SEJA MEMBRO DO UFW – 20 REAIS/ANO

UFW – O Universomovie Forward traz um olhar diferente sobre moda, beleza, cultura, lifestyle, tech, arquitetura, design, advertising.

Seja membro

R$ 20,00

Ganhe benefícios exclusivos ao se tornar membro do UFW.

Seja membro do UFW pelo valor de R$20,00/ano (após o pagamento, envie um zap para (11) 96190-5729 e receba seu código de acesso. Atualizações diárias exclusivas, inclusive aos finais de semana e feriados, além de garantia de participação em sorteios no site e muito mais…..

OUTRAS FORMAS DE PAGAMENTO:

Banco NUBANK AG 0001 CONTA 29496942-1 (Renato Cezario)
PIX renatocscezario@gmail.com


Earn exclusive benefits by becoming a UFW member.

Be a UFW member for R $ 20.00 / year (after payment, send a zap to (11) 96190-5729 and receive your access code. Exclusive daily updates, including weekends and holidays, in addition to guarantee of participation in sweepstakes on the website and much more… ..

OTHER PAYMENT METHODS:

Bank NUBANK AG 0001 ACCOUNT 29496942-1 (Renato Cezario)
PIX renatocscezario@gmail.com

Pop – Vogue Hong Kong July 2021 – Karyna Dzuiba By Ana Abril 

Pop   —   Vogue Hong Kong July 2021   —   www.vogue.hk

Photography & Creative Director: Ana Abril Model: Karyna Dzuiba Hair & Make-up: Gino Mateus Styling: Caterina Ospina

De Harry Styles a ASAP Rocky… Os homens e seus vestidos de verão

A fluidez de gênero ingressa em sua fase seguinte enquanto mais homens saem mais com saias e vestidos
Guy Trebay, The New York Times – Life/Style, O Estado de S.Paulo

NYT - Life/Style (não usar em outras publicações).
Robert Saludares, em casa no Brooklyn. Foto: Simbarashe Cha/The New York Times

Parece bastante improvável que quando o autor Irwin Shaw escreveu The Girls in Their Summer Dresses (As Garotas nos seus Vestidos de Verão), a sua obra clássica a “um milhão de lindas mulheres, por toda a cidade”, deslizando pela rua com as brisas quentes levadas pelas barras de sua roupa, pudesse imaginar que um dia essas “garotas” poderiam ser homens. Mesmo que a história de 1939 de Shaw seja muito sexista e datada, ela estabeleceu verdades sobre a existência urbana e a alegria pura de olhar.

Estes prazeres que, em grande parte, nos foram tirados nos últimos meses, voltaram enquanto nos aventuramos fora das nossas cavernas. Para a agradável surpresa de, pelo menos, um observador, um número considerável de pessoas aparentemente usou o tempo na quarentena para repensar alguns princípios a respeito de quem deve vestir o quê.

Khoa Sinclair, por exemplo, tratou o lockdown como um tempo de experimentação, uma chance de criar um estilo já livre das rígidas convenções binárias no reino da “feminilidade avançada”.

Portanto, lá estava Sinclair, 26 anos, recentemente, em uma tarde quente passeando pelo Domino Park em Williamsburg, no Brooklyn, os cachos do topete enrolados, braços tatuados saindo das mangas de um sinuoso vestido pregueado assinado por Issey Miyake.

“Por muito tempo, as pessoas se sentiam presas em ser de um jeito ou de outro”, disse Sinclair, referindo-se aos códigos de gênero de roupas em vias de desaparecer. “As pessoas queer andam brincando com isso há muito tempo. Mas agora, vemos muitos garotos usando vestidos que não se identificam absolutamente como totalmente femininos”.

Vemos o rapper ASAP Rocky, eminência do hip-hop e lançador de tendências, com uma saia de Vivienne Westwood na capa da revista GQ. Vemos o filho da cantora Madonna, jogador de futebol de 15 anos, David Banda, deslizando por um longo corredor em um vídeo que viralizou, vestido com um Mae Couture de seda branca até o chão que, afirma, dar uma sensação “de liberdade total”.

Na Espanha, vemos uma onda de professores, homens, indo para a escola de saias em apoio a um aluno que foi expulso de sala e obrigado a buscar aconselhamento depois de usar uma parecida. Vemos o cantor Lil Nas X, no programa The Tonight Show, com uma longa saia tartan – na Escócia, um símbolo masculino, mas não em muitos outros lugares – e Bad Bunny na entrega dos Grammys com um casaco Burberry sobre uma túnica clássica preta de Riccardo Tisci semelhante ao hábito de uma freira.

