Bilheteria EUA: Homem-Aranha no Aranhaverso, A Mula, O Grinch, WiFi Ralph, Máquinas Mortais

Homem-Aranha no Aranhaverso lidera bilheteria EUA na estreia

A animação Homem-Aranha no Aranhaverso tem direção de Peter Ramsey, Rodney Rothman e Bob Persichetti e produção de Phil Lord e Chris Miller. Lord também escreveu o roteiro do filme.

Com a estreia de Aquaman marcada para o dia 21, quem liderou a bilheteria americana neste fim de semana foi Homem-Aranha no Aranhaverso. Com US$ 35 milhões arrecadados, o filme bateu com folga os números de WiFi Ralph, líder da semana anterior.

Na segunda colocação está o drama A Mula, estrelado por Clint Eastwood. Na história, um homem falido de 80 anos aceita um trabalho em que precisará apenas dirigir e se torna uma “mula”, responsável pelo transporte de drogas para um cartel mexicano. O longa arrecadou US$ 17 milhões.

Em sua sexta semana em cartaz, a animação O Grinch manteve bons números no terceiro lugar da semana. O filme teve bilheteria de US$ 11 milhões e já soma US$ 239 milhões no país.

Líder da semana anterior, WiFi Ralph caiu para o quarto lugar, com US$ 9,5 milhões e Máquinas Mortais, de Peter Jackson, fez sua estreia em quinto lugar, com US$ 7,5 milhões.

Anúncios

Prédio mais alto da Tailândia ganha deck de vidro surpreendente

Você teria coragem de andar no topo do MahaNakhon, em Bangkok?
Por Amanda Sequin I Foto Buro Ole Scheeren/ Divulgação

Considerado o prédio mais alto da Tailândia, o MahaNakhon, situado em Bangkok, não só atrai pelos seus 314 metros de altura e sua arquitetura curiosa. Recentemente, o edifício inaugurou um novo espaço que está dando o que falar na cidade: um deck de observação com vista panorâmica e um piso de vidro que faz os visitantes “flutuarem” sobre a cidade! 

Projetada pelo arquiteto Ole Scheeren, a construção inaugurada em 2016 reflete o constante crescimento observado em Bangkok – por isso sua fachada tem esse aspecto pixelado como um jogo de Tetris em andamento. O topo de vidro em balanço, segundo o escritório, é o gran finale da arquitetura. 

O rooftop transparente é talvez um dos mais altos do mundo e fica no 74º, 75º e 78º. Para chegar lá, os visitantes utilizam um elevador que leva ao primeiro andar do deck em apenas 50 segundos. 

Além de observar a vista em 360º e tirar um selfie flutuando sobre os prédios, os visitantes também podem tomar drinks, já que há também um bar no deck. No 74º andar, primeiro local da experiência, pode-se descobrir os principais pontos turísticos da cidade por meio de telas interativas e realidade aumentada. 

Para visitar o topo do MahaNakhon é preciso adquirir ingressos. A ida completa, que dá direito à caminhada sobre o piso de vidro, custa 1050 bahts – cerca de R$ 124 reais – e pode ser adquirida no primeiro piso do edíficio. 

Decotes nas costas e nas laterais do corpo devem encher as vitrines nas próximas estações

Desfile da Prada para a coleção primavera-verão 2019, apresentada em 20 de setembro de 2018 na Semana de Moda de Milão Por: Alberto Lingria 

O ano na moda pode ser lido como um grande bota-fora. As passarelas rasgaram decotes, abriram fendas e jogaram no lixo os excessos de roupa em prol de uma visão mais ensolarada, liberta de referências do passado e sexy.

Não o sexy destilado apenas em vestidinhos curtos e barriga de fora, mas um tipo de sensualidade que, como a Prada fez em Milão, reimagine os limites da exposição do corpo em decotes nas costas e nas laterais do tronco.

Os estilistas abriram frestas na imaginação para não só encurtar as saias como também aderir ao look ciclista com suas curvas sinuosas e shorts na altura dos joelhos, novo comprimento que deve encher as vitrines nas próximas duas estações.

