Estilista britânica Clare Waight Keller diz que Harry lhe agradeceu pelo vestido de Meghan: ‘absolutamente maravilhosa’

Duquesa de Sussex procurou diretora criativa da maison francesa Givenchy em janeiro.
Por Agencia EFE

Clare-Waight-Keller-1337462
A estilista britânica Clare Waight Keller com desenhos do vestido que fez para Meghan Markle se casar com o príncipe Harry (Foto: Hannah McKay/Pool/Reuters)

A estilista britânica Clare Waight Keller reconheceu neste domingo (20) o “orgulho” que sente por ter sido a escolhida por Meghan Markle para criar seu vestido de noiva e revelou que o príncipe Harry se aproximou dela após a cerimônia e lhe agradeceu pela criação do vestido.

O príncipe britânico e a atriz americana, que agora tem o título de duquesa de Sussex, casaram-se neste sábado (19) na Capela de São Jorge, no castelo de Windsor, em uma cerimônia que uniu tradição e modernidade.

Em entrevista à emissora britânica ITV, Clare Waight Keller, diretora criativa da maison francesa Givenchy, disse que o comentário de Harry foi: “Meu Deus, obrigado, ela está absolutamente maravilhosa”.

Royal-wedding
Principe Harry e Meghan Markle deixando a igreja em Windsor (Foto: Ben STANSALL / AFP / POOL)

Waight Keller contou que no começo de janeiro, pouco mais de um mês depois que o casal anunciou o compromisso matrimonial, foi quando Meghan a escolheu para desenhar o seu vestido.

“Foi um momento extraordinário quando ela me contou”, declarou Keller, ressaltando que o processo de criação foi “colaborativo” com a noiva.

“Acredito que ela tinha visto muito do meu trabalho e sabia o que queria”, opinou a estilista, natural de Birmingham e para quem o fato de ser inglesa agradou Meghan.

Keller também desenvolveu o véu usado por Meghan, com cinco metros de comprimento e feito de tule de seda com flores bordadas à mão em fios de seda e organza. As flores representavam os 53 países do Commonwealth.

Para a recepção oferecida pelo príncipe Charles que aconteceu depois da cerimônia religiosa e contou com 200 convidados na Frogmore House, Meghan usou outro vestido, também assinado por uma britânica, Stella McCartney.

Anúncios

‘Tenho orgulho de ser mulher e feminista’, diz Meghan Markle

Afirmação está na página oficial da duquesa de Sussex no site da família real

Prince Harry Marries Ms. Meghan Markle - Windsor Castle
Príncipe Harry e Meghan

Após o casamento real do príncipe Harry com Meghan Markle, o site oficial da realeza britânica colocou no ar uma página sobre a nova duquesa de Sussex. A biografia traz informações sobre os trabalhos sociais e também menciona que Meghan é comprometida com “o empoderamento de mulheres”.

“Tenho orgulho de ser mulher e feminista”, afirma a nova integrante da realeza britânica em sua página oficial.

No ano passado, Meghan visitou com a ONG World Vision para conscientizar meninas sobre a importância da educação. Em 2015, a duquesa tornou-se defensora das mulheres da ONU.

No entanto, desde os 11 anos de idade ela já era ativista pela igualdade de gênero. Após uma campanha, a norte-americana conseguiu que uma empresa que vendia detergente mudasse um anúncio de televisão apontado como sexista.

Meghan Markle escolhe vestido Stella McCartney para a festa de casamento

O segundo look usado pela noiva do Príncipe Harry é um modelo frente única preso ao pescoço.

prince-harry-meghan-markle-royal-wedding-4-rt-jt-180519_hpEmbed_19x14_608
 (Getty Images/Getty Images)

Depois de brilhar com um vestido extraordinário da Givenchy — marca francesa dirigida pela estilista britânica Clare Waight Keller — na Abadia de Westminster, a noiva do dia Meghan Markle elegeu um modelo Stella McCartney para receber os convidados da festa que está começando agora em Londres. Trata-se de uma peça frente única, sem decote, preso ao pescoço que deixa os ombros à mostra.

