismo não é só para as mulheres. O feminismo é para os caras também.

Esther Acebo comemorou o protagonismo dado às mulheres na terceira parte de La Casa de Papel, e adiantou que essa tendência vai se manter na quarta temporada, que estreia em 2020. “As mulheres no mundo e na vida estão fazendo suas coisas, e não apenas acompanhando os homens. É incrível poder ajudar nesta luta, mesmo que um pouquinho, com a Estocolmo, que é mulher, mãe e está trabalhando pelo assalto como qualquer outro no grupo”, disse a atriz espanhola.

Alba Flores, por sua vez, vestiu um xale onde se lia, em inglês, “meu corpo, minhas escolhas”. Darko Peric, o Helsinki, fez coro às colegas, lembrando uma frase famosa de Nairóbi: “O matriarcado está aqui”.

Consumidor paga mensalidade para ter acesso a guarda-roupa coletivo

Compartilhamento de peças atrai quem busca renovar o estilo sem prejudicar o ambiente
Carolina Moraes

Flávia Nestrovski, uma das sócias da Roupateca, em Pinheiros, na zona oeste de SP
Flávia Nestrovski, uma das sócias da Roupateca, em Pinheiros, na zona oeste de SP – Bruno Santos/Folhapress

Impulsionadas pelo consumo sustentável, lojas físicas e virtuais apostam em um modelo de negócio que trata o vestuário como serviço, não como mercadoria.

A proposta desses negócios é funcionar como um grande guarda-roupa compartilhado. Ao pagar uma assinatura mensal, o cliente leva para casa peças do acervo por um período estabelecido.

Essas empresas buscam atender a um público que quer sempre renovar o estilo, sem que isso pese tanto no bolso —ou na consciência.

Pioneira no setor, a Roupateca foi criada em 2015 pela dupla Flávia Nestrovski e Daniela Ribeiro. O acervo da marca, no bairro de Pinheiros (zona oeste de São Paulo), reúne 1.500 peças, entre roupa e acessórios. Neste ano, passou a oferecer uma linha plus size.

A assinatura mensal mais barata custa R$ 100 e dá direito a retirar um item por vez, que deve ser devolvido na loja em até 15 dias. Mas, durante esse mês, a cliente pode trocar de peça quantas vezes quiser.

No plano mais caro, de R$ 450, é possível alugar até sete produtos ao mesmo tempo. Há ainda as modalidades feitas em parceria com estilistas, caso de Flavia Aranha e de Thais Farage.

Neste ano, o número de assinantes dobrou em relação a 2018. Com o crescimento do negócio, as sócias pretendem lançar uma plataforma digital, com entrega em domicílio, até o fim de 2020.

“Quando começamos, falar em compartilhamento de roupa gerava estranhamento. Hoje, a gente sente que esse tema está sendo cada vez mais discutido e que as pessoas estão aceitando melhor a ideia”, afirma Flavia. 

Para ter sucesso nesse tipo de empreendimento, é importante investir em um acervo diversificado, que seja renovado sempre. O conjunto de peças deve ser bem pensado para atingir o público-alvo, afirma a empresária.

Também nesse segmento, a HOTD surgiu em 2018 para atender jovens das classes C e D que vivem na Grande São Paulo. 

As mensalidades custam a partir de R$ 59,90 —valor que permite receber em casa três peças por semana. Os assinantes escolhem as roupas pelo site da marca, que tem 1.200 itens disponíveis, tanto femininos quanto masculinos.

Todos foram comprados em outlets. Periodicamente, o acervo ganha novas peças —a partir de janeiro, serão mais de cem por mês.

A empresa recebeu um investimento inicial de R$ 60 mil, dividido entre os três sócios. Eles optaram também por captar recursos em programas de aceleração e prêmios.

A marca deve fechar o ano com cerca de cem assinantes, segundo Carlos Alberto, diretor-executivo. A meta para 2020 é chegar a 2.000 clientes e expandir o serviço para as regiões metropolitanas do Sudeste e do Sul do país, mantendo-se no ambiente digital.

Criada neste ano, a Ustyle também funciona em uma plataforma online, mas aposta em marcas conceituadas da moda brasileira, como Lilly Sarti e Wymann Rio. 

Para abrir a empresa, as três sócias fizeram investimento de R$ 200 mil. Os planos, que variam de R$ 299 a R$ 499, dão um crédito mensal aos assinantes. 

Cada peça é avaliada com um preço. O consumidor pode escolher os itens pelo site ou receber uma caixa surpresa, com uma seleção feita por uma personal stylist. Ao fim da locação, de 20 dias, a empresa faz a retirada na casa do cliente.