Ao expurgar o comprimento mídi adocicado, padrão de feminilidade já ultrapassado que pode entrar no limbo das liquidações no próximo semestre, a moda revelou as coxas delineadas por saltos altos, cujas agulhas parecem querer furar a hegemonia dos tênis grifados de outras estações.

O perfume animalesco, porém, não se esvazia nas modelagens, porque também se mostra nas estampas de bicho, na matéria-prima de píton (cobra malaia) e em diversas gramaturas de couro, como nos tratados de elegância atemporal da Tod’s e da Hermès.

Nenhuma nudez será execrada na nova cartilha dessa indústria novidadeira, porque ela é embalada com espessa camada de ativismo, no qual a palavra “liberdade” assume roupagem transgressora.

Só olhar a marcha de seios descobertos na Saint Laurent, as transparências da Courrèges, a confusão de gêneros da Maison Margiela, os troncos plastificados na alta-costura de Jean Paul Gaultier, o “nude” travestido de preto na Dior e os tons de pele ditando a nova era da inglesa Burberry que as segundas intenções da moda se revelam.

É hora de se despir de códigos, assumir novas silhuetas e, assim como se quis nos anos 1980, responder à caretice de um mundo colapsado pelas regras. [Pedr0 Diniz]

NOVOS RUMOS PARA 2019

‘Living Coral’
A empresa de colorismo Pantone elegeu como ‘cor do ano’ o laranja coral, um meio termo entre o terracota e o iluminado do crepúsculo. A tonalidade continua a série de cores quentes e acolhedoras.

Natural
Menos poliéster, mais linho, seda e algodão. A economia sustentável e a urgência de práticas responsáveis chegarão às vitrines, que devem ser tomadas de matéria-prima natural e cores abertas.

Textura manual
O efeito tridimensional da renda e do tricô é o que há de mais quente. Culpa da vida maquiada das redes sociais, que faz as pessoas valorizarem cada vez mais o que traga um sentido de realidade tátil.

A obra de Niemeyer sob o olhar de diferentes fotógrafos

Perspectivas bidimensionais para a arte da tridimensionalidade
Por Natália Martucci I Fotos Reprodução

O Palácio da Alvorada, casa oficial dos presidentes da república, clicado por Leonardo Finotti.

As curvas de Niemeyer possibilitam múltiplos olhares para o mesmo edifício. O arquiteto projetava pensando no olhar do observador. E como as lentes de diferentes fotógrafos capturam a beleza das obras desse mestre da arquitetura brasileira? Confira a seguir uma seleção de fotos incríveis das maiores obras de Niemeyer, que neste sábado completaria 111 anos. 

A foto de Tuca Vieira retrata o interior do Pavilhão da Bienal, em São Paulo.
O franco-brasileiro Marcel Gautherot tem uma série de registro de Brasília e seus emblemáticos edifícios durante sua construção, iniciada em 1956.
Aqui, um detalhe do Palácio da Alvorada por Rasilibw.
O edifício Mondadori, em Milão, pelas lentes da artista visual Karina Castro.
Texturas e ângulos inusitados aparecem nas fotografias de Patricia Parinejad dos projetos do arquiteto.
O interior do Auditório Ibirapuera, construído em 2005, por Nelson Kon.
Museu de Arte Moderna de Niteroi, projeto de 1996, fotografado por Cristiano Mascaro.

Décor do dia: coral e azul no banheiro

Elementos geométricos atualizam o espaço
Por Paula Jacob I Foto Pinterest

Já mostramos como usar o Living Coral na sala de estar e porque a Pantone elegeu a tonalidade como a cor do ano de 2019. Porém, uma combinação certeira para apostar na tendência é aplicá-la combinando com o azul. Caso deste banheiro do Hotel des Grands Boulevards, na França, que ainda usou os tons acinzentados para complementar o espaço acolhedor. O coral aparece no ladrilho delicado do piso e nos detalhes das luminárias redondas. Como uma parede bicolor, o outro revestimento preenche parte da parede onde está a pia e os espelhos em arcos, outra forma em alta nos interiores. O quê vintage, que lembra a estética inconfundível de Wes Anderson, faz parte de um dos itens essenciais da casa dos millennials: a nostalgia visual.