A criação da filha do icônico rockstar Paul McCartney segue a linha minimal que tem marcado o estilo da duquesa de Sussex desde quando ela passou a fazer parte da nobreza inglesa. Aliás, não foi só a atriz que trocou de roupa: olha só o Príncipe Harry de smoking no lugar da farda que usava na Igreja.

Lembrando que ao invés de presentes, o casal fez uma lista de instituições de caridade que precisam de doações e pediram para seus convidados ajudarem. As ONGs lutam por causas distintas: desde preservação ambiental, até direitos das mulheres passando pela prevenção contra o HIV. Celebrando o amor em todas as formas!

Casamento real: Meghan Markle usa diamante de 1893 em tiara

Atriz americana se casou com o príncipe Harry, do Reino Unido, na manhã deste sábado

sem-tc3adtulo13-e1526728426267 (1).png
Meghan Markle se casa com príncipe Harry na capela de São Jorge, em Windsor (//Reprodução)

O segredo sobre a tiara de Meghan Markle para o seu casamento com o príncipe Harry, do Reino Unido, foi revelado. A atriz americana chegou à Capela de São Jorge do Castelo de Windsor, na Inglaterra, com um adereço feito para a rainha Mary em 1932. O diamante central do acessório foi dado à monarca em 1893.

A tiara foi dada para a rainha Elizabeth II em 1953. O adereço foi apenas emprestado para Meghan para a cerimônia. De acordo com informações divulgadas pelo Palácio de Kensigton, ela é feita de platina e possui diamantes de diferentes tamanhos cravejados.

A tiara foi feita especialmente para acomodar a pedra central, que foi dada para a então princesa Mary como presente no seu casamento com o príncipe George, em 1953.

Além da coroa, Meghan usou brincos e um bracelete da marca francesa Cartier.

Meghan Markle foca na imagem da princesa politicamente correta

Com vestido Givenchy, a noiva feminista que defende causas nobres ousa sem desafiar as convenções da realeza
Maria Rita Alonso e Anna Rombino – O Estado De S.Paulo

GettyImages-960063226.jpg
Meghan Markle e príncipe Harry (Foto: Getty Images)

Na bolsa de apostas sobre a escolha do vestido de noiva de Meghan Markle, ninguém ousou colocar as fichas na Givenchy, uma das principais marcas francesas. Prestigiar o país vizinho nessa ocasião seria praticamente uma afronta à indústria da moda britânica, não fosse um detalhe: a Givenchy agora é comandada por uma estilista inglesa, a Clare Waight Keller, que em 2017 tornou-se a primeira mulher a ocupar o cargo de diretora artística da marca. Bingo! Quem mais poderia fazer um vestido assim, tão elegante e ao mesmo tempo simples, ajudando a noiva, de quebra, a bater na tecla da sororidade, sem ferir o brio nacional?

Em crepe de seda pura, com corte primoroso, o modelo trouxe um decote canoa aberto, mangas três quartos e silhueta esculpida por seis costuras verticais – elementos bem característicos da marca fundada em 1952 pelo aristocrata Hubert de Givenchy. A saia levemente rodada contou com três camadas de organza de seda. Um vestido, enfim, charmoso, fino, comedidamente sexy – perfeito para ela, que está amando ser vista como um sopro de modernidade, mas não pretende desacatar as convenções que determinam o lifestyle do marido.

Meghan sabe o que é chique, o que é apropriado e o que pode reforçar sua imagem feminista e politicamente correta. Não há espontaneidade em seu guarda-roupa. É tudo calculado. O véu que usou, por exemplo, fez referências à organização intergovernamental Commonwealth, composta por países que integravam o Império Britânico, novo foco do trabalho voluntário dos noivos. Por isso, a estilista Clare estudou a flora nativa dos 53 países dessa comunidade e criou, à partir de diferentes tipos de flores, bordados em fios de seda e organza para enfeitar todo o barrado do véu.

O buquê e a tiara também vieram repletos de simbologias. No buquê, a florista Philippa Craddock homenageou Lady Di, usando suas flores favoritas, conhecidas como não-me-esqueças. As murtas, uma tradição da família real desde 1858, também estavam ali. Já a tiara de diamantes da rainha Mary, avó de Elizabeth II, faz parte da coleção de joias da Coroa.