Observamos, em uma recente tarde repleta de aromas em Washington Square Park, homens vestidos de maneiras variadas em vestidos rasgados que lembram a capa de Kurt Cobain em uma edição de 1993 da revista The Face; com roupa de estudante com saia xadrez da cantora Britney Spears; e um conjunto de blusa e saia de manga curta, também de Issey Miyake, com meia preta e sapatos com sola de couro envernizado.

“Comecei saindo com tops femininos e depois saias femininas”, disse Robert Saludares, 24 anos, esteticista que cresceu colhendo café em uma fazenda no Havaí, a respeito do seu traje assinado por Miyake. “Agora, honestamente, só compro no departamento feminino”.

Se as ruas são o último campo de prova das mudanças da sociedade, nem sempre se presta a fáceis avaliações estatísticas. Para isso, há a internet: as buscas de peças da moda que incluem palavras chaves sem gênero definido aumentaram de 33% desde o começo de ano na Lyst, uma plataforma global de moda que agrega dados de 17 mil marcas e varejistas. As visualizações por página de plumas cresceram nada menos que 1.500% depois que o cantor Harry Styles apareceu vestido com elas para a última edição do Grammy. Em apenas 24 horas, desde a participação de Kid Cudi no programa Saturday Night Live com um vestido Off-White, o site da marca registrou um aumento de 21% das buscas por itens semelhantes.

NYT - Life/Style (não usar em outras publicações).
Brendan Dunlap, um professor substituto, no Mission District de San Francisco.  Foto: Peter Prato/The New York Times

“Quando começamos a ver celebridades masculinas usando muito mais saias, dissemos: ‘Vamos colocar uma edição de saias na seção para homens do nosso aplicativo”, contou por telefone de Londres Bridget Mills-Powell, diretora de conteúdo da Lyst. “Nós não acreditamos que daria tão certo, mas depois recebemos uma resposta superior à das nossas outras listas”. 

Faz quase vinte anos desde que Andrew Bolton, o curador encarregado do Instituto de Figurino do Metropolitan Museum of Art, montou uma mostra panorâmica intitulada Brave Hearts: Men in Skirts. E, embora antropólogos culturais como Bolton fossem os primeiros a detectar os tipos de mudanças culturais que muitas vezes surgem inicialmente na moda, até ele talvez não tenha previsto um tempo em que dois personagens masculinos em uma série vencedora do Emmy casariam e um deles estava de saia, como David Rose (Daniel Levy) e Patrick Brewer (Noah Reid) fizeram em Schitt’s Creek em 2018. (Por coincidência, a saia era de Thom Browne, um pioneiro do vestuário pós-gênero, também namorado de Bolton.)

Além disso, o nosso vestuário não pode mais ser considerado automaticamente uma declaração a respeito de alguma coisa. 

“Estamos revendo tudo isto”, disse Will Welch, editor da GQ. “Um homem de tênis Allbirds e moletom com capuz pode ser um bilionário. Por isso, você não pode mais fazer suposições”, nem sobre a orientação de gênero dos “sujeitos no Washington Square Park que usam vestidos”.

NYT - Life/Style (não usar em outras publicações).
Mickey Freeman anda vestido com um kilt.  Foto: John Taggart/The New York Times

Para o estilista Mickey Freeman, que evita calças há quase seis anos, um kilt é um instrumento que lhe permite desprezar abertamente as constrições sociais quanto à identidade de um homem negro. “A maioria das pessoas tem uma diretiva interior de como as roupas atuam na masculinidade de um homem”, escreveu Freeman por e-mail. Sujeitos que buscam quebrar as “algemas interiores” da apresentação do gênero podem beneficiar-se de um experimento usando uma roupa criada sem duas pernas e um zíper.

E para Eugene Rabkin, 44 anos, um jornalista de moda que, no ano passado, postou um conto para a StyleZeitgeist, sua popular revista on-line, intitulado “Como parei de me preocupar e aprendi a amar as roupas femininas”, este processo está arraigado no conforto e na estética, não na descoberta do gênero. (Como acontece na realidade em grande parte do mundo não ocidental, onde os homens são vistos tanto em túnicas e dhotis indiano quanto calças.) Quando Rabkin, que se identifica como cisgênero e heterossexual, adquiriu o seu primeiro item de vestuário “de mulher” em 2003, a sua escolha incontrovertida foi um par de botas Ann Demeulemeester que Nicole Kidman usou na edição de setembro da Vogue.