Hoje, a Ustyle atua na Grande São Paulo e em São José do Rio Preto. O próximo passo é ampliar a operação para mais cidades do estado, afirma Elisa Melo, uma das sócias. 

Jéssica Caballero Lopes, Elisa Fernandes de Melo e Beatriz von Hertwig Salles, fundadoras da UStyle Divulgação

Outro projeto é abrir uma loja física para atender à demanda dos consumidores. Muitos deles dizem que gostariam de poder ver e experimentar as peças, ainda mais por serem usadas.

Essa, aliás, é a maior resistência a esse tipo de negócio. Um terço dos brasileiros rejeita o uso de roupas compartilhadas, segundo uma pesquisa realizada neste ano pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas.

Para 39% desses entrevistados, o que mais incomoda é a sensação de dividir com alguém um objeto pessoal. 

No entanto, o estudo, que ouviu 837 pessoas nas 27 capitais, também aponta que 33% dos respondentes afirmam alugar ou compartilhar itens de vestuário.

Mauricio Salvador, presidente da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), acredita que o setor de compartilhamento de bens deve expandir nos próximos anos no país. 

Como motivos, ele ressalta o apelo socioambiental desse modelo e a possibilidade de baratear o acesso a diferentes produtos, o que deve atrair uma parcela crescente dos consumidores.


33%
dos brasileiros afirmam alugar e compartilhar roupas

33%
rejeitam essa prática

39%
dos que desaprovam a ideia apontam como principal motivo a sensação de dividir com alguém um objeto pessoal

Fonte: SPC Brasil e CNDL

Annie Leibovitz on set with Megan Rapinoe, Noor Tagouri & more | Google Pixel

A lendária Annie Leibovitz fotografou os mais brilhantes Changemakers de hoje: Noor Tagouri, Megan Rapinoe, Bryan Stevenson, Xiuhtezcatl Martinez e muitos outros. As imagens retratam pessoas extraordinárias que são definidas por seu desejo feroz de tornar o mundo um lugar melhor, não importa quão assustadores sejam os obstáculos. Este vídeo, dirigido pelo jornalista Noor Tagouri, segue Annie Leibovitz na estrada enquanto se encontra com esses indivíduos poderosos, cuja paixão e compromisso estão mudando a paisagem de nosso tempo.

Zozibini Tunzi, Miss África do Sul, é eleita Miss Universo 2019

Concurso aconteceu na noite de domingo (8), em Atlanta, nos EUA

E a Miss Universo 2019 já tem sua vencedora: a Miss África do Sul, Zozibini Tunzi. O segundo lugar ficou com a Miss Porto Rico, Madison Anderson, e o terceiro com a Miss México, Sofia Aragon.

É a primeira negra desde 2011, quando Leila Lopes, da Angola ganhou num concurso realizado no Brasil. A última vitoria do país foi 2017 com Demi Leigh Nel-Peters. Em 2018, a Miss África do Sul ficou em segundo lugar, cujo título ficou com a Miss Filipinas Catriona Gray.

O concurso de beleza mais importante e popular do mundo, o Miss Universo, aconteceu na noite deste domingo (8), em Atlanta, nos Estados Unidos. Na primeira semifinal, 20 foram selecionadas: Brasil, África do Sul, Indonésia, Vietnã, Nigéria, Tailândia, Albânia, França,  Islândia, Croácia, Portugal, Porto Rico, Peru, República Dominicana, México, Estados Unidos, Filipinas, Venezuela, Índia e Colômbia.

Na primeira semifinal, 20 foram selecionadas: Brasil, África do Sul, Indonésia, Vietnã, Nigéria, Tailândia, Albânia, França,  Islândia, Croácia, Portugal, Porto Rico, Peru, República Dominicana, México, Estados Unidos, Filipinas, Venezuela, Índia e Colômbia.

No top 10, se classificaram: Colômbia, EUA, Porto Rico, Africa do Sul, Islândia, França, Indonésia, Tailândia e México. Júlia, infelizmente, ficou de fora, não conquistando o tão esperado título para o Brasil. Entre as cinco semifinalistas ficaram México, Tailândia, Colômbia, Porto Rico e África do Sul.

Miss Brasil Julia Horta disputava o título com outras 88 candidatas. As candidatas estavam confinadas desde o dia 28 de novembro e foram avaliadas em sessões de fotos, eventos e entrevistas que definem as semi-finalistas anunciadas na noite do concurso.