Em termos de estilo e personalidade, Meghan é, na verdade, uma bênção para a família real, que vê neste casamento uma oportunidade de se mostrar mais aberta e sintonizada com o mundo de hoje.

Filha de Doria Ragland, uma professora de yoga afro-americana, que na cerimônia manteve os dreads presos por um chapéu discreto, Meghan assume o papel de humanitária e ativista sem deixar o guarda-roupa sofisticado de lado. Faz um tipo parecido com o da advogada Amal Clooney, que está sempre impecável e ontem foi a convidada mais chique, de amarelo. Enquanto a cunhada Kate Middleton prefere o estilo gente como a gente (no casamento ela usou pela terceira vez um vestido de Alexander McQueen), Meghan parece focada na imagem das atuais princesas da Disney, cheias de propósito, causas nobres e looks de sonhos.

Como princesa Diana, Meghan Markle omite ‘obediência’ de votos de casamento

Ela parou em ‘amar e cuidar’ e não pronunciou a palavra ‘obedecer’.

526x297-2qD
Meghan Markle no altar com o príncipe Harry em cerimônia de 19 de maio de 2018 (Foto: Reprodução/TV Globo)

Meghan Markle decidiu não pronunciar a palavra “obediência” dos tradicionais votos de casamento na cerimônia com o príncipe Harry neste sábado (19). Com isso, ela segue os passos da tradição deflagrada pela princesa Diana — que também foi seguida por Kate Middleton em seu casamento com o príncipe William em 2011.

Em inglês, os votos tradicionais para a mulher costumam citar “love, cherish and obey” (amar, cuidar e obedecer em português). Meghan, no entanto, omitiu a palavra obedecer dos votos e parou em “love and cherish” (amar e cuidar).

Feminista, Meghan defende a igualdade de direitos entre homens e mulheres e é representante da ONU Mulheres, braço da Organização das Nações Unidas para a promoção da igualdade de gênero.

Meghan é formada em comunicação pela universidade americana de Northwestern, em Illinois. Ela também manteve por três anos um blog de estilo de vida chamado “The Tig”, dedicado a assuntos femininos, e se engajou em campanhas por igualdade de gênero.

Em uma postagem no blog, Meghan chegou a escrever: “Nunca quis ser uma mulher que almoça; sempre quis ser uma mulher que trabalha”.

Como a top Emanuela de Paula cuida de sua pele?

A estrela da campanha de verão 2019 da marca de sapatos Bebecê contou seus segredos de beleza à ELLE.

Emanuela de Paula não é qualquer modelo. Ela já foi angel da Victoria’s Secret, estrelou campanhas de marcas incríveis como Diane von Furstenberg, Lacoste e Tommy Hilfiger e posou para as lentes de fotógrafos icônicos como Patrick Demarchelier e Craig McDean. Como a top mora em Nova York, aproveitamos a sua passagem pelo Brasil — ela acabou de clicar a campanha de verão 2019 da marca de sapatos Bebecê — para conversar com ela sobre skincare: uma vez que é nítido o seu glow natural, mesmo tendo uma rotina tão agitada com várias viagens ao redor do globo.

“Quando estou viajando muito e tenho trabalho cedinho, lavo meu rosto com chá de camomila frio“, dá a dica. “Acalma minha pele e serve como uma proteção antes de toda a maquiagem que vou usar no trabalho.” Segundo a modelo, que tem pele oleosa, a limpeza é sua parte preferida: “ou quando faço máscaras faciais, também”, diz. “Alimentação também é fundamental: se sentir bem, estar bem nutrida é garantia de uma pele radiante.”

No dia a dia, o controle da oleosidade vem através do uso de um sérum hidratante e preventivo anti-acne em sua rotina de beleza. Logo depois de lavar e tonificar o rosto, ela finaliza o processo com o produto em questão. “Sou ligada porque gosto de me cuidar, mas sem exagero. Sou disciplinada e consigo seguir uma rotina diária com facilidade. É muito fácil pular um dia ou outro pela preguiça ou falta de tempo, mas, com o passar dos anos, descobri como fazer o necessário para que eu me sinta bem.