“Para mim, não há nada de particularmente feminino nelas”, escreveu Rabkin, referindo-se às saias e túnicas e outras peças de roupa que, desde então, adquiriu nas coleções femininas de estilistas como Rick Owens, Raf Simons e Jun Takahashi. “O que faço quando compro roupas de mulher não é um gesto de transgressão de rebelião a respeito das normas societárias conservadoras”.

Fazendo compras com a esposa na loja da Uniqlo, Rabkin certa vez se encontrou em um provador ajustando o cós de uma saia acolchoada que ela havia experimentado sem sucesso e depois sugeriu que o item ficaria melhor nele. E, de fato, ficou. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Indira Paganotto / July 29 / 4pm-5pm

Indira Paganotto / July 29 / 4pm-5pm

Stephane Rolland | Haute Couture Fall Winter 2021/2022 | Digital

Stéphane Rolland | Haute Couture Fall Winter 2021/2022 | Digital Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – Haute Couture Fashion Week – Paris/FR)

Apple abre inscrições do Entrepreneur Camp para negros

No ano passado, acompanhamos todo o movimento #BlackLivesMatter, seus protestos e desdobramentos ao redor do mundo. Levando isso em conta, em 2020, a Apple anunciou uma edição do Apple Entrepreneur Camp focada especialmente em desenvolvedores negros.

O projeto foi um sucesso e, neste ano, ele ocorrerá novamente! Hoje, a empresa abriu as inscrições para o Apple Entrepreneur Camp for Black founders and developers, que ocorrerá de forma online entre os dias 26 de outubro até 4 de novembro de 2021.

Esse projeto faz parte da Iniciativa sobre Equidade e Justiça Racial, apresentada pela Apple no ano passado, a fim de combater as desigualdades sociais enfrentadas pela população negra.

O programa consiste em uma experiência imersiva em laboratórios de desenvolvimento, mentoria, aulas e suporte com engenheiros da Apple para que os desenvolvedores selecionados criem apps incríveis.

Assim como o bem sucedido Apple Entrepreneur Camp para mulheres, essa edição também será totalmente online. As inscrições já estão abertas para pessoas do mundo todo e serão encerradas no dia 17 de agosto (uma terça-feira).

As condições para aplicação e o formulário de inscrição podem ser encontrados nessa página. [MacMagazine]

Corretora digital de planos de saúde, startup Pipo recebe aporte de R$ 100 mi

Startup ajuda empresas a escolherem seus planos de saúde; com os novos recursos, a Pipo pretende investir em tecnologia e contratação
Por Giovanna Wolf – O Estado de S. Paulo

Manoela Mitchell, CEO e fundadora da Pipo Saúde

A startup Pipo Saúde, que atua como uma corretora digital de planos de saúde, anuncia nesta quarta-feira, 28, que recebeu um investimento de R$ 100 milhões liderado pela Thrive Capital, investidora de grandes nomes como Nubank e Loft. É o mais novo aporte entre as chamadas “healthtechs”, que receberam só no primeiro semestre deste ano US$ 183,9 milhões em investimentos no Brasil, segundo a empresa de inovação Distrito.

A rodada contou com a participação do fundo Atlântico, de Julio Vasconcelos (fundador do Peixe Urbano), e outros investidores-anjo. Monashees, Kaszek, OneVC e David Vélez (fundador do Nubank) já investiam na Pipo e também fizeram parte do novo cheque. 

Fundada em 2019, a Pipo ajuda a área de recursos humanos de empresas a escolherem operadoras e planos de saúde para os funcionários, de acordo com suas necessidades – isso é feito com ciência de dados. “É complexo entender qual é o plano de saúde certo para cada empresa, principalmente se ela for grande e tiver pessoas em vários lugares pelo Brasil. A partir de onde os funcionários moram, das restrições orçamentárias da companhia e da localização da rede dos planos, a Pipo consegue direcionar quais são as melhores opções de produtos”, explica Manoela Mitchell, presidente executiva da Pipo Saúde, que fundou a startup ao lado de Vinicius Correa e Thiago Torres. 

Nessa escolha de planos, a healthtech pode combinar mais de um produto de diferentes operadoras. Depois que o pacote é fechado, a Pipo atua na gestão dos planos em processos como inclusão de funcionários, pagamento de fatura e alocação dos valores em folhas. Além disso, a startup tem uma equipe própria de especialistas que ajuda os pacientes em decisões sobre saúde, como uma segunda opinião sobre uma cirurgia – o atendimento é feito por WhatsApp, chat, e-mail ou ligação telefônica. 

A Pipo tem hoje cerca de 100 empresas clientes, como MadeiraMadeira e Buser – ao todo, são aproximadamente 15 mil vidas sob gestão. A startup recebe um valor das operadoras pela corretagem, e não cobra o serviço das empresas. 

O novo cheque será usado para investimentos em tecnologia e contratação de funcionários. A Pipo tem hoje 100 pessoas e pretende dobrar o número até o final do ano. 

A startup ainda tem pela frente o desafio de atender companhias de grande porte – atualmente, a healthtech tem como clientes principalmente empresas de 100 a 2,5 mil funcionários. “Empresas maiores têm complexidades adicionais como exames recorrentes nos funcionários e ambulatórios em fábricas. Ainda não conseguimos navegar nisso, mas é para onde queremos ir”, diz Manoela. 

A área de planos de saúde tem atraído atenção de várias startups brasileiras. Uma delas é a Alice, que tem apenas um ano de operação e já soma US$ 47,8 milhões em investimentos – a healthtech tem um time de saúde próprio e dá acesso a hospitais e laboratórios parceiros. Outro nome de destaque é a Sami, que oferece um plano de saúde voltado a pequenas e médias empresas e atende quase 2 mil empresas. Por ser corretora e não oferecer um produto digital como a maioria dessas startups faz, a Pipo se posiciona como um serviço complementar. “Essa tendência de digitalização beneficia nosso modelo. A recomendação com base em dados ganha valor”, afirma a executiva. 

Uma espiada no espaço de Coworking do Alliance Center em Denver, Colorado

Provedor de espaço de coworking O Alliance Center contratou recentemente a empresa de arquitetura e design de interiores Gensler para projetar seu novo espaço de coworking em Denver, Colorado.

alliance-center-denver-coworking-13
Breakout space

“Trabalhando em estreita colaboração com a Alliance for Sustainable Colorado, Gensler desenvolveu um conceito de design para uma renovação de alto desempenho do espaço de escritórios existente da organização sem fins lucrativos localizado no centro de Denver. Respondendo ao desejo do cliente de criar um espaço que atrairia e reter inquilinos que procuram facilitar a sustentabilidade por meio da colaboração, Gensler projetou um centro multi-inquilino, sem fins lucrativos reimaginado que liga diretamente todos os grupos de inquilinos para o avanço da sustentabilidade.

Para conseguir isso, Gensler criou um espaço aberto, saudável, flexível e cheio de luz que promoveria a polinização cruzada de ideias, ao mesmo tempo que encorajava interações espontâneas entre inquilinos e visitantes. A entrada original do edifício foi restaurada para criar uma forte presença na rua ao longo de uma via principal, enquanto um novo design do saguão oferece aos inquilinos e visitantes oportunidades de interação, bem como uma forte introdução visual à marca e missão da organização sem fins lucrativos. ”

  • Location: Denver, Colorado
  • Date completed: 2019
  • Design: Gensler
alliance-center-denver-coworking-1
Collaborative space
alliance-center-denver-coworking-4
Collaborative space
alliance-center-denver-coworking-5
Corridor
alliance-center-denver-coworking-6
Coworking space
alliance-center-denver-coworking-7
Coworking space
alliance-center-denver-coworking-8
Meeting space
alliance-center-denver-coworking-11
Collaborative space
alliance-center-denver-coworking-12
Corridor

Victoria Beckham | Spring Summer 2019 | Full Show

Victoria Beckham | Spring Summer 2019 by Victoria Beckham | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – LFW/London Fashion Week).

Victoria Beckham | Primavera Verão 2019 por Victoria Beckham | Desfile de moda completo em alta definição. (Widescreen – Vídeo exclusivo / 1080p – LFW / London Fashion Week).

Christian Dior – Ad Campaign F/W 2021 – Essoye Mombot, Maryel Uchida, Sade van der Hoeven & Steinberg By Elizaveta Porodina 

Christian Dior   —   Ad Campaign F/W 2021   —   www.dior.com

Designer: Maria Grazia Chiuri Photography: Elizaveta Porodina Model: Essoye Mombot, Maryel Uchida, Sade van der Hoeven & Steinberg Styling: Elin Svahn Make-Up: Peter Philips Hair: Damien Boissinot Art Direction: Fabien Baron